PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA fecham acordo para ajudar Europa a substituir importações de gás russo

O bloco de 27 países pretende substituir este ano quase dois terços de suas importações totais de gás da Rússia

Europa quer reduzir dependência da Rússia
Por Ewa Krukowska e Jorge Valero
24 de Março, 2022 | 08:01 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Um acordo político entre o presidente Joe Biden e a União Europeia abrirá caminho para importações adicionais de gás natural liquefeito dos EUA para ajudar o bloco a substituir as importações russas do combustível, disse um alto funcionário da UE.

Biden, que se juntou aos líderes da UE em uma cúpula com o objetivo de chegar a uma resolução comum contra a invasão da Ucrânia, anunciará o acordo junto com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na manhã de sexta-feira, segundo o funcionário. As importações de GNL da Rússia, o maior fornecedor de energia da UE, atingiram cerca de 14 bilhões a 18 bilhões de metros cúbicos por ano nos últimos anos.

PUBLICIDADE

“Estamos dando passos mais concretos em nossa cooperação energética para garantir a segurança do abastecimento e reduzir a dependência dos combustíveis fósseis russos”, disseram Biden e Von der Leyen em comunicado conjunto na quinta-feira em Bruxelas.

O acordo UE-EUA fornecerá uma plataforma para acordos comerciais que precisarão avançar para que os embarques comecem. O bloco de 27 países pretende substituir este ano quase dois terços de suas importações totais de gás da Rússia, que totalizaram 155 bilhões de metros cúbicos no ano passado, depois que a guerra travada pelo presidente Vladimir Putin forçou o grupo a repensar a política energética do bloco.

“Estamos trabalhando com a UE para apoiar a segurança energética da Europa e acelerar a transição global para energia limpa”, disse Saloni Sharma, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, na quinta-feira. “Teremos mais sobre isso amanhã.”

PUBLICIDADE

As importações adicionais dos EUA levarão tempo para começar, com a Europa restringida pela atual capacidade de regaseificação, número de terminais e interconectores, disse o funcionário da UE, que pediu para não ser identificado comentando conversas privadas. No médio prazo, os EUA explorariam opções para aumentar a produção e a UE buscaria maneiras de reduzir o consumo de energia.

A nova estratégia energética europeia, delineada pela comissão no início deste mês, visa substituir 101,5 bilhões de metros cúbicos de gás russo em 2022, aproveitando fontes alternativas de abastecimento, construindo energias renováveis e aumentando a segurança energética. Busca garantir 50 bilhões de metros cúbicos de GNL de novos fornecedores.

As importações do combustível dos EUA aumentaram exponencialmente em meio à crise energética europeia, que começou alguns meses antes da guerra em meio a fluxos limitados da Rússia. Em 2021, as entregas transatlânticas de GNL foram de cerca de 22 bilhões de metros cúbicos. Em janeiro de 2022, eles eram de 4,4 bilhões de metros cúbicos.

--Com a ajuda de Josh Wingrove.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também