Startups

Passoni, ex-SoftBank: Passado o boom, empresas serão vendidas ‘por quase nada’

Momento atual para startups é de sobrevivência e crescimento do mercado pode só voltar em 2025, disse o experiente investidor à Bloomberg Línea

'A maioria das empresas que ficaram sem dinheiro será vendida por quase nada. Porque a alternativa é zero e o comprador sabe disso', disse o investidor
25 de Junho, 2022 | 06:02 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Montevidéu — Até abril, o brasileiro Paulo Passoni era sócio-gerente de fundos para a América Latina do SoftBank. Fora do gigante global de investimentos para empreender por conta própria, ele agora busca desenvolver seu apoio a startups depois de ter sido um player chave para grandes investimentos na região.

Passoni esteve no Uruguai há duas semanas para conversar com empreendedores sobre a promoção do cluster local, que segundo ele, se posiciona como uma “reserva de talentos” e novas ideias para a região, principalmente em infraestrutura para fintechs.

Ele conversou com a Bloomberg Línea durante a visita. Estimou, em relação ao momento atual do mercado, que é hora de uma “mudança de regime” em que apenas os “sobreviventes” poderão sair na frente. “Quando os empreendedores ficam sem dinheiro, eles vão ter que lidar com sua realidade”, disse.

Passoni também antecipou que haverá “surpresas” com a venda de algumas empresas, já sem um tostão, “por quase nada”. De acordo com suas projeções, o crescimento retornará em 2025.

PUBLICIDADE

A entrevista a seguir foi editada para maior clareza.

Bloomberg Línea: Você trabalhou no SofBank. Como você vê o SoftBank neste novo ambiente de taxas de juros, considerando suas enormes perdas no último ano fiscal?

Paulo Passoni: Você deveria perguntar a eles, não a mim.

E em geral o grande capital de risco?

PUBLICIDADE

Acho que há uma mudança de regime. Estávamos vivendo com taxas de juros reais super baixas em todo o mundo e impressão massiva de dinheiro. Isso finalmente causou alta inflação nos países desenvolvidos, a mais alta em 40 anos [nos Estados Unidos]. E, na próxima década, a inflação média provavelmente será muito maior do que na última década. Se isso acontecer, a volatilidade será muito maior, o que equivale a mais surpresas.

O problema não é o nível absoluto de inflação, mas como a inflação vai subir e descer, porque isso muda demais a forma como as empresas operam. Isso, por sua vez, exige taxas de juros mais altas, o que destrói os múltiplos das empresas. Como este último ponto ainda não é muito bem compreendido pelos empreendedores em estágio inicial, o que quer que você esteja construindo não vai atingir a mesma escala que de outra forma. Como resultado, os resultados não são mais tão bons e as avaliações têm que cair. Tudo tem que cair.

No fim das contas, os fundos de venture capital buscam um certo tipo de retorno. Se seus grandes resultados não são mais tão grandes, eles têm que se ajustar nas rodadas seed, série A, série B, série C. Esse processo está se desenvolvendo e levará tempo. Vai durar cerca de um ano, um ano e meio. As primeiras coisas acontecem nos mercados públicos e, depois, nos mercados privados.

Existem muitos empreendedores que acreditam que os investidores estão apostando, tentando usar essa turbulência do mercado para obter melhores condições. Não é nada disso que vejo. Os investidores estão realmente muito preocupados com a mudança de regime. E que todas as suas suposições e premissas estarão erradas, então elas terão que ser ajustadas para o futuro. E nesse processo você não vê nenhum investimento. Quando os empreendedores ficam sem dinheiro, eles vão ter que lidar com sua realidade.

Você acha que os empreendedores que não entenderam essa mudança de regime são os que vão acabar como a Buenbit na Argentina, a Bitso ou as outras empresas de criptomoedas que estão demitindo pessoas? Eles não entenderam o que iria acontecer?

Todo mundo escreve sobre demissões de forma negativa. É negativo para as pessoas que são demitidas. Sinto muita empatia por eles. Desnecessário dizer. Mas é super positivo que medidas sejam tomadas. Eu ficaria muito mais preocupado se eles não estivessem se ajustando e não demitindo as pessoas. Por quê? Porque isso mostraria que eles não entenderam a mudança de regime. É o contrário. Parece ruim para eles, porque eles estão tendo que demitir de 10% a 20% de seu pessoal, mas, se não o fizerem, vão bater na parede como um trem. Quando eles tentarem se ajustar, será tarde demais.

PUBLICIDADE

Há muita inércia. Assim, ao agir logo, você aumenta suas chances de sobrevivência, assim como a Amazon sobreviveu ao crash das pontocom. Houve literalmente um ano em que a Amazon mal cresceu. Eles sobreviveram e construíram uma empresa incrível. O momento atual é de sobrevivência, e as empresas que entenderam estão demitindo pessoas.

Por exemplo, você não critica as empresas que gastaram enormes quantias em marketing para acelerar o crescimento, fizeram muitas contratações com salários inflacionados e agora precisam cortá-las?

