PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

G-7 alerta Putin contra uso de armas químicas e nucleares

Líderes também planejam dizer que continuarão a impor ‘consequências graves’ à Rússia, com as sanções já anunciadas e medidas adicionais

Presidente dos EUA, Joe Biden, está em Bruxelas para um trio de cúpulas com a OTAN, o G-7 e a União Europeia
Por Michael Nienaber
24 de Março, 2022 | 07:30 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As principais potências econômicas do mundo planejam alertar o presidente russo, Vladimir Putin, contra o uso de armas químicas ou nucleares na Ucrânia no rascunho de uma declaração que o Grupo dos Sete planeja emitir nesta quinta-feira (24).

Os líderes do G-7 também planejam dizer que continuarão a impor “consequências graves” à Rússia, implementando integralmente as sanções que os países já impuseram e estão prontos para aplicar medidas adicionais.

“Encarregamos os ministros relevantes em uma iniciativa focada para monitorar a plena implementação das sanções e coordenar as respostas relacionadas a medidas evasivas, inclusive em relação às transações de ouro do Banco Central da Rússia”, de acordo com o projeto de comunicado obtido pela Bloomberg News.

O presidente dos EUA, Joe Biden, está em Bruxelas para um trio de cúpulas com a OTAN, o G-7 e a União Europeia.

PUBLICIDADE

As nações do G-7 também planejam pedir a outros países que imponham sanções e se abstenham de fornecer apoio à Rússia.

“Além disso, pedimos a todos os países que não deem assistência militar ou outra à Rússia para ajudar a continuar sua agressão na Ucrânia”, diz o esboço.

Os líderes também planejam prometer ajuda para as nações enquanto tentam se livrar de sua dependência do petróleo russo.

“Nos comprometemos a apoiar ativamente os países dispostos a eliminar gradualmente sua dependência das importações russas de gás, petróleo e carvão”, diz o esboço. Espera-se que os EUA e a UE anunciem um acordo na sexta-feira (25) com o objetivo de reduzir a dependência da Europa em relação à energia da Rússia.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Google testa permitir que aplicativos como Spotify tenham faturamento próprio

Com verão de extremos, Brasil esquece crise hídrica com reservatórios cheios