Mercados

Níquel desaba em meio a nova paralisação na bolsa de Londres

A parada forçada é embaraçosa para a instituição londrina de 145 anos, que é a principal bolsa para definir preços e negociar alguns dos metais

A parada forçada é embaraçosa para a instituição londrina de 145 anos, que é a principal bolsa para definir preços e negociar alguns dos metais
Por Mark Burton e Jack Farchy
16 de Março, 2022 | 12:03 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A bolsa de metais de Londres suspendeu as negociações eletrônicas de níquel minutos após reiniciar essas transações, citando um problema técnico com seu novo limite diário. Os preços desabaram quando o mercado reabriu após uma paralisação de uma semana.

As negociações recomeçaram brevemente às 8h e os contratos futuros de níquel imediatamente atingiram o intervalo diário de 5%. A atividade no mercado foi então suspensa outra vez. A London Metal Exchange informou que interrompeu as transações eletrônicas a fim de investigar o problema e que pretende cancelar um “pequeno número” de acordos. As negociações por telefone continuam e corretores que trabalham no pregão físico poderão negociar níquel hoje.

A queda dos preços sugere alívio no aperto histórico observado na semana passada. A desvalorização reduz a diferença entre os contratos de níquel negociados em Londres e na bolsa de futuros de Xangai, que continuou funcionando durante a suspensão na capital britânica. A decisão histórica da última terça-feira de interromper as negociações veio após um movimento em espiral dos preços que forçou o pagamento de enormes chamadas de margem contra posições pessimistas contratadas pela Tsingshan Group Holding, a maior produtora mundial do metal.

A parada forçada é embaraçosa para a instituição londrina de 145 anos, que é a principal bolsa para definir preços e negociar alguns dos metais mais importantes para a indústria global. A LME já enfrentava duras críticas antes desta quarta-feira por ter decidido suspender negociações no mercado de níquel e cancelar várias horas de negócios na semana passada. O motivo foi um aperto causado por posições vendidas, que provocou a disparada dos preços.

PUBLICIDADE

“Que desastre”, disse Ole Hansen, estrategista-chefe de commodities do Saxo Bank. “A LME não está se ajudando.”

Os problemas na negociação eletrônica podem fortalecer o pregão presencial da LME, conhecido como Ring, que vinha perdendo importância nos últimos anos. A LME tentou fechar o Ring no ano passado, mas cancelou o plano após a reação negativa de alguns de seus integrantes.

A LME anunciou que reabriria o mercado de níquel esta semana, depois que a Tsingshan conseguiu uma trégua dos bancos. Os mercados de commodities foram atingidos por uma onda de vendas desde que a LME interrompeu as negociações para neutralizar uma valorização sem precedentes que, segundo a bolsa, representava ameaça sistêmica ao mercado. Os preços de outros metais se recuperaram nesta quarta-feira.

Em pesquisa realizada pela Bloomberg na terça-feira, a maioria dos especialistas esperava que a queda dos preços atingisse o limite quando o mercado reabrisse.

PUBLICIDADE

Apenas 206 lotes — o equivalente a 1.236 toneladas de níquel — foram negociados antes da paralisação do mercado na manhã de quarta-feira. A maioria dos acordos foi fechada no limite de preço de US$ 45.590 por tonelada.

Mais de 8.600 contratos — ou 51.600 toneladas de níquel — foram colocados à venda na plataforma eletrônica quando o mercado abriu. Havia apenas 3 lances de compra.

“De certa forma, aconteceu o que era esperado, todos nós prevíamos queda, mas não sabíamos a velocidade”, disse Colin Hamilton, diretor de pesquisa de commodities da BMO Capital Markets.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE