Mercados

Fed atrás da curva: Economista do Goldman vê risco juro acima de 4% nos EUA

Para economista, situação exigirá muito trabalho e criatividade do Fed para alcançar um pouso suave

Liderado por Jerome Powell, Fed pode não conseguir fazer pouso suave na economia dos EUA
Por Alister Bull
08 de Abril, 2022 | 07:52 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Federal Reserve pode precisar aumentar as taxas de juros “significativamente” mais do que espera atualmente para esfriar a economia superaquecida dos EUA, disse o economista-chefe do Goldman Sachs (GS), Jan Hatzius.

“Se a economia não desacelerar e se nós, em particular, não obtivermos uma desaceleração bastante substancial no crescimento do emprego, então você estaria olhando para algo que poderia subir significativamente, para a faixa de 4% ou mais”, disse ele em entrevista à Bloomberg Television na sexta-feira.

Jan Hatzius, economista-chefe do Goldman Sachs, diz que o Federal Reserve pode precisar aumentar sua taxa básica de juros acima de 4% para conter uma economia “superaquecida” dos EUA (Fonte: Bloomberg)dfd

Essa não é a expectativa do Goldman, observou ele, ao mesmo tempo em que advertiu que a situação exigirá muito trabalho e criatividade do Fed para alcançar um pouso suave em meio à inflação mais alta em 40 anos e o mercado de trabalho mais forte desde a década de 1950.

El nuevo diagrama de puntos de la Fed. dfd

“Nosso cenário base é que em meados de 2023 estaremos em pouco mais de 3%, mas obviamente há riscos em torno disso”, disse ele em entrevista a Lisa Abramowicz, Tom Keene e Jonathan Ferro.

PUBLICIDADE

A taxa tende a ser mais baixa “se tivermos um aperto muito mais acentuado nas condições financeiras do que eles querem”, e mais alta “se a economia permanecer mais forte ou você não conseguir um aperto adicional nas condições financeiras.”

O Fed elevou as taxas em 0,25 ponto percentual no mês passado para uma meta de 0,25% a 0,5% e sinalizou que espera elevar a taxa básica para 1,9% até o final de 2022 e 2,8% até o final de 2023.

Desde então, as autoridades disseram que estão abertas a agir mais rápido, se necessário, para conter a inflação, inclusive aumentando meio ponto percentual em sua próxima reunião de 3 a 4 de maio.

A ata da reunião de política monetária de março mostra que muitos dos dirigentes eram a favor de um aumento dessa magnitude no mês passado, mas optaram por um aumento de 0,25 ponto mais cauteloso à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia e estavam abertos a aumentar as taxas em meio ponto percentual em uma ou mais reuniões daqui para frente.

PUBLICIDADE

“O objetivo do Fed é provocar um aperto gradual nas condições financeiras, caso contrário, eles não alcançarão as metas que têm – que é estabilizar a economia perto do pleno emprego, mas não em um estado superaquecido”, disse ele. .

O índice de preços ao consumidor subiu 7,9% em fevereiro em relação ao ano anterior, o maior nível desde 1982. A meta de inflação de 2% do Fed é baseada em uma medida separada, o índice de preços de gastos de consumo pessoal, que subiu 6,4% nos 12 meses até fevereiro.

Enquanto isso, o mercado de trabalho dos EUA continua forte, com a taxa de desemprego caindo para 3,6% no mês passado e a criação de 431.000 postos de trabalho.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também