PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Musk dá um olé no mercado e outras 4 coisas que você precisa saber hoje

Veja os assuntos que devem marcar o sentimento dos mercados ao redor do mundo nesta sexta-feira (13)

Musk disse ter suspendido a compra do Twitter temporariamente “à espera de informações" sobre contas falsas ou de spam da plataforma
Por Eddie van del Walt
13 de Maio, 2022 | 09:52 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Musk suspende a compra do Twitter, Fed de olho nos 50 pontos e mais um dia instável para as criptomoedas.

1. O olé de Musk

Elon Musk causou um certo caos nos mercados nesta manhã, primeiro alegando que sua oferta pelo Twitter (TWTR) estava “temporariamente suspensa” e depois afirmando que ele “ainda está comprometido” com o acordo, levando a gigante das mídias sociais a uma queda vertiginosa.

PUBLICIDADE

O bilionário inicialmente enviou um tweet dizendo que o acordo de US$ 44 bilhões estaria pendente até que ele receba mais informações sobre a proporção de contas falsas no site de mídia social, que fez com que as ações do Twitter caíssem até 25% nas negociações de pré-mercado. Algumas horas depois, Musk enviou outro tweet dizendo que “ainda está comprometido” com o acordo. As ações do Twitter recuperaram algumas das perdas, mas ainda caíam cerca de 10% perto das 9h30, horário de Brasília.

2. Os 50 pontos

O Federal Reserve vai persistir com aumentos de 50 pontos base em cada uma de suas próximas duas reuniões, reiterou o presidente da autarquia, Jerome Powell, na quinta-feira (12). A perspectiva de uma recessão dependerá de fatores além do controle do Fed, disse ele. Enquanto isso, o Senado americano confirmou Powell para mais um mandato de quatro anos como chefe da autoridade monetária.

3. O colapso da Terra

A blockchain por trás da stablecoin TerraUSD parou de processar transações pela segunda vez em menos de um dia, com seus validadores “elaborando um plano de reconstituição” para a rede Terra. A criptomoeda Luna caiu para praticamente zero. A Binance anunciou que suspenderia a negociação à vista do token. As consequências para o cenário mais amplo de criptomoedas parecem ter sido limitadas por enquanto, já que o Bitcoin subiu mais de 7%, sendo negociado acima de US$ 30 mil, enquanto o Tether, a maior stablecoin, é negociado cerca de 0,1% abaixo da paridade com o dólar. A Coinbase Global está enfrentando uma ação coletiva da Califórnia por problemas com outra stablecoin, GYEN, em novembro do ano passado.

PUBLICIDADE

4. Ações sobem

As ações subiam, enquanto a maioria dos índices europeus estavam em seus melhores níveis para a semana. Os setores de viagens, tecnologia e bancário registraram os maiores ganhos, mas não de forma generalizada. Os futuros do S&P subiram 1,25% nesta sexta (13). Mas o desempenho dos títulos não foi tão animador: a venda no longo prazo resultou na inclinação das curvas de juros da Alemanha, Reino Unido e EUA. As moedas estavam voláteis, com o dólar apagando pequenas perdas vistas no início do pregão em Londres. Os metais estavam sob pressão, pressionados pelos fracos dados de crédito chineses, enquanto os futuros de petróleo bruto e o ouro à vista permaneceram em faixas pressionadas.

5. Também hoje...

Encerramos a semana com os preços de importação de abril e a divulgação da pesquisa de confiança da Universidade de Michigan para maio. Neel Joachim Nagel, do Fed, falou por volta das 7h, no horário de Brasília, sobre energia e inflação, e Loretta Mester falou sobre política monetária às 8h no horário daqui. Os membros do BCE também podem chamar a atenção ao longo do dia, com Joachim Nagel falando às 15h e Isabel Schnabel às 16h no horário de Brasília. Já a contagem de sondas da Baker Hughes (Baker Hughes US Oil Rig Count), com o número de plataformas de petróleo ativas na América do Norte, será divulgada às 14h.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Musk diz que compra do Twitter está ‘temporariamente suspensa’

Cripto: Mesmo com mercado em baixa, há alternativas para o investidor

Últimas BrasilElon MuskTwitter
PUBLICIDADE