PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Twitter ativa ‘poison pill’ para evitar aquisição de Musk

Conselho da companhia estabeleceu plano de direitos dos acionistas, exercível se uma parte adquirir 15% das ações sem aprovação prévia

Na quinta-feira (14), o CEO da Tesla ofereceu US$ 54,20 por ação em dinheiro pelo Twitter
Por Sarah Frier
15 de Abril, 2022 | 05:44 pm
Tempo de leitura: 3 minutos
Últimascotações

Bloomberg — O Twitter (TWTR) adotou uma medida que protegeria o site de ofertas hostis de aquisição, de forma a frustrar a oferta indesejada do bilionário Elon Musk de tornar a empresa privada e tentar torná-la uma “defensora” da liberdade de expressão.

O conselho estabeleceu um plano de direitos dos acionistas, exercível se uma parte adquirir 15% das ações sem aprovação prévia, com duração de apenas um ano. O plano visa garantir que qualquer pessoa que assuma o controle do Twitter por meio da acumulação de mercado aberto pague a todos os acionistas um prêmio de controle apropriado, de acordo com um comunicado divulgado nesta sexta-feira (15).

O Twitter promulgou o plano para ganhar tempo, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. O conselho quer poder analisar e negociar qualquer acordo – e ainda pode aceitá-lo.

O CEO da Tesla (TSLA) ofereceu na quinta-feira US$ 54,20 por ação em dinheiro pelo Twitter, avaliando a empresa de mídia social em US$ 43 bilhões. Musk, que disse ser sua “melhor e final” oferta, já havia acumulado uma participação de mais de 9% no Twitter desde o início deste ano.

PUBLICIDADE

O conselho do Twitter se reuniu na quinta-feira para analisar a proposta de Musk para determinar se era do melhor interesse da empresa e de todos os seus acionistas.

Além da oferta de Musk, o Twitter vem conquistando o interesse de outras partes, incluindo a empresa de private equity Thoma Bravo, com foco em tecnologia, informou a Bloomberg na sexta-feira. Goldman Sachs Group Inc. e JPMorgan Chase & Co. estão aconselhando o Twitter.

Uma estratégia de defesa de “poison pill” permite aos acionistas existentes o direito de comprar ações adicionais com desconto, diluindo efetivamente a participação acionária da parte hostil. Elas são comuns entre empresas na mira de investidores ativistas ou em situações hostis de aquisição.

De acordo com o plano do Twitter, cada direito dará ao seu titular o direito de comprar, ao preço de exercício vigente, fatias adicionais de ações ordinárias com um valor de mercado atual de duas vezes o preço de exercício do direito.

PUBLICIDADE

“Acionistas vão adorar”

No arquivo de valores mobiliários de Musk divulgando a oferta, na manhã de quinta-feira (14), estava um roteiro de texto que ele enviou à empresa. Nele, ele disse ser “um preço alto e seus acionistas vão adorar”.

Pelo menos um investidor proeminente, porém, disse que a oferta era muito baixa e que a reação do mercado parecia concordar. O príncipe Alwaleed bin Talal, da Arábia Saudita, disse que o acordo não “se aproxima do valor intrínseco” da popular plataforma de mídia social.

Na quinta-feira, durante uma conferência do TED, Musk disse que não tinha certeza de que “será realmente capaz de adquirir o Twitter”. Ele acrescentou que sua intenção era também manter “o número de acionistas permitido por lei”, em vez de manter a propriedade exclusiva da empresa.

As ações do Twitter caíram 1,7% em Nova York na quinta-feira (14), refletindo a visão do mercado de que o acordo provavelmente será rejeitado ou fracassado. O Wall Street Journal informou anteriormente que a empresa com sede em São Francisco estava considerando uma defesa de “poison pill”.

Plano B

Musk divulgou pela primeira vez sua participação no Twitter em 4 de abril, tornando-o o maior investidor individual. Na conferência do TED, ele indicou que tem um Plano B se o conselho do Twitter rejeitar sua oferta. Ele se recusou a discorrer sobre o assunto. Mas em seu arquivamento no início do dia, ele disse que repensaria seu investimento se a oferta fracassasse.

“Se o negócio não der certo, já que não tenho confiança na administração nem acredito que possa conduzir a mudança necessária no mercado público, precisarei reconsiderar minha posição como acionista”, disse Musk.

PUBLICIDADE

O Twitter, ao contrário da Meta (FB), Snap (SNAP) e outros gigantes da tecnologia, não tem fundadores com controle majoritário de votação. Isso torna a empresa particularmente vulnerável a investidores ativistas e interesses de aquisição.

Embora não esteja claro o que o fundador e membro do conselho Jack Dorsey pensa do acordo de Musk, ele pelo menos compartilha a opinião de que o Twitter pode ser melhor privado.

-- Com a colaboração de Jillian Ward.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

As ações e os fundos preferidos dos investidores de alta renda no último mês

‘Demiti 12 andares de funcionários’: A estratégia hostil de Icahn seguida por Musk