PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Bancos centrais parecem atrasados com a inflação, mostra pesquisa da Bloomberg

Pesquisa da Bloomberg mostra que ações de valor foram a principal escolha para proteger um portfólio contra os efeitos corrosivos dos aumentos de preços

Apenas 4% dos entrevistados disseram que o Bitcoin oferece o melhor hedge de inflação
Por Ven Ram e Eddie van der Walt
22 de Março, 2022 | 08:45 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — É oficial: os investidores acreditam que os bancos centrais estão atrasados no combate à inflação - e que as ações de valor oferecem a melhor proteção contra a alta dos preços.

PUBLICIDADE

Dos 886 investidores que participaram da pesquisa semanal inaugural do MLIV, pesquisa semanal da equipe do Markets Live da Bloomberg, 73% votaram que “todas” ou “a maioria” das autoridades monetárias nos mercados desenvolvidos não fizeram o suficiente para conter a inflação. Embora a inflação nos EUA esteja muito acima de 2% há um ano, o Federal Reserve estava comprando títulos até recentemente e elevou as taxas pela primeira vez neste ciclo apenas na semana passada.

Outros 21% dos entrevistados disseram que apenas “alguns” bancos centrais estão atrás da curva, o que pode ser um reconhecimento de que os da Nova Zelândia e da Noruega há muito aumentam as taxas sem qualquer problema.

PUBLICIDADE

No Reino Unido, o benchmark do Banco da Inglaterra agora é o que era antes do início da pandemia. No entanto, a inflação está em torno de 8% e pode muito bem ultrapassar 10%, um retrocesso à era de Margaret Thatcher. E, no entanto, o BOE continua reiterando que prevê apenas um aperto modesto - fazendo com que as expectativas de inflação subam ainda mais e obrigando os investidores a procurar hedges eficazes na chance de que isso não consiga evitar a espiral de preços.

Quanto custa a brincadeira

Falando em hedges, as ações de valor foram a principal escolha para proteger um portfólio contra os efeitos corrosivos dos aumentos de preços - conquistando 35% dos votos - com ouro e títulos indexados à inflação como vice-campeões distantes.

Essa preferência por ações de valor pode resultar da suposta capacidade das empresas - especialmente aquelas com marcas fortes - de repassar os aumentos de custos aos clientes. Embora os títulos vinculados à inflação também forneçam um hedge eficaz, as ações de valor não obrigam os investidores a escolher um prazo.

No entanto, as preferências de hedge de inflação variam de acordo com a região. Os investidores europeus são menos propensos a preferir ações de valor do que os seus homólogos dos EUA. Cerca de 24% dos entrevistados europeus os nomearam como o melhor hedge, em comparação com 39% dos entrevistados dos EUA e do Canadá.

Os europeus eram mais propensos a escolher ouro e petróleo em comparação com seus pares dos EUA. Uma razão pela qual as ações de valor podem ser mais preferidas na América do Norte é a maior porcentagem de investidores de varejo que participaram da pesquisa.

PUBLICIDADE

Bitcoin não tão amado

Apenas 4% dos entrevistados disseram que o Bitcoin oferece o melhor hedge de inflação, ocupando o último lugar em um campo que inclui ações de valor, ouro, títulos vinculados à inflação, petróleo e outros ativos não especificados. Aqueles que escolheram a criptomoeda foram divididos igualmente entre profissionais de mercado e investidores individuais.

Os resultados minam a ideia de que o Bitcoin é percebido como um refúgio popular da inflação que corrói o valor real das moedas fiduciárias.

Preocupação com a guerra

Não surpreendentemente, o conflito na Ucrânia estava no topo das preocupações dos investidores. Juntos, “guerra” e “Ucrânia” foram mencionados quase 200 vezes em respostas à pergunta “Qual você considera ser o maior risco não precificado para os preços dos ativos?”, enquanto China, inflação e recessão foram as outras grandes preocupações. Em uma pesquisa anterior em dezembro, inflação e covid foram as principais preocupações. Este último é gritante por sua ausência desta vez.

A pesquisa semanal da equipe do Markets Live ocorreu de 15 a 18 de março, promovida por meio do blog Markets Live, da Bloomberg News e do boletim informativo Five Things.

--Com a colaboração de Wes Goodman, Cameron Crise e Heather Burke

Leia também

Ata do Copom confirma intenção de mais uma alta de 1% da Selic