Em primeiro lugar, os salários não foram inflacionados. Eles são governados pelo mercado. Há mais demanda por pessoas do que oferta, então os salários subiram, simples assim...

Mas também teve muita liquidez que foi injetada no mercado...

PUBLICIDADE

Sim, mas foi um fator de oferta e demanda de mão-de-obra, e é isso que acontece. Quanto aos gastos com marketing, é óbvio, em retrospectiva, que não foi inteligente. Por que digo isso em retrospectiva? Era muito, muito difícil para empresas e capitalistas de risco dizer: “Não, não cresça e deixe seu concorrente crescer irracionalmente”. Foi difícil ver como isso aconteceu. As grandes empresas são vencedoras, são paranoicas, não querem perder. Essa é a característica da maioria dos grandes fundadores.

Agora, olhando para trás, 2021 foi o ano para fazer o oposto de seus concorrentes. Economize dinheiro, arrecade dinheiro e não faça nada. Se você tivesse uma bola de cristal, diria: ‘OK, vamos arrecadar dinheiro e não fazer nada’. Mas isso é em retrospectiva. As pessoas não sabiam que a festa ia acabar tão abruptamente. Agora eles entendem que a festa acabou e precisam se ajustar o mais rápido possível para evitar ficar sem dinheiro e suas empresas morrerem. Aliás, isso vai acontecer muitas vezes. Os sobreviventes construirão os negócios.

A história do MercadoLivre é surpreendente. Quantas empresas existiam nos anos 1990 com os quais o MercadoLivre competia? Era uma longa lista. Eles estão aqui hoje porque são os únicos que sobreviveram. Todos os outros faliram. Aqui estão eles, e eles construíram uma empresa incrível com isso, porque eles foram pacientes. Quando os mercados voltarem a abrir, podem pensar em voltar a crescer, talvez em 2024 ou 2025.

Todo mundo escreve sobre demissões de forma negativa [...] Mas eu ficaria muito mais preocupado se eles não estivessem se ajustando e não demitindo as pessoas. Por quê? Porque isso mostraria que eles não entenderam a mudança de regime [...] Ao agir logo, você aumenta suas chances de sobrevivência, assim como a Amazon sobreviveu ao crash das pontocom

Paulo Passoni

Você acha que algo semelhante acontecerá com fintechs e criptomoedas?

PUBLICIDADE

Absolutamente, aplica-se literalmente a tudo o que foi negativo para o fluxo de caixa. Estamos em um momento de recolhimento e sobrevivência. Algumas ideias são tão pouco inteligentes que os fundadores deveriam basicamente abandoná-las completamente. Este é um ótimo momento para os empresários dizerem: “Isso foi estúpido, deixe-me fazer outra coisa com minha vida”. Isso também vai acontecer muitas vezes.

Quanta atividade de M&A [fusões e aquisições] podemos esperar este ano e em 2023?

PUBLICIDADE

Muito mais do que antes. As pessoas acreditam que receberão dinheiro real para suas empresas. A maioria das empresas que ficaram sem dinheiro será vendida por quase nada. Porque a alternativa é zero e o comprador sabe disso. Assim são as coisas.

Quanto tempo você acha que vai durar esse momento e quando você acha que o próximo ciclo de investimento acontecerá novamente?

Nos Estados Unidos, o setor de capital de risco representa 1,75% do PIB, mas tende a aumentar nas próximas décadas. Com o tempo, essa forma de criar novos negócios chegará a 5% do PIB. Não sei se vai acontecer em 10 ou 20 anos, mas vai subir. No entanto, nos próximos 24 meses vai diminuir. Na América Latina, o mesmo número é de 0,3% hoje e, no longo prazo, também aumentará.

PUBLICIDADE

Minha previsão de bola de cristal é que sairemos do marasmo e começaremos a crescer novamente em 2025. Até 2025, todos entenderão como são as avaliações, como são as empresas, os empreendedores terão se adaptado e começarão a crescer novamente. Mas pode levar mais 10 ou 20 anos antes de vermos outro 2021. Foi como 1999. Muitas coisas irracionais aconteceram, mas se você estivesse lá dentro, não via com tanta clareza. Empresas com receita de US$ 500 milhões avaliadas em US$ 1 bilhão. Isso estava acontecendo a torto e a direito, mesmo na América Latina.

Leia também:

O próximo ato de Marcelo Claure é voltar a ser empreendedor

SoftBank: Crise pode impactar valuation de startups, mas é ‘questão de ciclo’

Gonzalo  Charquero

Gonzalo Charquero (PT)

Jornalista uruguaio especializado em cobertura política. Gonzalo foi editor da Actualidad no El Observador e cronista no jornal El País.

Francisco Aldaya

Francisco Aldaya (BR)

Jornalista argentino com 10 anos de experiência. Francisco cobriu o setor financeiro da América Latina na S&P Global Market Intelligence e também trabalhou nas seções de economia e política do Buenos Aires Herald. Ele também contribuiu para o Buenos Aires Times.