PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Excesso de otimismo de usinas chinesas derruba minério de ferro

Minério de ferro subiu 3,5% para US$ 114,85 a tonelada em Singapura na terça-feira, após uma queda de 23% nas oito sessões anteriores

Pilbara, Australia
Por Liz Ng
21 de Junho, 2022 | 10:25 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O minério de ferro perdeu quase um quarto de seu valor em uma queda vertiginosa de oito dias até segunda-feira (20). Embora os futuros em Singapura tenham encenando uma mini-recuperação, as perspectivas de curto prazo para a matéria-prima siderúrgica não são boas.

PUBLICIDADE

Os principais culpados por um declínio de longo prazo desde o início de março foram a estagnação persistente no mercado imobiliário chinês e a desaceleração da atividade econômica induzida pelo vírus. Mas enquanto outras áreas da maior economia da Ásia se animaram recentemente - o yuan está estável e as ações estão em alta - o minério de ferro despencou.

A explicação para essa aparente desconexão pode ser o excesso de otimismo na indústria siderúrgica da China, que aumentou a produção mesmo com o impacto da Covid-19 na economia. A produção bruta do metal foi de cerca de 2,7 milhões de toneladas por dia em janeiro e fevereiro, e depois aumentou para 3,1 milhões em abril e maio, disse a Gavekal Dragonomics em nota na segunda-feira.

PUBLICIDADE

“A decisão de operar em alta capacidade, mesmo após os bloqueios atingirem o crescimento, sugere que as usinas estão apostando que uma recuperação em infraestrutura e propriedade sustentará a demanda”, disse Rosealea Yao, analista da Gavekal. “Embora os gastos com infraestrutura tenham aumentado este ano, o setor imobiliário, que responde por 39% do consumo total de aço, não conseguiu se recuperar totalmente e as perspectivas são incertas.”

  • O minério de ferro subiu 3,5% para US$ 114,85 a tonelada em Singapura na terça-feira, após uma queda de 23% nas oito sessões anteriores. Os futuros em Dalian subiram 2,5%.

Espera-se que o ingrediente siderúrgico mude de tendência em algum momento, mas a grande questão permanece quando. Os gráficos abaixo mostram os desafios que enfrenta:

Lucros embaixo d’água: margens do aço chinês caíram abaixo do zerodfd

Um indicador da Bloomberg da lucratividade das siderúrgicas chinesas caiu este mês para o nível mais baixo em cinco anos. No centro siderúrgico de Tangshan, no norte, as empresas respondem com manutenção e corte de produção. Os lucros caíram porque a produção foi mantida em níveis elevados mesmo quando a demanda estava fraca, disse Erik Hedborg, principal analista de aço do CRU Group em Londres. “Nossos modelos mostra que as margens do aço na China estão negativas desde o início de abril.”

Teimosamente alto: Estoques de aço para construção permanecem amplodfd

No início do ano, houve um grande aumento nos estoques de produtos siderúrgicos utilizados na construção, como vergalhões e bobinas laminadas a quente. A superprodução fez com que permanecessem altos e eles começaram a se expandir novamente nas últimas semanas. A demanda por minério de ferro provavelmente permanecerá moderada até que haja um declínio significativo nesses estoques, que dependerá do setor imobiliário e do ritmo dos gastos governamentais em infraestrutura.

Dano colateral: Fatia dos grandes produtores de minério de ferro estão caindo rapidamentedfd

O que acontece na indústria siderúrgica da China se reflete nos preços das ações das maiores produtoras de minério de ferro do mundo. A Vale (VALE3) caiu 17% desde o fechamento em 7 de junho e a Rio Tinto perdeu 14%, enquanto a BHP e Fortescue Metals também tiveram quedas significativas. Essas empresas podem agora ser forçadas a reduzir as exportações, a menos que haja uma rápida recuperação na China.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Multiplan tem venda recorde, mas crescer portfólio só após ‘tempestade’, diz CEO

Gabriel Medina rema contra a maré e cria fundo para investir em startups