PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Bônus se recuperam e bolsas caem; foco se dirige a indicadores e bancos centrais

Futuros de índices nos EUA estão no vermelho desde o início da manhã; na Europa, só o FTSE se mantém em alta; petróleo oscila ao sabor de expectativas sobre embargo russo

As variáveis que orientarão os mercados
23 de Março, 2022 | 08:49 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Barcelona, Espanha — Os mercados de renda variável operam quase todos em baixa, enquanto os títulos soberanos, que vinham no caminho de perdas recordes, se recuperavam. Nas últimas sessões, as sinalizações de um aperto monetário mais forte do que o esperado pesaram sobretudo no mercado de bônus.

No entanto, há pouco os prêmios do Tesouro norte-americano com 10 anos de prazo caíam para 2,37%, depois de terem alcançado máximos que não eram vistos desde meados de 2019. O petróleo, por sua vez, opera num verdadeiro sobe e desce - e continua em níveis historicamente elevados. A volatilidade está diretamente ligada à guerra da Rússia na Ucrânia e às decisões de líderes europeus sobre a suspensão ou não do petróleo russo.

PUBLICIDADE

Entre os discursos de dirigentes de bancos centrais e indicadores que refletirão os primeiros impactos, diretos ou indiretos, da guerra, os investidores terão muito que avaliar. Nas últimas sessões, as bolsas mostraram certa complacência diante do noticiário envolvendo guerra, inflação e aperto monetário. Porém, a bateria de dados que está para sair testará a aceitação dos investidores ao risco.

🧩 Inflação x Crescimento

Os pronunciamentos de vários membros de bancos centrais podem dar pistas - ou criar ruídos - sobre o ritmo de expansão econômica. Várias autoridades monetárias, entre elas o Federal Reserve (Fed), declararam a inflação como sua principal inimiga e estão dispostos a fazer de tudo para domá-la. Os investidores se perguntam: a alta dos juros será um remédio excessivamente amargo para a expansão econômica?

📊 Efeitos da guerra

Além disso, os indicadores que estão para sair devem expor os primeiros impactos da guerra sobre a economia e a percepção de consumidores e do empresariado.

PUBLICIDADE

→ O primeiro dado desta manhã foi a inflação no Reino Unido: disparou novamente, para 6,2% em fevereiro, contra os 5,5% registrados em janeiro. Trata-se da maior taxa anual em 30 anos.

Também é grande a expectativa em torno dos indicadores de confiança da Zona do Euro (o ZEW alemão desabou na semana passada) e os PMIs de várias partes do mundo programados para amanhã.

Leia também o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Gilmar Mendes e a Lava Jato

Um panorama dos mercadosdfd

🟢 As bolsas ontem: Dow (+0,74%), S&P 500 (+1,13%), Nasdaq (+1,95%), Stoxx 600 (+0,85%), Ibovespa (+0,96%)

As bolsas de valores norte-americanas fecharam em alta um dia depois de um tom mais duro do presidente do Fed, Jerome Powell, no combate à inflação. Ao mesmo tempo, um forte movimento de venda no mercado de títulos levou os prêmios dos bônus de curto prazo a registrarem uma das maiores altas diárias em uma década. Além da expectativa de um esfriamento econômico pelo aperto monetário, os investidores conjecturam sobre o impacto, ainda desconhecido, da guerra na Ucrânia. Quanto mais tempo durar, maior o risco de estagflação para a economia global, avaliam os especialistas.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Juros de Hipotecas de 30 anos; Pedidos de Hipotecas; Índice de Compras MBA; Vendas de Casas Novas/Fev; Estoques de Petróleo Bruto; Atividade das Refinarias de Petróleo pela EIA; Produção de Gasolina; Taxas semanais de Utilização das Refinarias EIA

Europa: Zona do Euro (Confiança do Consumidor/Mar); Reino Unido (IPC, IPP e Índice de Preços no Varejo/Fev; apresentação do Orçamento Anual)

PUBLICIDADE

Ásia: Japão (IPC; Índice de Indicadores Antecedentes; PMIs Industrial e do Setor de Serviços/Mar)

América Latina: Brasil (Fluxo Cambial Estrangeiro); Argentina (PIB/4T21 e Balança Comercial/Fev)

Bancos Centrais: Atas da Reunião de Política Monetária do Bank of Japan (BoJ). Os presidentes do BCE e do Fed, Christine Lagarde e Jerome Powell, estarão entre os oradores da cúpula de inovação do BIS, que vai até 23 de março. Pronunciamentos de Andew Bailey (BoE), Joachim Nagel (Bundesbank), Mary Daly (FOMC/Fed)

PUBLICIDADE
📌 E para amanhã:

• Feriado na Argentina (Dia Nacional da Memória pela Verdade e Justiça)• Indicadores PMIs: Estados Unidos, União Europeia, Alemanha, França, Espanha, Reino Unido, Japão• EUA: Pedidos Iniciais de Seguro-Desemprego, Pedidos de Bens Duráveis/Fev, Transações Correntes/4T21, Estoques de Gás Natural, Índice de Atividade Industrial Fed Kansas/Mar, Atividade das Refinarias de Petróleo pela EIA

• Europa: Zona do Euro (Cúpula de Líderes da UE; Massa Monetária M3); Reino Unido (Confiança do Consumidor GfK/Mar; Vendas no Varejo/Mar, Indicador IFO de Clima Empresarial), Itália (Confiança do Consumidor e do Setor Manufatureiro)

• Ásia: Japão (IPC Tóquio/Mar)

• América Latina: Brasil (Relatório Trimestral de Inflação, Reunião do CMN); México (Decisão sobre Taxa de Juros, IPC/Mar, Vendas no Varejo/Jan)

PUBLICIDADE

• Bancos Centrais: Relatório Mensal do BCE. Discursos de Frank Elderson (BCE), Catherine Mann (BoE), Christopher Waller (Fed), Charles Evans (Fed), James Bullard (Fed), Johannes Beermann (Bundesbank)

-- Com informações de Bloomberg News

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDADE