Lucros corporativos devem ser robustos, mesmo com o sentimento do consumidor mais baixo desde 2011 e forte inflação.
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg News — Os balanços corporativos dos Estados Unidos estão prestes a mostrar ao Federal Reserve o quão atrasado está em termos de política monetária. As empresas começam a divulgar seus resultados do primeiro trimestre nesta semana, sendo os primeiros grandes bancos liderados pelo JPMorgan Chase & Co. (JPM) e Goldman Sachs Group Inc. (GS).

Esses relatórios e as perspectivas fornecidas pelos gerentes das empresas provavelmente fornecerão uma imagem mais clara de uma economia em rápido movimento do que a maioria dos dados divulgados até o momento o fizeram.

PUBLICIDADE

De uma forma perversa, quanto melhor forem os resultados das empresas, mais agressivo o banco central terá que ser para resistir ao seu sucesso. Claro, o Fed não quer estar em uma posição de tentar ativamente torpedear o crescimento e a demanda, mas pode não ter escolha se as empresas fornecerem evidências de que são capazes de empurrar facilmente preços mais altos para os consumidores, continuando assim a alimentar a taxa de inflação mais elevada desde o início dos anos 80.

Analistas continuam a aumentar sua previsão de lucro por ação para o S&P 500 este anodfd

Não estou dizendo que o Fed está torcendo contra as empresas dos EUA ou esperando sinais de fraqueza entre as famílias americanas. De fato, os banqueiros centrais estão contando com o impulso econômico para alcançar o chamado “pouso suave”, à medida que aperta a política monetária. Eles querem que as famílias sejam capazes de absorver custos de empréstimos mais altos, crescimento mais lento de empregos e menos aumentos salariais sem reduzir muito os gastos.

PUBLICIDADE

Mas o Fed está claramente muito preocupado com o fato de as empresas serem capazes de repassar consistentemente seus custos crescentes aos consumidores e fazer com que expectativas de inflação mais altas se tornem enraizadas na psique americana. Tradicionalmente, tal desenvolvimento tornou mais difícil controlar a inflação.

Se as empresas mostrarem força descarada em seus lucros e perspectivas, o Fed provavelmente terá que apertar a política monetária com mais intensidade, contribuindo para ampliar o risco de uma desaceleração econômica.

PUBLICIDADE

O presidente do Federal Reserve Bank de Richmond, Thomas Barkin, chamou a atenção para essa realidade em uma conversa recente com Michael McKee, da Bloomberg Television, dizendo que uma das razões pelas quais ele está pronto para apertar mais agressivamente é porque “ainda estou ouvindo as empresas dizerem que têm poder de precificação”.

Jonathan Golub, estrategista-chefe de ações do Credit Suisse Securities LLC observa que as estimativas de ganhos para 2022 aumentaram 1,8%. A Bloomberg Intelligence projeta que o lucro por ação do índice S&P 500 terminará o ano 37% acima do pico pré-pandemia.

PUBLICIDADE

Os lucros corporativos devem ser robustos, mesmo com o sentimento do consumidor mais baixo desde 2011, em meio à maior inflação desde 1982. O governo deve dizer na terça-feira (12) que o índice de preços ao consumidor subiu 8,4% em março em relação ao ano anterior, acima do ganho de 7,9% em fevereiro. Pesquisas mostram que mais famílias dizem que planejam adiar grandes compras por causa da despesa maior.

O sentimento do consumidor está se desgastando rapidamente à medida que a inflação aceleradfd

No entanto, a trajetória dos lucros corporativos ainda é boa o suficiente para que muitos investidores continuem investindo em ações dos EUA, argumentando que há poucos outros lugares para colocar dinheiro, uma vez que as ações oferecem melhor proteção contra a inflação do que os títulos públicos.

Parece difícil de acreditar com tudo o que aconteceu este ano, mas o S&P 500 está apenas 6,43% abaixo da máxima histórica de fechamento, em 3 de janeiro. Como resultado, as condições financeiras amplas não se apertaram materialmente, e até afrouxaram nas margens, já que o presidente do Fed, Jerome Powell, alimenta as apostas do mercado em mais de 200 pontos-base de aumento das taxas de juros até o final do ano.

As ações não estão longe de seus recordes, apesar da inflação, das guerras e da pandemia em cursodfd

O ex-presidente do Fed de Nova York, Bill Dudley, deu um passo adiante em uma coluna da Bloomberg Opinion nesta semana, dizendo que o banco central teria essencialmente que forçar os preços das ações a baixarem para conter a inflação de forma mais eficaz. Se você concorda com Dudley, é claro que, depois de décadas sendo um líder de torcida para o aumento das avaliações corporativas, o banco central está passando por uma reversão maciça.

Os touros de ações estimam – e esperam – que as empresas continuem a reportar lucros crescentes, mas, quando isso acontecer, o Fed será obrigado a adotar uma postura mais forte na redução da demanda.

Ironicamente, se os relatórios de lucros do S&P 500 forem piores do que o esperado, com sinais de arrefecimento da pressão inflacionária, o Fed pode ter mais facilidade em lidar com as pressões concorrentes de uma desaceleração do crescimento e inflação sem desencadear uma recessão.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também: