Loft, uma das startups mais valiosas da América Latina, corta 12% das vagas

Empresa avaliada em cerca de US$ 3 bilhões disse que novas demissões objetivam ‘aumento de eficiência’ da operação; cortes chegam a 543 profissionais desde abril

Em abril, a empresa já tinha mandado 159 pessoas embora, o que tinha justificado como “redundâncias” decorrentes de aquisições
05 de Julho, 2022 | 04:50 PM

São Paulo — A startup de marketplace para compra e venda de imóveis Loft, uma das mais valiosas da América Latina, anunciou na terça-feira (5) o corte de mais 384 pessoas de seu time de 3,2 mil funcionários.

Em abril, a empresa já havia dispensado 159 colaboradores, na ocasião com a justificativa de reduzir “redundâncias” - mais de um profissional para a mesma função - decorrentes de aquisições recentes.

Naquele mês, o cofundador e co-CEO Mate Pencz disse à Bloomberg Línea que, depois de um período de muitas contratações, a consolidação seguida por fases de “maiores ganhos de eficiência” fazia parte da trajetória de empresas de tecnologia.

Eficiência também foi a palavra usada pela Loft para justificar a contratação de Marcel Regis, ex-CEO da Bavaria, maior cervejaria da Colômbia, e um profissional com 25 anos de Ambev (ABEV3) e AB InBev, empresas que são referência no mercado global para gestão operacional. O executivo assumiu em junho o cargo de COO com a missão de preparar a startup para um mercado mais adverso.

PUBLICIDADE

“A redução do quadro de funcionários se soma a outras medidas de aumento de eficiência tomadas nos últimos meses após quatro anos de crescimento agressivo e consistente, tanto através de produtos desenvolvidos organicamente quanto via aquisições”, disse a empresa nesta terça em comunicado.

LEIA +
Em busca de eficiência, Loft contrata veterano da AB Inbev para liderar operação

“Com essas medidas, o Grupo Loft se adequa à nova realidade global dando passos importantes para suportar a continuação do atual ritmo de forte crescimento em seus negócios, oferecendo produtos inovadores para clientes, incluindo imobiliárias e corretores em todo o país.”

Avaliada em cerca de US$ 3 bilhões após concluir uma Série D de US$ 425 milhões no ano passado, a Loft é um dos unicórnios no Brasil considerados prontos para fazer o IPO nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

No início de abril, antes da virada mais acentuada no mercado de capitais global diante da alta dos juros, o cofundador da Loft Kristian Huber disse à Bloomberg Línea que, embora a empresa considerasse que a empresa tivesse governança e compliance alinhados para o IPO, a Loft ainda poderia captar recursos com investidores de private equity e não havia pressa para abrir o capital. Ele não comentou qual valuation a empresa pretendia atingir ou se optaria pelas bolsas NYSE ou Nasdaq, ambas nos Estados Unidos.

Leia também:

Passoni, ex-SoftBank: Passado o boom, empresas serão vendidas ‘por quase nada’

Por que os unicórnios brasileiros estão demitindo

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups