Adição de calorias de baixo custo (geralmente proveniente de processados) é uma ameaça à saúde
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Talvez você não tenha notado pela forma como a inflação, os conflitos e a pandemia aumentaram os custos dos alimentos recentemente, mas o espectro da fome, que assombra a humanidade há milênios, está perto de ser vencido.

Nos países de renda média, o número de pessoas subnutridas caiu cerca de um quarto, ou 162 milhões, entre 2006 e 2020. Isso é mais do que suficiente para compensar o aumento de 43 milhões em países de baixa renda, que estão principalmente na África Subsaariana.

Na China, lar da maioria das maiores ondas de fomes da história, a prevalência de nanismo infantil – indicador típico de desnutrição – está agora em níveis comparáveis aos dos Estados Unidos. A mudança na Índia foi igualmente notável. Em 2006, mais de um terço das mulheres estavam abaixo do peso. Em 2019, esse número havia sido reduzido quase pela metade.

Contudo, há uma tendência preocupante por trás desses números. A proporção de mulheres indianas que estavam acima do peso também quase dobrou, e agora o sobrepeso afeta mais pessoas do que a desnutrição:

Desnutrição entre indianas diminuiu, mas parcela dessa população com sobrepeso aumentoudfd

A situação é a mesma entre os homens. Nos países de renda média onde vivem três quartos da humanidade, o flagelo da desnutrição está sendo substituído por uma epidemia de obesidade em rápido crescimento, juntamente com todos os problemas decorrentes de diabetes, doenças cardíacas e pressão alta.

PUBLICIDADE
Indianos estão mais na faixa do sobrepeso que da desnutriçãodfd

O mundo ainda tem que lidar com esse problema emergente. Ao combater a fome, há uma infraestrutura global que está em vigor de uma forma ou de outra desde a Primeira Guerra Mundial, quando o então presidente dos EUA, Herbert Hoover, montou uma campanha de alimentos em massa para a Bélgica ocupada. O principal sucessor desse esforço de auxílio, o Programa Mundial de Alimentos, entregou 4,2 milhões de toneladas de alimentos em 2020. Não temos nada comparável para lidar com a epidemia que se aproxima.

O alívio da fome nos países pobres é bancado em parte por meio de subsídios rurais nos países ricos. As Leis Agrícolas dos EUA e a Política Agrícola Comum da União Europeia fornecem renda aos agricultores e geram excedentes de alimentos que são exportados para os lugares mais necessitados. Enfrentar os efeitos do aumento da população obesa e com sobrepeso no mundo em desenvolvimento, no entanto, recairá diretamente sobre os ombros dos países onde isso ocorre.

Número de pessoas com a doença se aproxima do de pessoas desnutridasdfd

O sucesso do mundo na prevenção da fome é muitas vezes visto como um repúdio ao economista do século XIX Thomas Malthus, que argumentou que a fome em massa resultaria inevitavelmente de populações que crescem mais rápido do que a produção agrícola. Na verdade, a crescente onda de obesidade é uma evidência de que os limites rígidos para a produção de alimentos previstos por Malthus são mais vinculantes do que suspeitamos.

Na medida em que os países em desenvolvimento conseguiram obter nutrição extra para alimentar suas populações nas últimas décadas, uma parcela enorme veio das calorias com menor custo – gorduras, açúcares e cereais. A energia em vegetais de folhas verdes escuras custa cerca de 29 vezes mais do que a proveniente de gorduras e óleos, ao passos as calorias em vegetais ricos em vitamina A, como abóbora ou manga, custam cerca de 10 vezes mais que seu equivalente do açúcar:

PUBLICIDADE
Os alimentos mais saudáveis são também os mais caros em termos de  custo por caloriadfd

Muitos dos países nos quais as gorduras saturadas compõem a maior parte da ingestão de energia não são os ricos, e sim as nações mais pobres do sudeste da Ásia, África Subsaariana e pequenas ilhas. O que está acontecendo, tanto nos países pobres quanto nos ricos, é que as pessoas estão procurando as calorias de menor custo para adicionar às suas dietas. Essas calorias não costumam ser as que compõem uma dieta equilibrada – mas são as que um mundo finito é mais capaz de fornecer.

Os efeitos são mais visíveis no aumento do diabetes. Bangladesh, Egito, México e Paquistão já ultrapassaram os EUA na prevalência da doença. Suas causas ainda não são perfeitamente compreendidas, mas a transição para um estilo de vida mais sedentário e rico em calorias, principalmente para pessoas cujas mães sofreram diabetes gestacional durante a gravidez, é um fator de risco fundamental, de acordo com Paul Zimmet, professor de diabetes da Universidade Monash de Melbourne.

Prevalência de diabetes vem aumentando nos países de renda médiadfd

O mundo está passando por uma transição semelhante à que ele testemunhou no início dos anos 1970, quando trabalhou na ilha de Nauru, no Pacífico, na época um dos países mais ricos do mundo devido ao boom nas exportações de fertilizantes fosfatados.

“Houve uma riqueza repentina que os colocou em uma situação em que havia muita comida, mas não muitas instalações esportivas”, disse ele. Zimmet voou no jato particular do presidente para realizar testes e, depois de um dia, ficou claro que entre 20% e 30% da população tinha diabetes. “O dinheiro que eles tinham foi investido em comida e carros. As pessoas saíam dos supermercados com carrinhos carregados de arroz e carne enlatada”.

Como no caso de Nauru, o aumento do diabetes em todo o mundo é um tipo perverso de história de sucesso. Se você está desnutrido na idade adulta, suas chances de desenvolver diabetes tipo 2 são muito menores. Se estamos enfrentando uma epidemia de diabetes agora, é porque o mundo tem sido notavelmente bem-sucedido em mudar de uma situação de escassez de alimentos para abundância.

PUBLICIDADE

Com os preços dos alimentos em seus níveis mais altos desde pelo menos 1990 e a Indonésia embargando as exportações de óleo de palma para reduzir o custo dos óleos de cozinha, a escassez de nutrição pode parecer o problema mais premente. Ainda assim, a obesidade não é tanto inimiga da fome quanto sua contraparte – outro sintoma de um mundo incapaz de fornecer a seu povo a nutrição necessária para levar uma vida saudável. Nos próximos anos, essa ameaça só vai crescer.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

David Fickling é colunista da Bloomberg e escreve sobre energia e commodities. Já foi repórter da Bloomberg News, do Wall Street Journal e do Financial Times.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

É hora de comprar dólar? Bancos de Wall Street apostam juntos que moeda vai subir

Lemann: ‘Na crise, empreendedores aceitam seus investimentos a um preço menor’

Os 10 carros mais vendidos no Brasil em abril