PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Frigoríficos acham espaço para repassar custos na exportação

Valorização da soja e do milho no mercado internacional tem favorecido preços do frango globalmente e permitido ajustes

Exportações crescem e frigoríficos conseguem margem para repassar aumento de custos
10 de Março, 2022 | 04:55 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Os frigoríficos brasileiros de frango têm conseguido repassar o aumento dos custos de produção gerados a partir da valorização da soja e do milho para os produtos exportados. A alta das commodities tem pressionado as margens das indústrias, porém, parte desse aumento tem sido transferido para os produtos exportados, uma vez que o mercado internacional está absorvendo esse aumento. Casos de influenza aviária em vários países da Europa, Ásia, África e, mais recentemente, na América do Norte, têm limitado a oferta de frango no mercado global, permitindo que as indústrias brasileiras pratiquem preços mais elevados.

“As altas históricas dos custos de produção têm pressionado positivamente os preços internacionais de carne de frango, com o repasse aos preços finais. Ao mesmo tempo, as ocorrências de focos de Influenza, também favoreceram o desempenho das exportações brasileiras”, avalia o presidente da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), Ricardo Santin.

PUBLICIDADE

Veja mais: Brasil perde 25 milhões de toneladas de grãos para a seca

No mês passado, as exportações brasileiras de carne de frango totalizaram 374,5 mil toneladas, segundo a ABPA. O número representa um crescimento de 7,4% sobre o volume total exportado no mesmo período do ano passado. Em receita, as vendas externas do Brasil alcançaram US$ 663 milhões, número 27,1% maior do que o registrado em fevereiro de 2021, quando os embarques renderam US$ 521,6 milhões.

Nesse contexto, a China perdeu o posto de maior cliente do Brasil. Pela primeira, vez, os Emirados Árabes assumiram o posto de principal destino do frango brasileiro, com a aquisição de 42,8 mil toneladas exportadas em fevereiro, número 89,9% superior ao alcançado no mesmo período de 2021. A China, agora no segundo lugar, importou 42,3 mil toneladas (-8,4%) e foi seguida pela a África do Sul, com importações de 30,7 mil toneladas.

PUBLICIDADE

Veja mais: Produção mundial de soja encolhe mais 10 milhões de toneladas

“Os Emirados Árabes Unidos ganharam forte protagonismo nas exportações brasileiras dos últimos meses e foram decisivos, assim como o reforço das vendas ao México e à União Europeia. É esperado que estes níveis de compras nestas regiões se mantenham pelos próximos meses, especialmente porque a Ucrânia, que é um forte competidor do Brasil em destinos como a União Europeia, Arábia Saudita e países do Golfo, com o conflito, seguramente deixará de exportar os volumes habitualmente destinados a estas regiões”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Leia também

Preocupação com inflação pressiona bolsas globais, que caem nesta quinta

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE