Investidores que estão comprando ações de tecnologia acreditando que estavam em baixa deveriam dar outra olhada nos números
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opinion — Foram alguns meses difíceis para as ações dos Estados Unidos, mas ainda mais difíceis para as ações de empresas de tecnologia. O Nasdaq Composite Index (NDXL), amplamente seguido e focado em tecnologia, caiu cerca de 30% desde que atingiu o pico em novembro. Os investidores podem estar se perguntando se as ações de tecnologia agora viraram pechincha. A resposta é não: os preços estão mais baixos, mas ainda não estão baratos.

Uma maneira de medir o declínio das empresas de tecnologia é acompanhar o quanto os valuations se contraíram. O índice preço-lucro futuro do Nasdaq – ou seja, o índice P/L com base nas estimativas de ganhos dos analistas para o ano fiscal atual – caiu de 42 para 24 no final de 2020 – um corte de 43%. Embora essa seja uma grande movimentação, ela apenas alinha o Nasdaq com sua média histórica de P/L de 2001, período para o qual os dados estão disponíveis.

Ações de tecnologia estão na média, ainda não estão baratasdfd

E as ações de tecnologia podem ficar muito mais baratas. Durante a maior parte dos 10 anos entre 2008 a 2017, o índice P/L da Nasdaq ficou abaixo dessa média e, muitas vezes, bem abaixo. Ele caiu para 13 durante a crise financeira de 2008 e ficou em torno de 14 ou 15 por boa parte de 2011 e 2012. Mesmo assim, um valor bem distante daquele negociado atualmente. Seria necessário cair mais 40% para atingir esses níveis, supondo que as estimativas de ganhos dos analistas para este ano sejam confiáveis. Se os lucros forem piores do que o esperado, o declínio teria que ser ainda mais acentuado para o Nasdaq revisitar suas mínimas históricas.

Ações de tecnologia já estiveram mais baratas em relação ao amplo mercado de ações do que estão hojedfd

A análise é a mesma, mesmo considerando o fato de que as empresas de tecnologia recebem valuations mais altos. Embora o índice P/L futuro do Nasdaq sempre tenha ficado acima do índice S&P 500 (SPX), a extensão do prêmio variou e também caiu consideravelmente. A relação entre os índices de P/L do Nasdaq e do S&P 500 agora é de 1,4 – abaixo dos 1,6 no final de 2020. Mas isso também está alinhado com a média histórica e bem acima das mínimas. A proporção caiu para 1,1 em 2016.

Outra maneira de saber se as ações de tecnologia chegaram ao fundo do poço é se elas começam a aparecer nos índices de valor. Os provedores de índice definem o valor de forma diferente, mas um denominador comum é o valuation. A Meta Platforms (FB), controladora do Facebook, negociada a 14 vezes os lucros futuros, já é mais barata do que as ações de valor proeminente da Berkshire Hathaway (BRK/A), Johnson & Johnson (JNJ), UnitedHealth Group (UNH) e Procter & Gamble (PG), a mais barata, sendo negociada a 17 vezes ante mais de 20 pelas outras empresas. A Alphabet (GOOGL), controladora do Google, negociada a 18 vezes, é mais barata do que todas, exceto a Johnson & Johnson.

PUBLICIDADE
Melhores índices preço-lucrodfd

Mas muitas outras antigas gigantes ainda podem cair mais. Notavelmente, mesmo após um declínio de 44% em relação à máxima de 52 semanas, a Amazon (AMZN) ainda é negociada a 49 vezes os lucros futuros, e a Tesla (TSLA) é negociada a 61 vezes, apesar de um declínio de 41%.

Isso não significa que as ações de tecnologia cairão ainda mais, é claro, e os investidores que procuram descontos em tecnologia os encontrarão em grande quantidade. De fato, aqueles que gostavam de ações de tecnologia seis meses atrás deveriam amá-las agora. Mas os investidores que estão comprando ações de tecnologia acreditando que estavam em baixa deveriam dar outra olhada nos números.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Nir Kaissar é colunista da Bloomberg Opinion e cobre mercados. Fundou a Unison Advisors, uma empresa de gestão de ativos.

PUBLICIDADE

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Queda de ações tech perto do fim? SPX, de Rogério Xavier, altera estratégia

Beyoncé é à prova de recessão, aposta gestora chefe do Goldman