Startups

Empresa que monitora lavouras em tempo real pode virar 1º unicórnio agro do país

Solinftec anunciou hoje uma captação de US$ 60 milhões em debêntures que será a ponte para uma rodada série C, prevista para o segundo semestre do ano

Agtech brasileira levanta US$ 60 milhões para monitorar pragas em tempo real, 24 horas por dia
02 de Maio, 2022 | 12:18 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — A Solinftec deu hoje mais um importante passo para se transformar na primeira Agtech do Brasil a se transformar em unicórnio. A empresa com sede em Araçatuba – que colhe e processa dados de lavouras em tempo real e faz recomendações de ações ao produtor rural – anunciou a captação de US$ 60 milhões por meio de debêntures, que serão conversíveis em ações na terceira rodada de investimentos.

Atualmente, a empresa já monitora 11 milhões de hectares no Brasil, Colômbia e Estados Unidos e tem receita contratada de R$ 200 milhões. A série C está prevista para acontecer no segundo semestre deste ano, quando a companhia acredita que alcançaram o valor de mercado de US$ 1 bilhão e se transformará na primeira empresa do agronegócio a alcançar esse patamar.

“A ideia de fazer uma captação por meio de debêntures é que ela seja uma ponte para a série C que estamos prevendo para o segundo semestre de 2022. Foi a primeira vez que trouxemos fundos internacionais e a ideia é que os recursos sejam usados para financiar a vertical de robótica que lançamos em abril e acelerar nossa internacionalização nas Américas e nosso acesso aos médios produtores de grãos”, disse em entrevista à Bloomberg Línea, Laís Brado, CFO da Solinftec.

No total, quatro fundos adquiriram as debêntures emitidas pela Agtech, mas apenas os dois líderes do processo foram tornados públicos. O Lightsmith Group, fundo que investe em empresas capazes de gerar impactos positivos para o meio ambiente e o Unbox Capital, fundo de private equity encabeçado pela família Trajano, controladora do Magazine Luíza. Os outros dois investidores ainda são mantidos sob sigilo.

PUBLICIDADE

Desde que iniciou suas operações em 2007, a Solinftec já levantou quase US$ 100 milhões para financiar seu crescimento. Desse total, US$ 50 milhões foram por meio da venda de participação da empresa e outros US$ 44 milhões através de dívida. Com as debêntures anunciadas hoje, a companhia chega a uma captação de pelo menos US$ 150 milhões no mercado.

Até 2016, a Solinftec tinha como foco principal a coleta e análise de dados de fazendas e usinas de cana-de-açúcar e, com por meio de um software de inteligência artificial chamado Alice, devolve recomendações para o produtor do que deve ser feito. A partir de 2016 a empresa incluiu em seu portfólio de clientes os cinco maiores produtores de grãos e fibras do país e também grupos que atuam com as chamadas culturas perenes, como laranja, café e eucalipto.

“Monitoramos atualmente, em tempo real, 11 milhões de hectares no Brasil, Colômbia e Estados Unidos e temos uma receita já contratada de R$ 200 milhões. Nossos contratos são de pelo menos cinco anos, o que nos garante um faturamento de pelo menos R$ 1 bilhão”, afirma Laís.

Robôs nas fazendas

Com os US$ 60 milhões em caixa, a ideia é que a vertical de robótica lançada no mês passado ganhe força. Até agora, os dados analisados pela inteligência artificial eram coletados por meio de sensores espalhados pelas fazendas ou gerados a partir das operações dos tratores e colheitadeiras. Com seu primeiro robô apresentado durante a Agrishow deste ano, a expectativa é que dados agronômicos comecem a ser gerados, permitindo maior eficiência na aplicação de insumos.

PUBLICIDADE

O robô é autônomo, funciona por meio de energia solar. Três horas de luz por dia garantem uma autonomia de três dias. A expectativa é que as máquinas monitorem entre 1 e 1,5 milhão de hectares de grãos nos próximos 12 meses, tendo como principais clientes agricultores do Brasil, Estados Unidos e Canadá. O sistema, batizado de Solix, tem capacidade de monitorar, individualmente, 14 milhões de plantas por semana e determinar a necessidade de aplicação de defensivos, fertilizantes e outros insumos.

Leia mais

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE