PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Conheça os interessados em comprar o Chelsea de Roman Abramovich

Lista de interessados de um dos ativos mais cobiçados do futebol inclui gestora de recursos e proprietários de times da NFL, NBA e NHL

Chelsea Football Club
Por Peter Flanagan e Andre Janse van Vuuren
19 de Março, 2022 | 01:18 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A venda do Chelsea Football Club por Roman Abramovich atraiu uma rica mistura de licitantes para um dos ativos mais cobiçados do futebol mundial.

O bilionário russo colocou o clube com sede em Londres à venda após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o que levou o governo do Reino Unido a colocá-lo sob sanções de longo alcance por seus laços com o regime do presidente Vladimir Putin.

PUBLICIDADE

Quem assumir terá um ato difícil: quando Abramovich comprou o clube por cerca de 150 milhões de libras (US$ 197 milhões) em 2003, ele não conquistava a primeira divisão inglesa desde 1955. Desde sua chegada, o clube conquistou 21 troféus, incluindo cinco títulos nacionais e dois europeus.

O prazo para licitações se encerrou na sexta-feira (18). Confira os nomes no quadro para suceder Abramovich:

1. Todd Boehly

O ex-presidente do Guggenheim Partners, Todd Boehly, está entre os interessados no Chelsea em parceria com a Clearlake Capital, o bilionário suíço Hansjoerg Wyss e Jonathan Goldstein, um empresário do ramo imobiliário que esteve envolvido em uma oferta pelo rival de Lonson, Tottenham Hotspur FC, em 2014. Boehly fez uma oferta pelo clube em 2019, apenas para Abramovich recusá-lo, de acordo com Dow Jones. Proprietário parcial do time de beisebol Los Angeles Dodgers, ele acaba de concordar com os termos para vender seus parceiros CBAM ao Carlyle Group Inc. por US$ 787 milhões.

PUBLICIDADE

Veja mais: E se ninguém fosse dono do Chelsea FC?

2. Nick Candy

O executivo do Reino Unido, Nick Candy, disse na sexta-feira que ofereceu mais de 2 bilhões de libras pelo Chelsea com um grupo formado pelo Hana Financial Group, da Coreia do Sul, e pelo C&P Sports Group. Desenvolvedor imobiliário, Candy disse que planeja entregar um novo estádio de “classe mundial” e disse que os torcedores do Chelsea terão um papel na administração do clube.

3. Ken Griffin e Família Ricketts

O fundador da Citadel, Ken Griffin, juntou-se à família Ricketts, dona do Chicago Cubs. Se tivessem sucesso, eles se juntariam a vários outros proprietários americanos na Premier League, incluindo a família Kroenke no Arsenal e os Glazers, no Manchester United.

4. Josh Harris e Martin Broughton

Josh Harris, cofundador da Apollo Global Management Inc. e com patrimônio de cerca de US$ 7,6 bilhões, associou-se a Martin Broughton, ex-presidente da British Airways Plc e do Liverpool FC, segundo o Financial Times. O grupo de Broughton disse na sexta-feira que fez uma oferta não especificada.

Harris é um proprietário minoritário do Pittsburgh Steelers, da NFL, e tem participações no Philadelphia 76ers, da NBA, e no New Jersey Devils, da NHL. Ele também tem uma participação em outro clube da Premier League, o Crystal Palace FC, que provavelmente teria que vender para concorrer ao Chelsea.

5. Oaktree Capital

A Oaktree Capital, gestora de ativos dos Estados Unidos dirigida por Howard Marks, também planejava fazer uma oferta, de acordo com uma pessoa com conhecimento do assunto. Suas incursões anteriores no futebol incluem o fornecimento de financiamento de dívida a uma empresa sediada em Luxemburgo que possui a participação da varejista chinesa Suning no Inter de Milão.

PUBLICIDADE

6. Woody Johnson

O proprietário do New York Jets e ex-embaixador dos EUA no Reino Unido, Woody Johnson, estava trabalhando em uma oferta, segundo a ESPN. Ele seria o quarto proprietário da NFL a ter uma participação em uma franquia da Premier League se assumir o Chelsea. Johnson, 74 anos, é herdeiro da fortuna de produtos de consumo da Johnson & Johnson. Ele é dono dos Jets desde 2000. A equipe venceu mais da metade de seus jogos em 2015.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Binance ‘não é pior que banco’ no combate à lavagem de dinheiro, diz fundador

PUBLICIDADE