PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petróleo sobe antes das negociações da Opep+, de olho na Rússia

Investidores ficam de olho na capacidade da organização de países produtores em fornecer mais óleo ao mercado global

O WTI para entrega em junho negociava perto da estabilidade a US$ 107,74 o barril às 6h24, horário de Brasília
Por Alex Longley e Sharon Cho
05 de Maio, 2022 | 06:52 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo reduziram os ganhos antes de uma reunião da Opep+ sobre estratégia de oferta, depois de esticar um avanço que se seguiu ao anúncio da União Europeia na quarta-feira (4) de uma proibição gradual das importações russas.

O West Texas Intermediate era negociado pouco acima de US$ 107 o barril depois de fechar em alta de 5,3% na quarta. A UE planeja proibir o petróleo russo nos próximos seis meses e os combustíveis refinados até o final do ano, para aumentar a pressão sobre o presidente Vladimir Putin por sua invasão da Ucrânia. O bloco também tem como alvo as seguradoras em um movimento que pode prejudicar drasticamente a capacidade de Moscou de enviar petróleo ao redor do mundo.

PUBLICIDADE

A Opep+ provavelmente ratificará outro modesto aumento de produção quando os membros se reunirem nesta quinta-feira, com a ameaça à demanda na China pelos lockdowns antivírus oferecendo outro motivo de cautela. Ainda assim, há sinais de que a falta de capacidade está prejudicando o grupo de fornecer até mesmo pequenos aumentos.

O petróleo subiu mais de 40% este ano, quando a invasão da Ucrânia pela Rússia interrompeu os fluxos, a inflação aumentou e os bancos centrais, incluindo o Federal Reserve dos EUA, começaram a apertar a política monetária. O dólar estava em alta na quinta-feira, adicionando um vento contrário ao petróleo, depois que o Fed elevou as taxas de juros pela maior taxa desde 2000.

“Os preços do petróleo estão em busca de equilíbrio, presos em uma faixa estreita entre US$ 100 e US$ 110 o barril”, disseram analistas do JPMorgan (JPM), incluindo Natasha Kaneva, em relatório aos clientes. “No geral, vemos uma proibição de eliminação progressiva como a proibição certa.”

PUBLICIDADE

Preços do petróleo

  • O WTI para entrega em junho negociava perto da estabilidade a US$ 107,74 o barril às 6h24, horário de Brasília
  • O Brent para liquidação em julho subia 0,2%, para US$ 110,33 o barril

Atualmente, as exportações de petróleo da Rússia estão em ritmo recorde, já que Moscou consegue redirecionar cargas anteriormente enviadas para os EUA e outros lugares para compradores alternativos, especialmente na Ásia, disse o JPMorgan.

A UE pretende concluir o pacote de sanções até o final da semana, ou 9 de maio, segundo diplomatas. Para superar as restrições, o bloco precisa abordar as preocupações da Hungria e da Eslováquia sobre o momento da eliminação gradual e as perguntas da Grécia sobre a proibição do transporte de petróleo entre países terceiros.

Os mercados de petróleo permanecem em retrocesso, um padrão de alta marcado por preços de curto prazo sendo negociados acima dos de longo prazo. Entre os principais diferenciais, o spread entre os dois contratos de dezembro mais próximos do Brent estava acima de US$ 13 o barril na quinta-feira. Isso é mais do que o triplo da diferença no início do ano.

Leia também

Selic a 12,75%: Como ter retorno em um ambiente global de maior cautela