BlackRock: Commodities e energia são os setores mais atraentes na América Latina

Confira a entrevista com Axel Christensen, Diretor de Estratégia de Investimento para América Latina da gestora

Axel Christensen. El director de Estrategia de Inversión para América Latina de BlackRock.
04 de Maio, 2022 | 03:05 PM

Buenos Aires — Axel Christensen é o diretor de estratégia de investimento para a América Latina da BlackRock (BLK), maior gestora de fundos de investimento do mundo, com US$ 9,6 trilhões em ativos totais sob gestão no final do primeiro trimestre de 2022. Esse valor representa praticamente metade do Produto Interno Bruto dos Estados Unidos.

Engenheiro e de nacionalidade chilena, Christensen, que trabalhou no Citicorp, McKinsey e Banco de Santiago, conversou com a Bloomberg Línea na última semana.

Com mais de treze anos na BlackRock, o estrategista está otimista quanto às chances dos EUA conseguirem evitar uma recessão, diante de um panorama que se torna adverso não só pela guerra na Ucrânia, mas também pela alta dos juros. bancos centrais do mundo.

No que se refere à América Latina, ele destacou as oportunidades táticas de curto prazo, tanto em ações e renda fixa, em itens vinculados a commodities, como também em títulos soberanos, já que as contas públicas devem melhorar justamente pelo aumento da receita que as exportações de matérias-primas.

PUBLICIDADE

Destacou também o caso da Colômbia, cuja economia deve crescer acima da média regional neste 2022, e também apontou para empresas brasileiras que atendem a demanda interna do país, pois podem se beneficiar do fim do ciclo de aumentos do Banco Central.

Sobre as perspectivas para o setor tecnológico num ambiente de menor liquidez, Christensen sublinha que é normal que alguns procurem ajustar a dimensão das suas equipas e, nesse sentido, não dispara quaisquer alarmes.

“Temos muitas empresas de tecnologia na região que conseguiram superar com sucesso os ciclos de altos e baixos dos anos anteriores”, diz ele.

PUBLICIDADE

A conversa a seguir foi editada por questões de extensão e clareza:

Bloomberg Línea: Se a Europa e os Estados Unidos tivessem aumentado as taxas de juros e reduzido as compras de títulos mais cedo, a inflação global hoje seria menor ou esse cenário era inevitável?

É uma pergunta difícil de responder, porque você tem que entender o contexto. A incerteza da pandemia dificultou que eles agissem mais rapidamente em termos de retirada de estímulos, seja aumentando a taxa de juros ou reduzindo compras. Mesmo assim, também existem outras fontes que de alguma forma geraram pressão sobre os preços.

A inflação é explicada principalmente por um problema de oferta. Por um lado, o processo de reabertura econômica, com uma demanda muito contida e que começou a sair com muita força, encontrou cadeias produtivas ainda muito frágeis. O processo de abertura, por exemplo, das plantas produtivas não foi uniforme. Foi gradual até a nível regional, na medida em que tivemos que lidar com variantes da pandemia. Então aquela parte que pouco tinha a ver com a política econômica do Banco Central ou estímulo fiscal foi um fator muito importante, mesmo em ciclos inflacionários anteriores. E com a guerra na Ucrânia, esse choque de oferta só se aprofundou. Os bancos centrais podem ficar vermelhos ou azuis. Eles podem aumentar a taxa de juros e não vão fazer com que haja mais produção de petróleo, ou que mais grãos possam ser colhidos.

BLA: A guerra na Ucrânia parece ser mais longa do que o inicialmente esperado. Podemos então esperar que a inflação continue acelerando?

Provavelmente um cenário de aceleração permanente é um pouco difícil de sustentar, mesmo para um problema de base matemática. Pense, por exemplo, nestes últimos dias em que a Rússia anunciou o corte total da oferta para alguns países da Europa, o impacto inflacionário que isso pode ter no curtíssimo prazo. Mas pode-se tirar algumas lições do que aconteceu antes do conflito no efeito sobre o abastecimento da pandemia. Os atores econômicos estão acomodados. Buscam outros tipos de insumos, diversificam seus fornecedores. As pessoas vão beber, eu assumo, menos café e um pouco mais de chá, ou mate como seria o caso da Argentina. Está se acomodando como consumidor ou produtor diante de uma realidade. E isso mostra que, no médio prazo, essas pressões de aceleração inflacionária que mencionei provavelmente começarão a ceder.

Na BlackRock colocamos o lema de aprender a viver com mais inflação. Todos nós, enquanto consumidores, investidores, entidades que tomam decisões de política económica, vamos ter de nos ajustar a um ambiente de inflação mais elevada e persistente.

BLA: Que leitura você faz dos dados de 28 de abril, de contração econômica nos Estados Unidos no primeiro trimestre, tendo em conta que vários grandes bancos já preveem um risco crescente de recessão por lá no próximo ano?

A verdade é que essa contração para o primeiro trimestre pode de alguma forma levar a conclusões erradas. Parte importante do valor é explicada pela variação dos estoques e também pelo aumento do déficit comercial dos Estados Unidos, que reflete basicamente que as importações cresceram muito mais do que a base exportadora. Certamente, o efeito atual dos problemas de abastecimento e estoque pode ser visto, o que afeta a atividade de exportação. Mas, ao mesmo tempo, ver um aumento nas importações reflete uma economia ainda bastante saudável. Nesse sentido, tirar conclusões de que os Estados Unidos estariam à beira ou entrariam iminentemente em uma fase de contração da atividade, uma fase recessiva, seria em nossa opinião algo precipitado. Existem vários indicadores que ainda mostram uma atividade do mercado de trabalho bastante robusta.

Embora tenha havido queda nos indicadores de sentimento do consumidor, na prática, o consumo também é bastante fluido, com uma capacidade de endividamento que dá um pouco de folga. Quando se entra em um ano em que os bancos centrais começam a retirar estímulos, a caminhar para níveis de maior neutralidade em termos de política monetária, certamente é comum que as chances de uma reação exagerada por parte dessa retirada de estímulos levem a um situação de menor crescimento, mesmo recessivo, a ponto de ser usual neste ciclo de política monetária que os ajustes de risco de recessão aumentem. Agora, essa probabilidade terá que ser comparada com os movimentos futuros feitos pelo Federal Reserve.

PUBLICIDADE

[Empresa que monitora lavouras em tempo real pode virar 1º unicórnio agro do país]Edit info

BLA: Como a região se posiciona neste contexto em termos de fluxo de capital e investimento? Por enquanto, nos últimos dias soubemos que vários unicórnios tecnológicos brasileiros demitiram centenas ou dezenas de funcionários.

Acho que isso tem mais a ver com situações setoriais do que com uma situação generalizada. Por um lado, a situação inflacionária faz com que o preço das matérias-primas, das commodities, também se mantenha em patamares mais elevados e de forma mais persistente. E isso em geral para a região da América Latina é uma boa notícia. Isso significa que entram mais fluxos derivados da balança comercial, mas também de investidores que percebem essa situação como melhor em uma situação em que o resto do mundo tem que enfrentar o efeito negativo do aumento das matérias-primas. Mas há outra vertente que tem a ver com atividades com foco doméstico.

Lembremos que o Banco Central do Brasil vem mantendo taxas de juros acima de 10% há mais de um ano. E isso certamente afetou a atividade, principalmente nos setores de consumo. E talvez seja nessa parte que os investidores que olham para a região a veem com mais cautela em relação à rota de commodities. Portanto, uma região de dois lados.

