PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Bancos repensam IPOs e outras ofertas de ações diante do risco de recessão

Apenas US$ 198 bilhões em ofertas públicas iniciais e subsequentes foram registrados até agora neste ano, no menor volume em quase duas décadas

Além da maior volatilidade e incerteza, o baixo desempenho de algumas ofertas iniciais de alto perfil em 2021 é outro motivo para cautela
Por Julia Fioretti e Swetha Gopinath
20 de Junho, 2022 | 08:29 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Há quase duas décadas que o mercado global para abertura de capital não era tão ruim, com poucos dispostos a arriscar uma oferta de ações neste clima de investimento.

Apenas US$ 198 bilhões em ofertas públicas iniciais e vendas subsequentes foram registrados até agora este ano, uma queda de 70% em relação ao ano anterior. Isso coloca o mercado a caminho do menor volume para o primeiro semestre desde 2005, segundo dados compilados pela Bloomberg.

É compreensível que os vendedores estejam segurando seus planos. A alternativa seria tentar encontrar compradores em um mercado de ações que registra queda de mais de 20% este ano, com inflação alta, aumentos agressivos de juros e o risco de uma recessão global corroendo os ânimos.

Caindo fora: ações globais caíram para o menor patamar dos últimos 20 anos
dfd

E se havia esperanças de uma retomada na atividade de IPOs, elas continuam sendo minadas. O Federal Reserve realizou a maior alta de juros desde 1994 na quarta-feira, e o S&P 500 sofreu mais uma perda semanal.

PUBLICIDADE

“Até recentemente, havia uma expectativa bem equilibrada de que IPOs de alta qualidade chegassem ao mercado em setembro”, disse James Palmer, diretor de renda variável para Europa, Oriente Médio e Africa no Bank of America. “Mas os eventos do mercado nas últimas duas semanas reajustaram o grau de esperança.”

Além da maior volatilidade e incerteza, o baixo desempenho de algumas ofertas iniciais de alto perfil em 2021 é outro motivo para cautela.

Entre os desistentes está a Coca-Cola, que adiou o IPO de sua participação em uma engarrafadora africana, e a seguradora asiática FWD Group, que adiou uma abertura de capital de US$ 1 bilhão em Hong Kong.

Aqueles que avançaram tiveram que moderar suas expectativas. A Life Insurance Corporation of India, antes prevista para figurar entre as maiores captações de recursos do ano, reduziu o tamanho de seu IPO em cerca de 60%.

PUBLICIDADE
Cesta de fracassos: alguns dos maiores IPOs de 2021 despencaram após listagensdfd

A queda nos volumes foi particularmente pronunciada nos EUA, onde apenas US$ 47 bilhões em ofertas de ações foram precificadas, uma queda de 85% em relação ao ano anterior.

Um boom nas listagens de empresas de cheque em branco ajudou a impulsionar os IPOs dos EUA a níveis recordes no ano passado, mas o setor se tornou um fracasso ao entrar na mira dos reguladores.

As aberturas de capital de empresas chinesas nos EUA, que já foi uma fonte constante de negócios para os bancos de investimento de Nova York, também estagnaram em meio a um maior escrutínio regulatório após o fiasco da Didi Global.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Petrobras, oferta da CVC, balanço da Oi e a agenda na bolsa nesta semana