Negócios

Red Bull Racing produzirá hipercarro de corrida de US$ 6 milhões no Reino Unido

Produção de 50 unidades deve criar mais de 100 empregos, representando uma perspectiva de melhora para a indústria do país pós-Brexit

Novo modelo será projetado por Adrian Newey, que já colaborou com a Aston Martin
Por Siddharth Philip
28 de Junho, 2022 | 01:26 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A indústria automotiva do Reino Unido garantiu uma vitória depois que a Red Bull Racing anunciou que produzirá seu primeiro carro no país.

A Red Bull Racing começará a montar o RB17, de US$ 6,1 milhões – um carro híbrido para pistas com mais de 1.100 cavalos de potência – em suas instalações em Milton Keynes, na Inglaterra, com início previsto para 2025, disse a empresa na terça-feira (28). A produção, limitada a 50 unidades, criará mais de 100 novos empregos e garantirá os cargos existentes.

A decisão é uma boa notícia para o desenvolvimento industrial do Reino Unido depois que montadoras, incluindo a Honda, reduziram suas operações devido ao Brexit e à mudança da indústria para veículos movidos a bateria. O novo modelo será projetado por Adrian Newey, chefe da equipe de tecnologia da Fórmula 1 que colaborou com a Aston Martin Lagonda Global Holdings para desenvolver o hipercarro Valkyrie.

“O RB17 marca a primeira vez que um carro com a marca Red Bull é disponibilizado para colecionadores”, disse o CEO da Red Bull Racing, Christian Horner. “O RB17 reúne tudo o que sabemos sobre a criação de carros campeões de Fórmula 1 em um pacote que oferece níveis extremos de desempenho em um carro de pista com dois assentos”.

PUBLICIDADE

O RB17 será projetado em torno de uma carroceria de carbono-composto e seus compradores terão acesso aos simuladores da Red Bull Racing e aos treinamentos e experiências em pista.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Lewis Hamilton condena fala racista de Piquet e pede mudanças

iFood: lucro com entregas de refeições cai 66% e reforça mercado mais fraco

PUBLICIDADE