PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Protecionismo alimentar cresce no mundo como consequência da guerra

Países como Indonésia, Argentina e Hungria anunciaram restrições das exportações para garantir a alimentação da população

A Indonésia, maior exportadora de óleos comestíveis do mundo, aumentará o controle sobre os embarques
Por Eko Listiyorini e Anuradha Raghu
09 de Março, 2022 | 12:36 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Indonésia, maior exportadora de óleos comestíveis do mundo, aumentará o controle sobre os embarques em um sinal de crescente protecionismo em todo o mundo, à medida que os países enfrentam a disparada dos preços dos alimentos.

Os exportadores de óleo de palma terão que destinar 30% de seu volume de embarque para o mercado local, um aumento de 20%, segundo o ministro do Comércio, Muhammad Lutfi. O governo tomará medidas firmes contra os acumuladores, disse ele na quarta-feira.

PUBLICIDADE

Os governos estão tomando medidas para proteger o abastecimento doméstico de alimentos depois que a invasão da Ucrânia pela Rússia agitou o comércio e elevou os preços dos principais produtos básicos. Medidas protecionistas, que já aumentaram nos últimos anos, à medida que a pandemia de covid-19 estimulou preocupações com a escassez, podem significar mais más notícias para o comércio global de alimentos e aumentar a pressão sobre a inflação de alimentos.

O movimento da Indonésia acontece após a alta dos óleos vegetais no ano passado devido a uma crise de oferta, com óleo de palma, soja e canola atingindo repetidamente novas máximas. A invasão da Ucrânia pela Rússia deu um novo golpe, já que o conflito bloqueou as exportações das duas nações que transportam cerca de 80% das cargas de óleo de girassol e mais de um quarto do fornecimento global de trigo.

A política da Indonésia visa garantir óleo de cozinha acessível para os consumidores domésticos e permanecerá em vigor até que o fornecimento volte ao normal, de acordo com Lutfi. Existe a possibilidade de que a alocação aumente ainda mais se a situação não melhorar, disse ele. A última regra entrará em vigor nesta quinta-feira.

PUBLICIDADE

Os preços do óleo de palma subiram, com os futuros na Malásia avançando até 13% para um novo recorde, enquanto o contrato chinês em Dalian subiu para o limite diário. O rival óleo de soja também avançou para um recorde histórico em Chicago.

O aumento da obrigação do mercado doméstico pegou todo mundo de surpresa”, disse Togar Sitanggang, vice-presidente da Associação Indonésia de Óleo de Palma, em uma conferência em Kuala Lumpur. “Pedimos fortemente ao governo que quaisquer mudanças importantes só ocorram após o Ramadã.”

O Ramadã, mês sagrado muçulmano marcado pelo jejum desde o amanhecer e até o anoitecer, começa no início de abril e é seguido pelo Eid al-Fitr em maio. Esses eventos, celebrados por muçulmanos em todo o mundo, geralmente aumentam a demanda por óleo de palma e outros óleos vegetais que são usados para fazer guloseimas, como biryani, e doces.

Outros países que adotaram o protecionismo alimentar incluem a Hungria, que está proibindo as exportações de grãos. Argentina e Turquia também fizeram movimentos recentes para aumentar seu controle sobre produtos locais. A Moldávia, embora pequena, interrompeu temporariamente as exportações de trigo, milho e açúcar.

Leia também

As cidades que querem ser o próximo Vale do Silício na América Latina

Petróleo oscila com enorme volatilidade após proibições de importação da Rússia

PUBLICIDADE