Insatisfação do jovem com o sistema e o contexto atuais acaba assumindo a forma de defesa do socialismo
Tempo de leitura: 7 minutos

Bloomberg Opinion — Uma das poucas coisas com as quais os americanos democratas e republicanos podem concordar nesta era de polarização é que os jovens se voltaram bruscamente para a esquerda – não apenas no sentido da generosidade natural (ou ingenuidade) da juventude, mas em uma mudança mais profunda e filosófica em direção ao estatismo. Já citei, mesmo sem precisão, pesquisas que constatam que cerca de 40% dos americanos mais jovens preferiam o socialismo ao capitalismo.

Essa crença em um terremoto juvenil de esquerda teve consequências significativas. Agentes republicanos justificam sua aceitação de velhos rabugentos alegando que os jovens são uma causa perdida. Seus equivalentes democratas justificam sua mudança econômica e cultural para a esquerda alegando que estão seguindo futuros eleitores. E os CEOs justificam suas políticas cada vez mais progressistas alegando que precisam recrutar e reter trabalhadores mais jovens.

É fácil ver por que essa suposição se enraizou. Muitos jovens estão frustrados com a forma como o mundo funciona. Sua frustração às vezes assume a forma de elogiar o “socialismo”. Ativistas deram o tom de universidades e corporações proeminentes com suas certezas estridentes. Heróis de esquerda como o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez atraem jovens simpatizantes apaixonados.

Mas um novo estudo de americanos mais jovens pelo Centro de Estudo do Capitalismo da Wake Forest University deve nos fazer pensar. A empresa de pesquisas YouGov entrou em contato com uma amostra demograficamente representativa de 1.999 entrevistados com idades entre 18 e 40 anos e, em seguida, dividiu a amostra em três grupos etários: Geração Z mais velha (18-24 anos), millennials mais jovens (25-31 anos) e millennials mais velhos (32-40).

A pesquisa tem as ressalvas usuais: os resultados dependem de quais perguntas você faz, e as pessoas geralmente acreditam em coisas contraditórias. Ainda assim, os resultados sugerem, no mínimo, que o comportamento dos jovens não é imutável. Suas atitudes em relação ao capitalismo dependem da disposição dos políticos em cortejá-los e da capacidade do sistema econômico de gerar oportunidades para eles.

PUBLICIDADE

O estudo demonstra que os americanos mais jovens continuam acreditando na santíssima trindade de concorrência, responsabilidade individual e meritocracia: cerca de 68% dos millennials mais novos concordam que “ter concorrência é bom” e “estimula as pessoas a trabalhar mais e desenvolver novas ideias”, enquanto apenas 9% discordam.

Embora isso possa parecer uma postura banal, as maiorias também apoiam propostas mais incisivas. Aproximadamente dois terços concordam que “não há nada de errado em tentar ganhar quanto dinheiro for possível de forma honesta”. Quase metade concorda que “as pessoas que superam todos os concorrentes no caminho para o sucesso são modelos para os jovens”. Cerca de 73% dos millennials mais jovens concordam ou são neutros sobre a ideia de que “as pessoas devem poder manter o que produzem, mesmo que haja outras com maiores necessidades” – pouco menos que os 78% de todos os americanos que disseram o mesmo em um estudo do Cato Institute de 2019. Os números são semelhantes para a geração Z mais velha e os millennials mais velhos.

A maioria está cética em relação ao tipo de ativismo governamental que é comum na Europa, rejeitando a ideia de que o governo deve ser o único responsável pela saúde. Questionados sobre a divisão da responsabilidade pelo ensino superior entre indivíduos, empresas e governo, eles dizem que 51% da responsabilidade pertence aos indivíduos, 11% às empresas e 38% ao governo. Questionados sobre a mesma divisão para a aposentadoria, eles acreditam que 43% da responsabilidade é de indivíduos, 18% das empresas e 38% do governo. Não é um capitalismo selvagem, mas também não é socialismo.

Isso não quer dizer que os americanos mais jovens não estejam frustrados com seu contexto. A crença dos americanos no poder humano está diminuindo: apenas 66% dos menores de 40 anos concordam que “quando consigo o que quero, geralmente é porque trabalhei para isso”, em comparação com os 78% de todos os americanos que disseram que o mesmo no estudo Cato de 2019. Deprimentes 47% da geração Z mais velha (excluindo estudantes) espera ganhar menos de US$ 25 mil por ano em seus empregos atuais.

