Linha Executiva

Credit Suisse deve anunciar saída do CEO Thomas Gottstein, diz WSJ

Embora o momento da saída não possa ser determinado, um anúncio pode ocorrer amanhã (27), quando o banco suíço divulga balanço

Gottstein assumiu em fevereiro de 2020, depois que o ex-CEO Tidjane Thiam foi demitido após um escândalo de espionagem
Por Marion Halftermeyer
26 de Julho, 2022 | 05:21 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Credit Suisse (CS) planeja anunciar a saída do CEO Thomas Gottstein, informou o Wall Street Journal, como parte dos esforços para reverter a situação da empresa em dificuldades.

Embora o momento da saída de Gottstein não possa ser determinado, um anúncio pode ocorrer amanhã (27), quando o banco suíço divulga resultados financeiros trimestrais, disse o jornal, citando pessoas familiarizadas com o banco. O Credit Suisse, com sede em Zurique, disse aos investidores no mês passado que esperavam uma terceira perda trimestral consecutiva. O conselho da empresa realizou conversas iniciais sobre a substituição de Gottstein já em maio, informou a Bloomberg News na época.

Um representante do Credit Suisse se recusou a comentar.

Gottstein assumiu em fevereiro de 2020, depois que o ex-CEO Tidjane Thiam foi demitido após um escândalo de espionagem. Um banqueiro de investimentos que liderou os negócios suíços, Gottstein ganhou elogios no início de seu mandato, liderando o banco durante o início da pandemia de covid-19, apenas para ver sua reputação manchada pelo colapso de US$ 10 bilhões em fundos financeiros da cadeia de suprimentos vinculados a Greensill Capital e um golpe de US$ 5,5 bilhões relacionado à implosão da Archegos Capital Management.

PUBLICIDADE

Esses dois escândalos provocaram uma grande onda de demissões nos altos escalões da administração, já que o credor procurou destituir executivos, incluindo o chefe de banco de investimentos Brian Chin e a chefe de risco Lara Warner, bem como uma série de banqueiros da divisão de ações. Eric Varvel, o chefe de gestão de ativos de longa data que era visto como a chave para o desenvolvimento do negócio de Greensill, também deixou o banco.

Em um esforço para conter a maré de más notícias, o Credit Suisse trouxe o banqueiro português Antonio Horta-Osório como presidente. Ele prometeu limpar o credor e incutir uma cultura de responsabilidade pessoal após o término do risco. Sua abordagem prática irritou alguns executivos e o viu assumir algumas responsabilidades mais tipicamente associadas ao CEO, levando a rumores de um relacionamento tenso entre ele e Gottstein.

Horta-Osorio saiu no início deste ano sob uma nuvem depois de admitir ter violado os regulamentos de quarentena durante a covid-19 e foi substituído por Axel Lehmann que, como Gottstein, era visto mais como um membro de Zurique e que já havia trabalhado no UBS. Mesmo após sua chegada e as alegações de Gottstein de um novo começo, o banco não conseguiu deixar de lado a enxurrada de más notícias.

O banco chocou os investidores em junho com mais um aviso de queda de lucro, o sexto em sete trimestres, prejudicado pelo fraco desempenho das negociações em mercados voláteis, clientes assumindo menos riscos e desaceleração na atividade dos mercados de capitais. A companhia também teve que lidar com o aumento das despesas legais, pois lida com casos legados e se prepara para novos potenciais.

PUBLICIDADE

Gottstein tem se esforçado para convencer os investidores de que o banco pode cumprir metas financeiras ambiciosas estabelecidas no ano passado, juntamente com uma reformulação de estratégia que recebeu recepção morna. Ele começou como banqueiro de investimentos e depois passou a administrar a divisão suíça de bancos corporativos e braço de varejo do banco, antes de ser lançado de pára-quedas para administrar todo o banco.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Desaceleração da China se espalha para economias exportadoras

Imune à inflação: LVMH vê ano ‘excelente’ com alta maior de roupas e bolsas

PUBLICIDADE