Mercados

Emergentes: Saída da Rússia de fundos BRIC gera crise existencial no segmento

Fundos recuaram 14,6% este ano e total de ativos desabou mais de 90% em relação ao pico para apenas US$ 3 bilhões, segundo dados da Bloomberg

Wall Street está abandonando Rusia
Por Nishant Kumar e Loukia Gyftopoulou
25 de Março, 2022 | 03:24 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Na virada do século, quando criou a sigla BRIC, o então economista-chefe do Goldman Sachs (GS), Jim O’Neill, não tinha a intenção de dar uma ideia para turbinar a propaganda dos fundos de investimento.

Mas as gestoras de recursos se apressaram para montar fundos com essa temática. Gestoras como Schroders, Franklin Templeton e a própria Goldman Sachs Asset Management abocanharam bilhões de dólares de clientes que buscavam ganhos com a combinação de investimentos no Brasil, Rússia, Índia e China. Essa jogada de marketing fracassou e agora enfrenta uma crise existencial.

A invasão da Ucrânia impede investimentos na Rússia. A MSCI removeu o país de seus índices de referência, inclusive do BRIC Index. A China, responsável por boa parte do índice, enfrenta desaceleração econômica e aperto regulatório sem precedentes ao setor de tecnologia, resultando em enormes perdas nas bolsas.

Os fundos BRIC recuaram 14,6% este ano e o total de ativos nesses veículos de investimento desabou mais de 90% em relação ao pico para apenas US$ 3 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

O colapso foi uma lição implacável sobre os perigos dos fundos temáticos. A junção de quatro países emergentes tão diferentes, complexos e arriscados foi um jogo de palavras sagaz, mas não um investimento inteligente. As economias desses países cresceram rapidamente, como previsto por O’Neill, mas suas ações não tiveram necessariamente o mesmo destino. O MSCI BRIC tem desempenho inferior ao do S&P 500 (IVVB11) desde o início do século e também inferior ao retorno total dos índices individuais dos quatro países.

  Dados atuais foram considerados até 25 de fevereiro, antes que o mercado russo fechassedfd

“Não confunda os conceitos do BRIC”, disse O’Neill em entrevista. “Meu propósito ao criar a sigla não teve nada a ver com investimento”.

A promessa do BRIC

O artigo de O’Neill intitulado “Building Better Global Economic BRICs” foi publicado em 30 de novembro de 2001, argumentando que a economia mundial seria impulsionada pelo crescimento dos mercados emergentes nas décadas seguintes. No artigo, o economista defendeu que os fóruns de elaboração de políticas governamentais, como o G7, fossem reorganizados para incorporar representantes dos BRIC.

As gestoras de fundos se agilizaram. Dois dos maiores fundos sobreviventes — Schroder International Selection Fund BRIC e Templeton BRIC Fund — foram iniciados em 2005. O Goldman Sachs lançou seu próprio fundo no ano seguinte. O fundo Schroder atraiu mais de US$ 4 bilhões, enquanto o fundo Templeton acumulou US$ 3,3 bilhões até 2010.

PUBLICIDADE

No entanto, esses fundos derraparam na segunda década do século e agora se deparam com uma calamidade. O fundo Schroder, que administrava US$ 710 milhões no final de fevereiro, recuou 16% este ano, segundo dados compilados pela Bloomberg. O fundo de US$ 450 milhões da Templeton caiu mais de 14% após zerar o valor contábil dos papéis de empresas russas negociados no mercado americano, de acordo com uma pessoa com conhecimento do assunto.

O fundo BRIC do Goldman Sachs perdia dinheiro e foi fechado em 2015, mas incorporado a um fundo mais amplo voltado para mercados emergentes. Diversas gestoras tomaram decisões semelhantes. A Bloomberg hoje monitora apenas 74 fundos BRIC sobreviventes.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE