PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Em semana volátil, petróleo apaga altas da véspera com receio de recessão

Contratos da commodity voltaram a cair após falas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, sobre possível recessão nos EUA

O contrato do WTI de agosto caía 2%, para US$ 104,11 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 6h36, horário de Brasília
Por Elizabeth Low e Alex Longley
23 de Junho, 2022 | 08:04 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços do petróleo caíam novamente, juntamente com outras commodities, à medida que os receios com uma desaceleração econômica global se intensificam, com Jerome Powell, o presidente do banco central americano, alertando que uma recessão nos EUA é possível.

PUBLICIDADE

O West Texas Intermediate caía para US$ 104 o barril depois de fechar na mínima de seis semanas na quarta-feira (22). O índice de referência dos EUA perdeu mais de 15% desde 8 de junho, à medida que os alertas sobre a economia mundial ficam cada vez mais altos, abafando os sinais de que o mercado de petróleo continua apertado.

Powell disse que, embora não veja a probabilidade de uma recessão como particularmente elevada, é uma possibilidade. Os aumentos dos preços das commodities “claramente” estão ligados à guerra na Ucrânia, disse ele.

PUBLICIDADE

O recuo do petróleo foi acompanhado por um renovado mal-estar de liquidez, exacerbando a volatilidade do mercado.

O petróleo está rapidamente apagando os ganhos do que tem sido um trimestre volátil, à medida que os investidores tentam avaliar a trajetória da economia global e seu impacto nas matérias-primas. Há cerca de 50% de chance de a economia mundial sucumbir a uma recessão, segundo o Citigroup (C) e o Deutsche Bank.

“Muito do foco está nos temores de recessão”, disse Hans Van Cleef, economista sênior de energia do ABN Amro. “Talvez a pressão descendente que vemos agora tenha sido levada longe demais”, já que os traders estão saindo do posicionamento otimista anterior, acrescentou.

Preços do petróleo

  • O contrato do WTI de agosto caía 2%, para US$ 104,11 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 6h36, horário de Brasília.
  • O Brent para liquidação de agosto recuava 1,9%, para US$ 109,64 o barril na bolsa ICE Futures Europe.

Ainda há pouco consenso entre os principais bancos sobre as perspectivas do petróleo, no entanto. O Goldman Sachs (GS) disse em nota na terça-feira que a demanda ainda está acima da oferta, enquanto alerta que o Fed “não pode imprimir commodities”. O Citi vê o petróleo caindo ao longo deste ano e além.

Até agora, houve alívio limitado apenas nos mercados de produtos refinados - onde ocorreram aumentos maiores do que no petróleo. Os contratos futuros de diesel na Europa fecharam na quarta-feira mais de US$ 57 o barril acima do petróleo, um recorde em dados desde 2011.

PUBLICIDADE

Leia também

Powell: aumento dos juros pode levar economia dos EUA a uma recessão

Projeto em Minas Gerais marca entrada do Brasil no mercado global de lítio