Tech

O próximo ato de Marcelo Claure é voltar a ser empreendedor

EXCLUSIVO: Ex-SoftBank compartilhou, em entrevista à Bloomberg Línea, o que o mantém ocupado depois de deixar o fundo e sua visão otimista na América Latina

Marcelo Claure, ex-COO do SoftBank International
06 de Maio, 2022 | 07:50 pm
Tempo de leitura: 12 minutos

Bloomberg Línea — Para muitos, o boliviano Marcelo Claure, 51, era um tipo de Midas que criava muito dinheiro nas empresas investidas pelos fundos do líder do SoftBank, Masayoshi Son. Afinal, ele foi o responsável por arrumar a casa dos investimentos do conglomerado japonês, como a Sprint e a WeWork (WE). Claure se juntou ao grupo em 2014, quando o SoftBank comprou sua empresa Brightstar. De Tóquio, ele se mudou para Miami para iniciar a presença do SoftBank na América Latina, e depois para Nova York, para atuar na reestruturação da WeWork.

Em uma entrevista exclusiva à Bloomberg Línea, Claure detalhou seus primeiros passos como um empreendedor renascido, agora de seu próprio grupo, o Claure Group, e aprofunda o que separa fundadores como Adam Neumann (WeWork) e Larry Page (Google) em termos de escala e execução de suas empresas.

De acordo com Claure, que assumiu o comando da WeWork como presidente depois que Neumann foi deposto como CEO em 2019, o SoftBank conseguiu “consertar a empresa durante a pandemia e prepará-la para o IPO”. A WeWork, que já foi avaliada em US$ 47 bilhões, acabou se tornando pública por meio de um SPAC em 2021 com uma avaliação de US$ 9 bilhões. Hoje, a empresa tem um valor de mercado de US$ 4,76 bilhões. “Agora a empresa está no caminho certo para entregar lucratividade nos próximos trimestres”, disse.

Em uma entrevista exclusiva à Bloomberg Línea, Claure detalhou seus primeiros passos como um empreendedor renascido, agora de seu próprio grupo, o Claure Groupdfd

Claure, que deixou o SoftBank no final de janeiro devido a divergências com Son sobre sua remuneração, diz que manterá seu relacionamento com o SoftBank privado e prefere se concentrar em seus próximos passos investindo com seu multibilionário Family Office Claure Group, que anunciará novos investimentos em breve.

PUBLICIDADE

Gostamos de apoiar fundadores excepcionais que constroem grandes empresas, praticamente na área ampla de todos os setores da economia, por isso estamos procurando grandes fundadores com grandes empresas que possamos não apenas trazer mais capital, mas trazer minha experiência com o que eu aprendi nesses anos

Marcelo Claure

Veja os destaques da entrevista com Marcelo Claure abaixo, editada por concisão e clareza:

Vida após o Softbank

Bloomberg Línea - Como foi sua transição para um capitalista de risco autônomo?

Claure - A transição está indo muito bem. É muito bom ter tempo para mim e minha família, depois de provavelmente 30 anos de trabalho, poder dedicar meu tempo às coisas que gosto de fazer, que é basicamente ajudar diferentes empreendedores do mundo com tudo o que aprendi nesses últimos 30 e poucos anos, então tem sido muito bom.

Bloomberg Línea - Como está sua vida depois do SoftBank e sua relação com Masayoshi Son?

PUBLICIDADE

Claure - Claro que minha relação com o Masa e o SoftBank é muito boa. Acho que era hora de eu sair depois de fazer tudo o que tinha para fazer dentro do SoftBank. Foram anos fascinantes que começaram em 2014 quando o SoftBank comprou minha empresa Brightstar, o que me levou para a Sprint, depois me levou para Tóquio para ser Chief Operating Officer do SoftBank, depois para Miami para iniciar a presença do SoftBank na América Latina e depois voltar para Nova York para ajudar na recuperação da WeWork. Então eu concordei que tudo que eu tinha que fazer no SoftBank estava feito e eu queria voltar a ser um empreendedor para que tudo corra bem, conforme o planejado.

Não é fácil criar grandes empresas, você contrata mais gente do que precisa, então bons empreendedores às vezes meio que apertam o cinto, e quando crescem de novo contratam gente nova, não tem segredo. Poucas empresas não precisam passar por essas fases

Marcelo Claure

Bloomberg Línea - Como foi a reconstrução da WeWork para você?

Claure - Foi ótimo, foi mais uma experiência incrível assumir a chefia de uma empresa incrível que foi fundada por um grande visionário que precisava de ajuda na execução.

Conseguimos consertar a empresa durante a pandemia em tempos bastante difíceis e preparamos a empresa para fazer um IPO, que era um sonho que sempre tivemos, e agora a empresa está no caminho certo para entregar rentabilidade nos próximos trimestres. Foi incrível ter a oportunidade de trazer uma empresa incrível com funcionários incríveis com a direção necessária na área de execução.

Bloomberg Línea - Alguns VCs dizem que focam mais no fundador do que no negócio, que o fundador é a coisa mais importante em uma startup. O que você pensa sobre fundadores como Adam Neumann?

Claure - Existem diferentes tipos de fundadores. Acho que Adam Neumann tinha uma grande visão de negócios. Para a escala, ele teve problemas de execução que o impediram de cumprir as expectativas. É por isso que eu acho que as empresas têm fases diferentes em sua vida. Por exemplo, desde a ideia, o sonho que foi trazido pelo Adam Neumann, até a execução, as empresas passam por ciclos diferentes e precisam de tipos diferentes de pessoas.

PUBLICIDADE

Acho que provavelmente o melhor estudo de caso disso é quando você olha para Larry Page, que fundou o Google, à medida que a empresa cresceu, eles tiveram a visão de trazer uma gestão profissional, que transformou o Google de diferentes dimensões, então acho que existem diferentes fundadores.

Há alguns fundadores que podem ir até o fim, desde o desenvolvimento de uma ideia até o início do negócio, até a escala do negócio, e há outros fundadores que percebem que sua força não está em escalar o negócio e administrar uma grande organização, então eles trazem diferentes gestões. Depende do fundador, depende da circunstância, depende da indústria. Nem todas as empresas são criadas iguais.

Mercados latino-americanos onde o usuário não tem muita confiança em seus governos ou bancos locais, acho que há uma oportunidade maior para a criptomoeda, para o Blockchain, ser um modelo mais disruptivo na América Latina do que em outros mercados

Marcelo Claure

O Claure Group

Bloomberg Línea - O que é o Claure Group?

Claure - É basicamente o meu Family Office, um Family Office multibilionário que está investindo em empresas. Não tenho permissão para criar meu próprio fundo no momento, tenho acordos de concorrência para criar meu próprio fundo, no entanto, posso investir do meu próprio Family Office e nas próximas semanas você verá que estamos investindo em várias centenas de milhões de dólares. Nas próximas semanas começaremos a anunciar os primeiros investimentos.

PUBLICIDADE

Bloomberg Línea - Você não pode ter seu próprio fundo por conta de problemas com o SoftBank?

Claure - Não tem problema, faz parte do meu acordo de separação. Por um certo período não posso levantar capital de terceiros e investir. Mas posso investir diretamente do meu Family Office e é isso que tenho feito.

Bloomberg Línea - E esses investimentos do Claure Group, são focados em startups da América Latina?

Claure - É em tudo. Investimos em mercado imobiliário, tecnologia, games, vamos investir em criptomoedas, empresas públicas, privadas, Seed, é uma combinação de tudo. O que eu não posso fazer é levantar um fundo específico, mas posso basicamente investir em fundos. Então você vai me ver ajudando empreendedores investindo em fundos, e posso investir diretamente em empresas. Só não tenho permissão para levantar meu próprio fundo.

PUBLICIDADE

Bloomberg Línea - Qual é o tipo de startup que o Claure Group gostaria de investir? Você foca mais na empresa, no setor ou no fundador?

Claure - É a mesma coisa. Gostamos de apoiar fundadores excepcionais que constroem grandes empresas, praticamente na ampla área de todos os setores da economia, por isso estamos procurando grandes fundadores com grandes empresas que possamos não apenas trazer mais capital, mas trazer minha experiência do que aprendi nestes anos.

PUBLICIDADE

Acredito que novas tecnologias e tendências são maiores que governos, dinheiro e inflação porque mudam a maneira como vivemos. A tecnologia melhora a forma como vivemos. Claro que é um pouco mais difícil quando os governos não são a favor do investimento estrangeiro, mas ninguém, nenhum governo tem força para frear o mundo tecnológico que faz as pessoas vivam melhor.

Marcelo Claure

América Latina: madura o suficiente para criptos

Bloomberg Línea - Como você vê o cenário do capital de risco na América Latina agora com essa liquidez escassa por questões macroeconômicas?

Claure - Estou muito otimista com a América Latina. Acho que a América Latina terá grandes anos pela frente. Temos muito vento a favor do nosso lado, como o preço das commodities. As commodities terão um papel fundamental no futuro, especialmente por causa da situação geopolítica, mas também porque a revolução elétrica pode afetar isso.

Sabemos que controlamos a maior parte do lítio. Cerca de 60% do lítio hoje fica dentro do triângulo do lítio, no Chile, Argentina e Bolívia. E o México tem uma grande oferta de commodities. Portanto, haverá uma grande entrada de capital em commodities.

PUBLICIDADE

Além disso, a situação geopolítica obrigou muitas empresas a repensar sua cadeia de suprimentos. Estamos mudando uma tendência da globalização para a regionalização, o que significa que os mercados ocidentais como os EUA querem ter cadeias de suprimentos que podem não ser tão eficientes, mas teriam menos risco e acho que nesse caso o México desempenhará um papel fundamental papel na mudança da manufatura para o México para atender a cadeia de suprimentos nas economias ocidentais.

Em terceiro lugar, a América Latina está atrasada na inovação tecnológica. Portanto, embora tenhamos tido alguns resultados fantásticos nos últimos três anos, estamos vindo de trás, então há muito investimento, inovação, muita disrupção para os empreendedores acontecendo na América Latina. Então, estou muito otimista para a América Latina como um todo.

Obviamente, estamos em tempos difíceis, se você olhar para a tempestade tripla de crises financeiras que podem levar à recessão. Temos a guerra acontecendo na Ucrânia e depois temos uma pandemia que parece nunca desaparecer. Quando pensamos que finalmente está indo embora, vem a China em lockdown. Então eu olho para dois mundos diferentes, bom para a América Latina, fortes ventos contrários no lado macro.

PUBLICIDADE

Acho que o mundo do capital de risco se ajustará, não vai mudar, vai ter fluxo de capital, mas acho que as avaliações serão ajustadas. Acho que o mercado não vai pagar pelo crescimento. O mercado pagará pelo crescimento lucrativo, o que é algo que, com o capital de risco, em muitos casos, devido ao custo de capital ser tão baixo, havia muito mais tolerância à lucratividade até um estágio posterior. Acho que as empresas agora estão sendo forçadas a mostrar um caminho claro para a lucratividade. Isso não significa que as empresas precisam ser lucrativas, mas é preciso haver um roteiro para a lucratividade.

É apenas mais um ciclo, e temos que ser espertos sobre como podemos passar por esse novo ciclo econômico que está chegando.

Bloomberg Línea - A parte mais forte da América Latina neste ciclo seriam commodities em vez de tecnologia?

PUBLICIDADE

Claure - Não. A infraestrutura física da América Latina não é tão boa. Portanto, a tecnologia tem uma disrupção maior. O bom da chegada das commodities é que isso significa mais capital vindo para a América Latina, o que significa investimento em modelos disruptivos.

Não acho que as coisas vão mudar. Grandes empresas vão ser financiadas, acho que empresas que não são fortes vão ter um problema maior, empresas que não têm um caminho claro de rentabilidade. Mas estamos saindo em um momento tão incrível, praticamente tudo o que sabemos será modificado nos próximos anos, e a maneira como fazemos tudo será diferente em cinco anos.

Nunca tivemos um momento em que houve tanta inovação e disrupção na história, estamos no meio de uma revolução em que as empresas de tecnologia estão basicamente disruptivas, estamos no meio da revolução Blockchain. Você tem Blockchain, cripto e outras disrupções nos sistemas financeiros e, ao mesmo tempo, você tem a revolução EV, em que você verá a maioria dos carros mudando de carros de combustão para carros elétricos nos próximos 10 a 15 anos. E ainda nem falamos sobre o potencial do que vai acontecer com o espaço.