PUBLICIDADE

A fé nos empreendedores também está dando sinais de enfraquecimento. Quase metade de todos os menores de 40 anos discordam da proposição de que “as pessoas no topo merecem o cargo”. Mais millennials mais jovens (41%) acreditam que Elon Musk deve seu sucesso à “vantagem” em vez de ter batalhado por sua posição (38%); LeBron James tem um percentual muito melhor – 62% acredita que ele batalhou e 10% acredita que foi por uma vantagem

Mas isso tem mais a ver com falhas no sistema atual do que com uma revolução de valores. Não há dúvida de que os mais jovens estão sendo prejudicados: antes da pandemia, os millennials mais velhos tinham 11% menos riqueza do que as gerações mais velhas na mesma fase da vida; os millennials mais jovens tinham 50% menos.

No entanto, eles continuam a depositar sua fé na competição institucional em vez do ativismo governamental quando se trata de resolver seus problemas. Eles acreditam piamente que grandes áreas da indústria dos Estados Unidos, principalmente os setores de seguros de saúde, mídias sociais e redes de telefonia móvel, não têm concorrência suficiente, ao contrário dos setores de varejo, entretenimento, serviços de táxi, hotéis e, estranhamente, na minha opinião, companhias aéreas – considerando o péssimo serviço que as empresas estabelecidas oferecem. Os millennials mais velhos são particularmente propensos a apontar a falta de concorrência como a causa raiz dos problemas do setor de saúde dos EUA, uma crença que deixaria pasmos os britânicos da mesma idade.

Há também evidências de que o velho ditado – se você não é socialista quando jovem, você não tem coração e se não é conservador quando envelhece, não tem cabeça – continua aplicável. As pessoas continuam se tornando mais conservadoras à medida que acumulam recursos e responsabilidades. Apenas 20% dos millennials mais velhos foram identificados como “muito liberais” em comparação com 26% dos mais velhos da geração Z. Eles também estavam mais propensos a considerar a religião como “muito importante” em suas vidas (28%) do que a geração Z mais velha (22%).

Mas quais são as implicações de tudo isso? A mais óbvia é que os americanos mais jovens são muito mais parecidos com os mais velhos do que imaginamos. Instintivamente mais cautelosos em relação ao governo do que seus primos europeus, eles não são os vagos proclamadores das virtudes da demonologia republicana nem os representantes progressistas das fantasias dos democratas.

PUBLICIDADE

A segunda implicação é que há muitos jovens que se concentram em melhorar o acesso ao sistema atual, em vez de exigir mudanças fundamentais. Isso não significa esquecer as desigualdades estruturais dos EUA decorrentes de sua longa história de opressão e exclusão racial. Mas significa rejeitar tanto a política de direitos de grupo da esquerda radical quanto o ressentimento da direita.

Em Capital, romance de John Lanchester, os presunçosos moradores de uma rua no sul de Londres, Pepys Road, começam a receber mensagens através de suas caixas de correio proclamando: “queremos o que você tem”. As missivas vêm de um grupo de jovens enfurecidos com o salto dos preços das moradias: “ter uma casa em Pepys Road era como estar em um cassino no qual você seria garantidamente um vencedor”, escreve Lanchester. Os americanos mais jovens também só querem aproveitar a boa sorte que também tiveram os mais velhos.

Políticos sensatos deveriam prestar mais atenção ao acúmulo de oportunidades por parte de interesses arraigados, sejam eles liberais (acadêmicos titulares e administradores seniores) ou conservadores (CEOs). Eles também devem reviver velhas ideias sobre igualdade de oportunidades e empoderamento individual para uma era nova e mais difícil.

E os CEOs? Eles precisam ouvir menos os membros dos grupos de afinidade e mais os funcionários comuns. Eles precisam lembrar que, seja o que for, o Twitter não é o mundo real.

A salvação do capitalismo não está em se deformar para aderir às modas ideológicas dos campi, mas em abraçar o poder dos mercados para responder ao apelo feito pelos jovens aos moradores da Pepys Road: “queremos o que você tem”.

PUBLICIDADE

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Adrian Wooldridge é o colunista de negócios globais da Bloomberg Opinion. Ele já foi escritor para o The Economist. Seu livro mais recente é “The Aristocracy of Talent: How Meritocracy Made the Modern World”.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Venezuela pode crescer mais que outros países da América do Sul em 2022, diz Cepal

Traders amadores perdem tudo que ganharam durante a pandemia

Europa quer reviver acordos comerciais para garantir mais aliados