Mercados

Ações na Ásia rondam estabilidade com investidores avaliando falas dos BCs

Sessão asiática segue o tom do pregão americano, em meio ao reequilíbrio de portfólio no fim do trimestre

Uma visão de que os bancos centrais avaliaram mal a inflação agitou os mercados financeiros
Por Andreea Papuc
29 de Junho, 2022 | 08:09 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As ações na Ásia oscilam na abertura de quinta-feira enquanto os rendimentos do Tesouro recuavam e investidores avaliavam comentários dos presidentes dos bancos centrais sobre o combate às pressões persistentes dos preços.

Os futuros rondavam estabilidade no Japão e na Austrália e subiram em Hong Kong. Os contratos dos Estados Unidos também estavam estáveis na Ásia depois que o S&P 500 e o Nasdaq 100 fecharam pouco alterados em negociações agitadas em meio ao reequilíbrio do portfólio no final do trimestre.

Os títulos do Tesouro avançaram à medida que os traders aumentaram suas apostas em uma recessão, eventualmente interrompendo a agressiva campanha de aperto do Federal Reserve.

O petróleo recuou abaixo de US$ 110 o barril depois que um relatório mostrando que a queda dos estoques dos EUA foi atenuada por uma desaceleração não sazonal na demanda por gasolina.

PUBLICIDADE

O presidente do Fed, Jerome Powell, e seus pares na Europa e no Reino Unido alertaram que a inflação será mais duradoura, em reunião no fórum anual do Banco Central Europeu em Portugal.

Uma visão de que os bancos centrais avaliaram mal a inflação agitou os mercados financeiros este ano, com as ações globais prestes a fechar seu pior trimestre desde os três meses encerrados em março de 2020.

“Eu não correria para comprar nada às cegas agora. Ainda acho que teremos algumas dores nas próximas semanas e meses, à medida que a inflação começar a se estabilizar”, disse Erin Browne, gerente de portfólio de estratégias de vários ativos da Pacific Investment Management, no programa “Bloomberg Surveillance”.

A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, disse que as autoridades não devem ser complacentes com os aumentos nas expectativas de inflação de longo prazo e devem agir com força para conter as pressões sobre os preços. Mais tarde, Mester disse à CNBC que o Fed está “apenas no começo” de aumentar as taxas e ela quer ver a taxa de empréstimo de referência atingir 3% a 3,5% este ano e “um pouco acima de 4% no próximo ano”, mesmo que isso incline a economia em recessão.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, o presidente Xi Jinping declarou que a política Covid Zero é mais “econômica e eficaz” para a China. O país afrouxou as regras de quarentena no início desta semana, proporcionando um breve impulso aos mercados, mas os investidores continuam cautelosos com a adesão rigorosa à erradicação do vírus.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Por que essa startup de agro do Texas está vindo para o Brasil agora

Credit Suisse vê risco de mais inflação e eleva aposta em juros