PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Verde tem melhor fevereiro desde 2017 e amplia cautela com ações

Gestora criada por Stuhlberger espera que impacto da guerra sobre commodities dure bastante tempo e vê “equilíbrio macro global” mais desafiador

"Crescimento tende a sofrer com o aperto de condições financeiras trazido pela guerra, especialmente na Europa.”
Por Vinícius Andrade
10 de Março, 2022 | 03:34 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O fundo Verde ficou mais cauteloso com suas alocações em bolsa, especialmente no mercado internacional, dada a perspectiva de inflação ainda mais alta e crescimento econômico global menor em meio aos impactos da invasão da Ucrânia pela Rússia.

“A inflação já vinha alta antes da invasão, e isso só piorou”, disse a Verde Asset Management, em carta a cotistas. “Ao mesmo tempo, o crescimento tende a sofrer com o aperto de condições financeiras trazido pela guerra, especialmente na Europa.”

PUBLICIDADE

A Verde, criada por Luis Stuhlberger, espera que o impacto da guerra sobre os preços de commodities dure bastante tempo e vê um “equilíbrio macro global” mais desafiador. “Equilíbrios ‘estagflacionários’ são particularmente difíceis de navegar para os banqueiros centrais.”

Veja mais: Rússia fora de índices pode derrubar dólar e trazer US$ 1,3 bi à B3

O principal fundo da gestora possui posições que se beneficiam de juros mais altos nos EUA e, em menor medida, na Europa. O Verde também está comprado em inflação implícita no Brasil.

PUBLICIDADE

Os ganhos com inflação implícita ajudaram o fundo a registrar o seu melhor mês de fevereiro desde 2017, subindo 1,32%. Posições tomadas em mercados desenvolvidos e hedges de bolsa no exterior também colaboraram, enquanto o fundo teve perdas com apostas em ações brasileiras.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Banqueiro vê Meirelles como ministro dos sonhos no governo Lula

Preocupação com inflação pressiona bolsas globais, que caem nesta quinta

PUBLICIDADE