Há tanta inovação e disrupção acontecendo no mundo e isso vai continuar. Nenhuma crise financeira pode parar isso. A única coisa que vai mudar é que será mais difícil para as empresas que não têm um caminho claro para a lucratividade crescerem com os valuations que levantaram no passado. Esta é a única diferença.

Bloomberg Línea - Como você vê o setor cripto na América Latina?

Claure - Em relação à criptomoeda na América Latina, acredito fielmente que o Blockchain será um modelo disruptivo não apenas na América Latina, mas também no mundo. Em mercados da América Latina, onde o usuário não tem muita confiança em seus governos ou bancos locais, acredito que há uma oportunidade maior de criptomoeda, para Blockchain, ser um modelo mais disruptivo do que em outros mercados. Por isso temos visto grandes empresas como Bitso, como Ripio, são exchanges cada vez mais fortes. Acredito que o futuro da criptomoeda e Blockchain na América Latina é promissor, assim como em outros lugares do mundo.

Bloomberg Línea - Como você vê essa tendência na América Latina com novos governos surgindo, a chamada onda rosa, um pouco mais voltada para a esquerda e que pode de alguma forma afetar o fluxo de investimentos, principalmente em novas tecnologias?

Claure - Acredito que as novas tecnologias e tendências são maiores que governos, que moedas, inflação, porque mudam a forma como vivemos. A tecnologia melhora a forma como vivemos. Logicamente fica um pouco mais difícil quando você tem governos que não são pró-investimento estrangeiro, mas não tem governo que tenha força para parar o mundo tecnológico que faz as pessoas viverem melhor.

O melhor exemplo disso é o Uber, certo? Quantos governos no mundo não lutaram para parar o Uber. Hoje o Uber é o jeito que nos movemos em São Paulo, Cidade do México, Nova York, porque a proposta de valor é mais forte do que todos os governos que tentaram detê-lo. Isso continuará na América Latina, especialmente onde temos tantas deficiências em tantas áreas.

A área de educação, saúde, logística, são tantas deficiências na infraestrutura física que a infraestrutura digital, virtual sempre será competitiva quando você tem aspectos macroeconômicos tão fortes. Por exemplo, metade das pessoas no México não tem conta bancária. Para elas, fazer transações usando dinheiro é mais fácil do que o mundo da tecnologia. Uma vez que as pessoas aprendem a usar pagamentos por telefone celular, o mundo muda. Sim, vamos passar por momentos de crise, vamos passar por uma mudança no mecanismo de financiamento, mas o mundo dos empreendedores, o mundo da tecnologia é tão forte que acho que não tem governo que tenha capacidade de frear isso.

Bloomberg Línea - Nos últimos dias noticiamos alguns unicórnios no Brasil que demitiram pessoas. Do ponto de vista do capital de risco, como escolher iniciativas que evitem esse tipo de situação, como se proteger?

Claure - Não há como, não. Vivemos alguns anos de prosperidade onde havia abundância de capital. O capital vai continuar existindo, o que vai mudar são os empresários, que devem ter um crescimento, digamos, lucrativo. Eles vão ter que mostrar aos investidores como eles vão chegar lá. No mundo, demissões, layoffs e tudo mais, é normal. A Amazon, por exemplo. Me lembro de uma época que ela teve que demitir pessoas porque não havia funding. Empresas como Amazon ou Facebook tinham que arrecadar dinheiro a um preço menor do que a última captação que fizeram. Não é fácil criar grandes empresas, às vezes você contrata mais gente do que precisa, então os bons empreendedores em momentos como esse apertam o cinto, tiram quem tem, e quando crescem contratam gente nova. Não há segredo, isso acontece. Poucas são as empresas que não precisam passar por essas fases.

– Colaborou Alejandro Ángeles

Leia também

Os Faria Limers estão obcecados com beach tennis - e não são só eles

O que é uma SAF? Lei pode ‘revolucionar’ o futebol brasileiro, diz BTG

Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups

PUBLICIDADE