Entrando um pouco mais em detalhes sobre diferentes setores, entendo que a maioria dos unicórnios que você mencionou no Brasil são fintechs ou relacionadas a atividades muito mais sensíveis a ajustes, no caso a alta de juros. Quando as condições mudam, eles geralmente precisam responder ajustando o tamanho de suas equipes. Isso poderia ter acontecido em outras indústrias, não necessariamente unicórnios que estão se ajustando a uma mudança no ambiente macroeconômico, talvez atraindo mais atenção jornalística nessas empresas que também tiveram um crescimento exorbitante. Temos muitas empresas de tecnologia na região que conseguiram navegar com sucesso pelos ciclos de altos e baixos dos anos anteriores.

PUBLICIDADE
BLA: Na BlackRock, quais são as categorias de ativos e setores que você considera mais atraentes em termos de oportunidades?

Em primeiro lugar, a via mais ligada às matérias-primas ou à energia, que se beneficiam de um ambiente de preços mais elevados, de maior procura, de poder colocar os seus produtos em momentos de escassez de oferta. Cada investidor pode escolher qual canal, por meio de renda fixa, o que também dá a possibilidade de investir em títulos públicos, que veem suas contas fiscais melhoradas quando há uma renda de moeda estrangeira mais alta. Ou através de ações em empresas de setores que possam aproveitar essa fase mais cíclica, que provavelmente pode durar o ano seguinte, mas sem perder de vista que muitas das oportunidades também são mais estruturais, de longo prazo.

Em cobre, lítio ou níquel, acreditamos que a demanda associada à transição climática será extremamente forte. Em outros setores talvez você tenha que ser um pouco mais seletivo. O FMI [Fundo Monetário Internacional] fez alguns ajustes para baixo nas expectativas de crescimento para a região. Mas nem todos os países viram ajustes na mesma direção. Na Colômbia, eles foram ligeiramente ajustados para cima para este ano. É um exemplo de como pesquisar no nível do país. O mesmo pode acontecer no nível setorial. No caso do Brasil, que provavelmente já completou em grande parte um ciclo muito rápido de alta de 1.000 pontos-base na taxa de juros em pouco mais de um ano, enquanto os demais bancos centrais do mundo ainda estão subindo, podemos ver uma situação mais favorável do mercado doméstico demanda na medida em que o dólar se estabiliza. E isso tem consequências tanto no posicionamento que se quer ter em renda fixa, quanto na decisão de quais setores eu quero estar. E o mais sensível, que pode estar sofrendo hoje, pode eventualmente ser uma boa porta de entrada: o setor imobiliário, por exemplo, ou o próprio setor financeiro.

BLA: Como você vê a crescente adoção e investimento em criptoativos da BlackRock na região?

Na BlackRock, gerenciamos os recursos que nossos próprios clientes nos confiam. E nossa abordagem nos levou a ser extremamente cautelosos com criptomoedas em geral. Estamos explorando investimentos em algumas equipes de investimento, bem pequenas, para entender o comportamento. Entendemos que é um ativo com volatilidade muito alta. Ao mesmo tempo, entendemos que as criptomoedas estão criando um ecossistema que cresce cada vez mais a cada dia. Então, nesse sentido, talvez eu faça uma analogia do que foi toda a corrida do ouro que a Califórnia experimentou no final do século XIX. Antes de ousar buscar ouro e minas, nos concentramos nos fornecedores desses mineradores. Começamos a nos aventurar em algumas estratégias que analisam quem vai fornecer as pás e picaretas, em termos de desenvolvimento do ecossistema de criptomoedas e aí acreditamos que existem oportunidades interessantes, sejam plataformas que permitem que as pessoas invistam neste tipo de ativos, ou outros tipos de fornecedores, que, por exemplo, permitem transações seguras, etc.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Brasil lidera ranking por ativos dos maiores bancos da América Latina em 2022

Francisco  Aldaya

Periodista argentino con más de 10 años de experiencia. Francisco cubrió al sector financiero latinoamericano en S&P Global Market Intelligence, y trabajó en las secciones de economía y política del Buenos Aires Herald. También ha colaborado con el Buenos Aires Times.