PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho

Empresa Lavoro trabalha com perspectiva de preços elevados das commodities e amplia negócios com produtores nesse modelo

Cosecha
19 de Maio, 2022 | 08:03 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Na agricultura, a compra antecipada de insumos com a promessa de pagamento futuro com a produção que será colhida no futuro é algo corriqueiro. Historicamente, grandes tradings como ADM, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus sempre optaram pelo modelo de negócio, visto que havia o interesse delas em ter o produto para comercialização. Com o passar do tempo, as indústrias de fertilizantes e defensivos passaram a adotar o sistema, muitas vezes em triangulações envolvendo as próprias tradings.

PUBLICIDADE

Na sequência, vieram os cerealistas e há alguns anos as revendas agropecuárias intensificaram sua presença no modelo de negócios. De olho na valorização dos preços dos grãos, até montadoras de carro passaram a aceitar soja e milho como forma de pagamento e não é incomum encontrar em feiras agropecuárias estandes de corretores de imóveis que buscam vender apartamentos em Balneário Camboriú e aceitam sacas de soja e milho como moeda de pagamento.

No mês passado, a Lavoro, uma das maiores redes de distribuidoras de insumos agrícolas do Brasil e controlada pelo Pátria Investimentos, bateu a marca de R$ 1 bilhão em vendas de produtos, que serão pagos com a soja e o milho da safra 2021/22, colhida neste momento. Sozinha, a operação - chamada de barter - vai responder por cerca de 20% do faturamento do grupo neste ano.

PUBLICIDADE

“Temos fomentado esse modelo. Para nós é bom porque o sistema passa a ser uma linha comercial e assim conseguimos fugir da briga de preços pelos produtos. Para o produtor é bom porque ele trava o seu custo de produção e a liquidação da operação é física, ou seja, o agricultor vai entregar o produto em um dos nossos armazéns ou diretamente na trading”, afirma Marcos Oliveira, diretor de operações de commodities da Lavoro.

Com controladores do mercado financeiro, a Lavoro trouxe da Faria Lima alguns instrumentos para incrementar suas operações de barter no agronegócio. Batizada de “operação alvo”, o objetivo é embalar de forma simplificada as operações de hedge dos preços da soja e do milho na bolsa de Chicago e também da B3. Na prática, a Lavoro monta e administra a operação, travando o preço da soja e do milho.

Quando o mercado sobe e há um ágio sobre o valor fixado, de R$ 5 por saca para soja e R$ 3 por saca no caso do milho, a operação se desmonta automaticamente e um crédito é gerado na conta do produtor sobre o volume de grãos comprometido no barter, que pode ser usado em compras futuras.

“Começamos com esse instrumento há seis meses e ainda estamos trabalhando para transformá-lo em um produto, mas, hoje, todos os negócios de barter referente à segunda safra de milho já têm o preço fixado na B3″, explica Oliveira. “O crédito fica na conta que o produtor tem conosco. Não podemos devolver esse valor em dinheiro para ele por questões de regulamentação do Banco Central”, diz.

Leia também

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.