PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Mercados de renda variável se recuperam enquanto aguardam dados macro chave

Futuros de índices nos EUA e bolsas europeias operam em alta desde a abertura; prêmios de títulos soberanos sobem e cotação do petróleo flutua de mais a menos

As variáveis que orientarão os mercados
01 de Abril, 2022 | 08:32 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Barcelona, Espanha — A macroeconomia terá um peso decisivo nos negócios de hoje no mercado financeiro, além da guerra Rússia-Ucrânia. O relatório sobre o emprego nos Estados Unidos e o Índice Manufatureiro ISM darão um atestado sobre a saúde da economia norte-americana e pistas sobre a dimensão do aperto monetário do Federal Reserve (Fed). Ao mesmo tempo, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) na Zona do Euro, que marcou novo recorde, dá uma ideia dos danos do conflito bélico sobre o poder de compra.

Nesse sentido, tende a ocorrer um descolamento entre Europa e Estados Unidos. Se esperam dados melhores para este último, menos vulnerável energeticamente e com uma economia mais resiliente. Na Europa, além da inflação, que mostrou estar em disparada, serão divulgados dados PMI das indústrias do bloco monetário e de vários países do continente, entre eles Alemanha, Reino Unido, França e Espanha.

PUBLICIDADE

Os contratos sobre os benchmarks acionários dos EUA avançavam, enquanto o europeu Stoxx 600 subia após seu pior trimestre desde o mercado baixista da era pandêmica. Isso apesar de a inflação da zona do euro ter galgado a um novo recorde histórico.

O petróleo hoje, que vinha em queda, já subiu e voltou a descer. A principal notícia do setor, além da liberação de reservas pelos EUA, é que a Gazprom PJSC da Rússia começou informar aos clientes como pagar pelo gás em rublos. A invasão da Rússia está afetando as cadeias de abastecimento globais e impulsionando custos de energia que já estavam bastante elevados. Os rendimentos dos títulos do Tesouro subiam: as curvas dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA de 2 anos (2,39%) e 10 anos (2,42%) estavam perto da inversão, um padrão que sinaliza preocupação com uma retração econômica.

💥 Inflação dispara

A inflação na Zona do Euro (dados preliminares) atingiu máximos recordes em março, subindo 7,5%, contra projeções de +6,7% e os +5,9% da leitura anterior. A título de comparação, os máximos alcançados na última década haviam sido de +4,0% (junho de 2008) e de +3,0% (setembro de 2011).

PUBLICIDADE

Leia também o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Vaivém no cenário eleitoral

🟠 Expectativas em torno à guerra

O mercado acompanha o desfecho da oferta do gás russo à Europa, depois que o país pedira que o pagamento seja feito em rublos. Com essa exigência, a Rússia quer sustentar o valor de sua moeda e contornar parte das sanções que lhe foram impostas. Além disso, os investidores observam a ação das forças militares russas na Ucrânia, que não diminuíram como o esperado.

Os preços do gás natural na Europa caíam com a diminuição dos temores sobre as interrupções de fornecimento resultantes da decisão da Rússia de alterar a moeda de pagamento. Os contratos futuros do gás de referência retrocediam 2,9% esta manhã, apagando altas anteriores.

Sobre o desenrolar da guerra, a Rússia disse que dois helicópteros militares ucranianos atingiram um depósito de petróleo na cidade de Belgorod, informação que não foi confirmada por Kyiv. Hoje , negociadores russos e ucranianos prosseguem com suas conversas, desta vez por videoconferência.

A situação sobre os títulos russos em vencimento também chama a atenção. A Rússia recomprou o equivalente a US$ 1,45 bilhão de uma tranche que vence na segunda-feira, ou 72% da dívida pendente, o que deixaria em circulação apenas US$ 552,4 milhões. Até agora, mesmo com as restrições e sanções à Rússia por seus ataques à Ucrânia, o país tem conseguido honrar suas obrigações financeiras.

Um panorama dos mercados esta manhãdfd

🟢 As bolsas ontem: Dow (-1,56%), S&P 500 (-1,57%), Nasdaq (-1,54%), Stoxx 600 (-0,94%), Ibovespa (-0,22%)

Os mercados acionários americanos fecharam com perdas pela segunda sessão consecutiva, afetados pelas preocupações sobre os efeitos da guerra na Ucrânia sobre a economia global. Com este desempenho, os principais indicadores do mercado acionário fecharam um primeiro trimestre que não deixará saudade. O S&P 500 acumulou uma queda de 4,9% em três meses, a pior desde março de 2020, quando os primeiros efeitos da pandemia Covid-19 foram sentidos. O Dow Jones Industrials perdeu 4,6% no trimestre, enquanto o Nasdaq Composite despencou 9% no período. Os preços do petróleo caíram depois que o presidente dos EUA Joe Biden decidiu usar as reservas de seu país para tentar conter o aumento do custo dos barris, provocado pelo conflito bélico.

PUBLICIDADE

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

• PMI Industrial/Mar: EUA, Canadá, Zona do Euro, Alemanha, Reino Unido, França, Espanha, Itália, Brasil, México

• EUA: Taxa de Desemprego/Mar; Folhas de Pagamento do Governo e do Setor Manufatureiro/Mar); Gastos de Construção (Mensal) (Fev); Índice de Novos Pedidos ISM/Mar; Preços no Setor Manufatureiro ISM/Mar

• Europa: Zona do Euro (IPC/Mar)

PUBLICIDADE

• América Latina: Brasil (Produção Industrial/Fev; Balanço Orçamentário; Balança Comercial/Mar)

📌 E para segunda-feira, 4 de abril:

Feriado na China (Festival Ching Ming)

• EUA: Índice de Tendência de Emprego/Mar; Pedidos de Bens Duráveis - excluindo Defesa/Fev; Encomendas à Indústria/Fev

• Europa: Zona do Euro (Confiança do Investidor Sentix/Abr; IPP/Fev); Alemanha (Balança Comercial/Fev, Saldo de Transações Correntes/Fev); França (Balanço Orçamentário do Governo/Fev)

PUBLICIDADE

• Ásia: Japão (Gastos Domésticos/Fev; Massa Salarial Geral de Empregados/Fev; PMI do Setor de Serviços/Mar)

• América Latina: Brasil (IPC-Fipe/Mar; Transações Correntes/Fev; Investimento Estrangeiro Direto/Fev)

-- Com informações de Bloomberg News

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDADE