PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

‘Não diga gay’: Entenda por que a atriz Raven-Symoné está contra a Disney

Conivência da empresa com projeto de lei da Flórida que impede escolas de discutir questões de gênero gerou revoltas

Trabalhadores se reuniram em frente à sede da empresa em Burbank, na Califórnia
Por Christopher Palmeri e Carly Wanna
23 de Março, 2022 | 10:58 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Cerca de 60 funcionários da Walt Disney (DIS), incluindo a atriz da série A Casa da Raven, Raven-Symoné, paralisaram o trabalho na terça-feira (22) para protestar contra a relutância inicial da empresa em lutar publicamente contra a legislação da Flórida, que se opõe a grupos de direitos da população LGBTQ.

Os funcionários marcharam e bradaram em frente à sede da Disney em Burbank, na Califórnia, segundo uma pessoa que estava presente. Outra reunião foi planejada em um parque público próximo dali, com discursos e um grupo que recolhia mensagens inspiradoras para enviar às famílias LGBTQ na Flórida.

PUBLICIDADE

O CEO Bob Chapek gerou controvérsias este mês quando disse que a Disney não assumiria uma posição pública sobre um projeto de lei da Flórida que impediria as escolas de discutir orientação sexual e identidade de gênero com alunos do jardim de infância ao terceiro ano. A Disney tem liderado o avanço das causas LGBTQ em Hollywood ao longo dos anos, tornando a decisão especialmente digna de nota.

Chapek voltou atrás dois dias depois, pediu desculpas e afirmou que a empresa se oporia publicamente à legislação, que deve ser promulgada pelo governador da Flórida, Ron DeSantis.

Em outras áreas do império da Disney, foi mais difícil avaliar a participação na paralisação. Havia poucas fotos de manifestantes nas redes sociais. Representantes sindicais nos parques temáticos da Disney em Anaheim, na Califórnia, e Orlando, na Flórida, disseram que não viram sinais de ampla adesão dos funcionários. Cerca de 80% dos funcionários das redes esportivas ESPN, da Disney, estão trabalhando remotamente, tornando qualquer ausência menos visível.

PUBLICIDADE

Os protestos desta terça-feira são o ponto de convergência de diversas paralisações organizadas por um grupo de funcionários. Eles estão exigindo que a Disney suspenda todas as contribuições de campanha para autoridades da Flórida que apoiam o projeto, congele o investimento no estado e interrompa a transferência de funcionários para a unidade do estado. Em 2 de outubro de 2021, a Disney empregava aproximadamente 190 mil pessoas.

Em apoio à nossa família LGBTQ+ e a todos aqueles que serão prejudicados pelo projeto de lei “não diga gay”, nós, do elenco de Raven’s Home estamos fazendo uma paralisação. No mundo de hoje, é imperativo que tomemos partidos, apoiemos e andemos em frente, não para trás. Todas as famílias, todas as pessoas e todas as crianças merecem ser reconhecidas, independentemente da sua raça, gênero ou orientação sexual. A educação que reflete a verdade e o mundo em que vivemos é algo pelo que devemos lutar.

Muitas operações da Disney, incluindo as redes National Geographic e Hulu, publicaram mensagens nas redes sociais denunciando a legislação e apoiando os direitos da população LGBTQ.

A Disney diz ter suspendido todas as contribuições políticas na Flórida. Em uma reunião de funcionários da empresa na segunda-feira (21), a Disney afirmou ter adiado um retiro para a administração e que Chapek e outros líderes se reuniriam com funcionários em todo o mundo em uma turnê de audição. A empresa também denunciou uma ordem executiva no Texas que trataria os procedimentos de readequação sexual em jovens como abuso infantil e formou uma força-tarefa para promover conteúdo de filmes e TV amigáveis à população LGBTQ.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE