O Bitcoin pode fornecer uma alternativa ecológica à queima
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — “A ExxonMobil está minerando Bitcoin.”

Essa manchete improvável foi recentemente divulgada nas principais publicações de negócios. Em um projeto que começou em janeiro de 2021, a Exxon se uniu à startup Crusoe Energy Systems para usar o excesso de gás de seus campos de petróleo de Dakota do Norte para minerar Bitcoin.

PUBLICIDADE

Aqui está o porquê: O processo de produção de petróleo libera gás como subproduto. Por razões logísticas, nem todo o gás pode ser capturado e transportado. A prática comum da indústria é queimar o gás extra. Chamada de “flaring” na linguagem da indústria, a prática é muito prejudicial para o meio ambiente.

Com base em uma medida, a queima é responsável por 1% das emissões atmosféricas de dióxido de carbono produzidas pelo homem em todo o mundo. Pior ainda é a liberação de metano: como disse a Scientific American, “enquanto o CO2 persiste na atmosfera por séculos, ou mesmo milênios, o metano aquece o planeta com esteróides por uma década ou duas antes de se decompor e virar CO2″.

PUBLICIDADE

A Crusoe é capaz de usar o excesso de gás em um processo que chama de mitigação digital de flare. A startup construiu dezenas de data centers móveis que são colocados em locais de campos petrolíferos onde ocorre a queima.

“As pessoas tentaram resolver a queima por muito tempo”, disse o CEO da Crusoe, Chase Lochmiller. “Mas as abordagens padrão de engenharia química, como compressão ou liquefação, não fazem sentido economicamente”.

PUBLICIDADE

Bitcoin: O ativo digital mantém seu registro de transações por meio de um processo que requer muito poder computacional para resolver quebra-cabeças matemáticos. Os mineradores de Bitcoin recebem recompensas por resolver esses quebra-cabeças. É esse incentivo que fornece a economia para a Crusoe implantar uma tecnologia capaz de desviar o gás da queima.

No mês passado, a Crusoe levantou US$ 350 milhões em uma rodada de financiamento da Série C. Já opera em Dakota do Norte, Wyoming e Colorado, mas usará os recursos para expandir para outras áreas onde a queima é generalizada: Bacia do Permiano (Texas), Argentina, Omã e Abu Dhabi. Lochmiller disse à Bloomberg TV que, se os 14 bilhões de pés cúbicos de gás que são queimados todos os dias pudessem ser aproveitados para computação, seria possível alimentar toda a rede Bitcoin oito vezes.

PUBLICIDADE

Ao selecionar novos locais, a Crusoe garante que não está criando uma nova demanda por gás. Normalmente, a startup assume projetos em que o gás é um subproduto de uma operação de poço de petróleo existente.

“É uma linha tênue a seguir”, diz Lochmiller sobre a escolha de locais para trabalhar. “Estamos no negócio de reduzir as emissões.”

Embora o Bitcoin forneça uma alternativa ecológica à queima, um crítico poderia apontar que toda a rede digital é um sumidouro de energia que é ruim para o meio ambiente.

O Bitcoin usa muita eletricidade? Sim.

A Agência Internacional de Energia observa que o Bitcoin consome cerca de 100 terawatts-hora de eletricidade (0,3% do consumo global total). Data center e redes de transmissão de dados - que alimentam tudo, desde DMs do Snap a séries da Netflix e pesquisas médicas - consomem um total de 460-590 terawatts-hora (1,4% -1,8%).

Nem todo consumo de eletricidade é igual, no entanto. As usinas de carvão são obviamente piores que a energia eólica, então vale a pena considerar que as fontes de energia renovável representam 39% do consumo total de energia do Bitcoin (contra 17% para a produção de eletricidade dos Estados Unidos).

Se você atribuir valor zero ao Bitcoin, o consumo de eletricidade é um desperdício completo. Mas mesmo um cético tem que reconhecer as conquistas do Bitcoin: atualmente tem um valor de mercado de US$ 752 bilhões e há mais de 1 milhão de carteiras Bitcoin ativas.

Para Lochmiller, os data centers não são tão criticados quanto o Bitcoin porque as pessoas “vêem valor” neles.

Se você aceita a premissa de que o Bitcoin tem valor no mundo real, considere também que ele possui dois atributos principais que podem ajudar na transição do mundo para uma energia mais limpa:

Operação distribuída: A mineração de Bitcoin é altamente distribuída. Um data center móvel pode tornar econômico o desbloqueio de recursos de energia renovável ociosos.

Carga de trabalho que pode ser interrompida: as operações de mineração podem ser ativadas e desativadas a qualquer momento, o que ajuda a estabilizar as redes de energia. Quando a demanda é baixa, a mineração de Bitcoin pode consumir a eletricidade não utilizada. Quando a demanda é alta – digamos, o consumo das famílias à noite – as mineradoras fecham sem problemas.

“A mineração de Bitcoin é o melhor comprador de último recurso”, explica Lochmiller. “Poucas situações de uso industrial podem usar muita energia como o Bitcoin e desligar em 5 minutos. Você não pode fazer isso para uma fábrica de fundição de alumínio.”

A energia eólica e solar tem um problema de intermitência (o sol nem sempre aquece, o vento nem sempre sopra). Implantadas corretamente, as operações de mineração de Bitcoin também podem subsidiar a construção de fontes de energia renovável.

Para a Crusoe, não se trata apenas de Bitcoin. A empresa acredita que um data center móvel, de baixo custo e com baixo consumo de energia é uma solução que pode alimentar de forma sustentável todas os tipos de tarefas de computação no futuro a partir da inteligência artificial para renderização de gráficos para ativos digitais. E para isso, sua tecnologia também está sendo testada em projetos de parques eólicos.

“A capacidade de obter, aproveitar e usar energia é um sinal de uma sociedade produtiva”, diz Lochmiller. “Portanto, o uso de energia não é uma coisa ruim, desde que possamos mitigar os efeitos nocivos do clima.”

Até que a rede seja liberada dos combustíveis fósseis, ajudar a mitigar o problema da queima seria um grande passo.

Trung Phan é o co-apresentador do podcast Not Investment Advice e escreve o boletim SatPost. Ele foi o principal redator do Hustle, um boletim de tecnologia.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

– Esta coluna foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também