Brasil

Petrobras: diferença de valor para petrolíferas do exterior aumenta

Mudanças recorrentes e ruído político explicam por que a estatal não consegue reduzir seu desconto ante pares, segundo analistas

“Modo de intervenção parece estar se intensificando” antes da eleição presidencial de outubro, segundo o Morgan Stanley
Por Vinícius Andrade
24 de Maio, 2022 | 05:18 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Petrobras (PETR4; PETR3) tem a maior queda entre as principais empresas produtoras de petróleo globais nesta terça-feira (24), depois que a decisão do presidente Jair Bolsonaro de demitir o diretor-presidente da companhia alimentou o temor de interferência política na estatal.

As ações preferenciais fecharam em queda de 2,92% em São Paulo, maior recuo em um mês, depois de o governo indicar Caio Mário Paes de Andrade para substituir o atual CEO José Mauro Ferreira Coelho. Essa é a terceira mudança no cargo durante a administração Bolsonaro e vem na esteira da crescente insatisfação com o aumento dos preços dos combustíveis.

“O modo de intervenção parece estar se intensificando” antes da eleição presidencial de outubro, escreveram analistas do Morgan Stanley liderados por Bruno Montanari, em um relatório, reafirmando uma recomendação ‘equal-weight’ -- equivalente à manutenção -- para as ações.

Petrobras tem maior queda entre produtora de petróleo depois da troca do CEOdfd

Atualmente, a Petrobras é negociada a 2,3 vezes o Ebitda estimado, menos da metade dos múltiplos de 5,4 e 5,9 das gigantes petrolíferas americanas Exxon Mobil e Chevron, respectivamente, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

As mudanças recorrentes e o ruído político ajudam a explicar por que a Petrobras não consegue reduzir seu desconto para seus pares “mesmo após vários trimestres de resultados financeiros e operacionais positivos”, escreveram os analistas do BTG Pactual Pedro Soares e Thiago Duarte.

No início deste ano, a empresa anunciou um lucro líquido de cerca de R$ 106,7 bilhões referente ao ano de 2021, seguido por uma distribuição de dividendos sem precedentes -- graças ao rali dos preços da commodity.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Trocar liderança da Petrobras não reduzirá preços dos combustíveis, diz Lula

O CEO de 23 anos que tem startup unicórnio avaliada em US$ 1 bilhão

Últimas BrasilPetrobrasJair BolsonaroCaio Mário Paes de Andrade
PUBLICIDADE