Estilo de vida

Capa de 1986 de ‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’ deve ser leiloada por US$ 2 mi

Minissérie de quatro edições foi um sucesso e a primeira impressão chegou a ser esgotada; quadrinho acabou tendo duas tiragens

Minissérie de quatro edições, escrita por Frank Miller, é amplamente creditada por transformar o Batman em uma obra mais sofisticada
Por James Tarmy
16 de Maio, 2022 | 07:38 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A arte da capa original do quadrinho “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, de 1986, estará à venda em 16 de junho com uma estimativa de US$ 2 milhões na Heritage Auctions em Nova York.

A minissérie de quatro edições, escrita por Frank Miller, é amplamente creditada por transformar o Batman de uma obra infantil para uma forma mais sofisticada e sinistra de contar histórias. Tudo, desde o sombrio e encantador filme do Batman de 1989, de Tim Burton, até a igualmente taciturna, mas singularmente de chumbo, Liga da Justiça, de 2021, de Zack Snyder, pode ser rastreado até a história de Miller.

“Eu estava no meio de escrever a primeira edição de ‘O Cavaleiro das Trevas’, e estava procurando em minha mente por uma única imagem que resumisse toda a série”, disse Miller, em entrevista por telefone.

“Eu sabia que realmente queria que ela se destacasse, e olhei em volta para todas as outras capas [de quadrinhos] e todas estavam cheias de figuras de super-heróis intermináveis embaralhadas umas sobre as outras, com toneladas de detalhes.”

PUBLICIDADE

Em vez disso, ele criou uma imagem de Batman em silhueta, iluminada por um único relâmpago que corta a página. “Assim que desenhei o relâmpago, eu sabia que tinha uma ideia muito boa”, diz Miller. “É como sussurrar quando todo mundo está gritando.” (A imagem original é tinta sobre grafite, com aerógrafo.)

A série foi um sucesso imediato e desenfreado. A primeira impressão esgotou rapidamente, diz Miller, e o quadrinho acabou tendo duas tiragens. “Tornou-se um verdadeiro motivo de celebração”, disse ele. “Eu estava recebendo ligações de todos os lugares de lojas que ficaram sem cópias no primeiro dia em que o receberam.”

Com o tempo, sua reputação cresceu, na medida em que em 2009 a revista Time o classificou como um dos 10 melhores quadrinhos de todos os tempos. Miller, enquanto isso, criou outras séries aclamadas pela crítica, incluindo Sin City e 300.

A pintura, cocriada por Miller e pela colorista Lynn Varley, permaneceu na posse de Varley, diz Miller, até que ela a vendeu por meio de um intermediário em 2013. “Para responder à sua pergunta implícita aqui”, disse, “ninguém tinha ideia de quanto valeria”.

PUBLICIDADE

Crescimento de mercado

Por um tempo, não valia tanto. “Honestamente, o valor ficou tão baixo por tanto tempo, que muito dele foi jogado fora”, diz Todd Hignite, vice-presidente da Heritage Auctions, de arte em quadrinhos. “Não há um histórico de tratá-lo com a mesma reverência que as belas artes seriam.”

E, no entanto, nos últimos anos, juntamente com uma variedade de mercados colecionáveis, incluindo cartões de beisebol e tênis, o mercado de quadrinhos disparou, com exemplares particularmente raros sendo vendidos por milhões de dólares.

Em 2019, por exemplo, antes do avanço da pandemia, a Heritage vendeu uma obra de arte original de quadrinhos, a rainha egípcia de Frank Frazetta de 1969, por US$ 5,4 milhões. Embora os números recentes não tenham chegado a esse nível, o volume de vendas de milhões de dólares está aumentando.

Em abril de 2021, uma cópia da Action Comics #1 de 1938, onde Superman fez sua estreia, foi vendida por US$ 3,25 milhões via ComicConnect. Alguns meses depois, a Heritage vendeu o primeiro quadrinho do Homem-Aranha (Amazing Fantasy No. 15) em condições quase perfeitas por US$ 3,6 milhões.

Em janeiro do ano passado, uma única página de arte do quadrinho de 1984 Guerras Secretas nº 8, onde o traje preto do Homem-Aranha aparece pela primeira vez, foi vendido por US$ 3,36 milhões.

Enquanto isso, “certas capas foram negociadas privadamente por quase um milhão de dólares”, diz Hignite. Nesse contexto, continua ele, a estimativa de US$ 2 milhões “é uma expectativa razoável e, no mínimo, conservadora”.

PUBLICIDADE

Impacto duradouro

Os licitantes, diz Hignite, continuam cada vez mais jovens. Muito parecido com o mercado de carros clássicos, onde as pessoas que cresceram na década de 1980 de repente têm dinheiro para investir em sua nostalgia, os compradores de quadrinhos estão prontos para colecionar totens de sua juventude.

“O conjunto de licitantes está ficando cada vez mais profundo, cada vez mais amplo”, diz ele. “Em todos os leilões, eu olhava para os 20 melhores lotes que vendíamos e imediatamente reconhecia 90% dos nomes. Isso não é mais o caso.”

Quando a revista em quadrinhos introdutória do Capitão América foi vendida por US$ 3,12 milhões na Heritage no mês passado, “era um comprador que nunca havia comprado nada de nós antes”, diz Hignite. “É um mundo completamente em mudança.”

Para Miller, que não está consignando o trabalho e não tem participação financeira em seu sucesso, a estimativa multimilionária é a prova do impacto duradouro dos quadrinhos. “Se você está falando sobre o projeto Cavaleiro das Trevas, é evidente que formou a abordagem de como os personagens são tratados nos quadrinhos e filmes de hoje”, diz ele. “O personagem precisava ser fortalecido e escurecido.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

50 ações e fundos favoritos dos investidores de alta renda em abril

Como funciona o mercado de carbono no Brasil e por que você precisa saber disso

Nubank reverte prejuízo e tem aumento de 55% na base de clientes no Brasil

PUBLICIDADE