Mercados

As apostas dos bancos de Wall Street para a decisão do Fed

Reunião do banco central dos EUA nesta semana pode elevar taxa de juros em 75 pontos-base após maior aumento desde 1994 do mês passado

Reunião prevista para essa semana pode aumentar taxa de juros em 0,75 pp
Por Sagarika Jaisinghani
25 de Julho, 2022 | 03:40 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Os principais estrategistas de Wall Street discordam sobre o impacto dos dados econômicos mais fracos sobre as perspectivas políticas do Federal Reserve e o que isso significará para as ações.

Enquanto os estrategistas da Morgan Stanley (MS) dizem que é muito cedo para esperar que o Fed pare de apertar a política mesmo com o aumento dos receios de uma recessão – sugerindo que as ações terão mais espaço para cair antes de chegar ao fundo do poço -, os estrategistas do JPMorgan Chase (JPM) dizem que as apostas de que a inflação atingiu um pico levarão a uma mudança brusca do Fed e melhorarão o panorama para as ações no segundo semestre.

A inflação persistente manterá o Fed hawkish por mais tempo desta vez, segundo Michael J. Wilson, do Morgan Stanley. Embora nos últimos quatro ciclos o banco central dos Estados Unidos tenha parado de apertar a política antes do início de uma contração econômica, desencadeando um sinal bullish para as ações, os atuais níveis históricos da inflação significam que o Fed provavelmente ainda apertará a política na iminência de uma recessão, Wilson escreveu em nota.

Os mercados acionários “podem estar tentando se antecipar a uma eventual pausa do Fed, o que é sempre um sinal bullish”, disse Wilson. “Dessa vez, o problema é que a pausa provavelmente ocorrerá tarde demais”.

PUBLICIDADE

No JPMorgan, Mislav Matejka disse em uma nota divulgada na segunda-feira (25) que desafios nas atividades e mercados de trabalho mais moderados poderiam abrir portas para uma política mais equilibrada do Fed, levando a um pico no dólar e na inflação.

Índice deve atingir pico de ganho mensal não vistos desde outubrodfd

O Índice S&P 500 (SPX) tentou se recuperar este mês e deve ter o melhor ganho desde outubro, após uma queda acentuada no primeiro semestre, já que os lucros corporativos foram melhores que o esperado e que boa parte das más notícias são precificadas. Os investidores estão agora focados na reunião do Fed esta semana, na qual o banco central deve aumentar as taxas em mais 75 pontos base, após seu maior aumento desde 1994 no mês passado.

Paolo Zanghieri, economista sênior da Generali Investments, disse que espera que o ritmo de aumento das taxas diminua após a reunião desta semana.

Ainda assim, cresce a preocupação de que o Fed está muito atrasado em sua tentativa de domar a inflação e evitar uma recessão nos EUA. Mais de 60% dos 1.343 entrevistados na última pesquisa MLIV Pulse, da Bloomberg News, disseram que há uma probabilidade baixa ou até zero de que o banco central diminua as pressões sobre os preços ao consumidor sem causar uma contração econômica.

PUBLICIDADE

O estrategista da Jefferies Sean Darby afirmou que, embora a desaceleração econômica venha aumentando, ele espera que a pressão sobre as ações decorrente de uma política monetária mais restritiva seja abrandada no segundo semestre.

“Ao contrário das palavras ‘recessão’ e ‘hiperinflação’, que figuram em muitas manchetes de notícias, a palavra ‘mudança’ ainda não captou o mesmo interesse”, escreveu ele em nota. “Entretanto, se as formas da curva de rendimentos dos EUA e das curvas de futuros do Fed estiverem corretas, então os ventos desfavoráveis do aumento das taxas irá desacelerar um pouco à medida que o aperto continuar no segundo semestre”.

Wilson, que está entre os maiores pessimistas sobre as ações dos EUA e previu corretamente o sell-off deste ano, disse que mesmo que a inflação possa realmente ter atingido um pico “do ponto de vista do catalisador de mudanças”, o impacto sobre a demanda dos consumidores não “desaparecerá facilmente mesmo que a inflação diminua drasticamente, pois os preços já estão inacessíveis em áreas da economia que são essenciais para que o ciclo se estenda”.

Um número cada vez maior de analistas também afirma que, com a persistência da inflação em uma alta de quatro décadas, apenas uma recessão e um aumento no desemprego devem acalmar significativamente a pressão sobre os preços.

Matejka, do JPMorgan, disse que outro fator que melhora as perspectivas para as ações no segundo semestre é a mudança da reação aos balanços – quando resultados mais fracos podem começar a ser considerados boas notícias.

Wilson discorda, dizendo que as estimativas de ganhos para as empresas do S&P 500 ainda são muito altas e que o segundo trimestre provavelmente será o primeiro de “vários trimestres decepcionantes antes que as estimativas finalmente sejam reduzidas”.

PUBLICIDADE

Assim, as ações ainda devem cair mais antes de chegar ao fundo do poço, segundo ele. “A recente ação positiva nos preços devido a alguns cortes nos lucros provavelmente não será a mais baixa para a maioria das ações, já que geralmente é imprudente comprar após os primeiros cortes, quando estamos entrando em um importante ciclo de revisão “, escreveu Wilson na segunda-feira.

O estrategista David J. Kostin do Goldman Sachs (GS) também vê pressão sobre a receita de empresas do S&P 500 com um dólar mais forte. O modelo top-down do banco mostra que uma valorização de 10% no dólar ponderado pelo comércio deve reduzir os ganhos por ação em 2% a 3%, escreveu ele em nota de 22 de julho.

--Com a colaboração de Michael Msika.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Maior siderúrgica da China alerta para piora da crise no setor; brasileiras ficam no radar

Preocupação com recessão atinge recorde entre empresas, revela pesquisa

PUBLICIDADE