PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Google compra empresa de cibersegurança Mandiant por US$ 5,4 bi

A empresa está trabalhando para recrutar e oferecer suporte a clientes de nuvem em meio à forte concorrência da Microsoft e da Amazon.com

Seu segundo maior negócio de todos os tempos
Por Nico Grant
08 de Março, 2022 | 09:18 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O Google (GOOG) concordou em adquirir a empresa de segurança cibernética Mandiant (MNDT) por US$ 5,4 bilhões, seu segundo maior negócio de todos os tempos.

Com a Mandiant, o Google da Alphabet obtém mais ferramentas para proteger seus clientes de nuvem, respondendo rapidamente a ameaças online. A empresa está trabalhando para recrutar e oferecer suporte a clientes de nuvem em meio à forte concorrência da Microsoft (MSFT) e da Amazon.com (AMZN).

PUBLICIDADE

O Google comprará a Mandiant por US$ 23 por ação em um acordo em dinheiro, segundo um comunicado divulgado na terça-feira (8). Após o fechamento do transação, a Mandiant fará parte do negócio de nuvem do Google.

A Microsoft também estava interessada na Mandiant, mas desistiu das negociações há mais de uma semana, disseram duas fontes com conhecimento das deliberações que pediram para não serem identificadas porque a situação é privada. A Microsoft encerrou suas discussões de aquisição por preocupações de que a suite de negócios de segurança da Mandiant não era um ajuste estratégico bom o suficiente, de acordo com uma das fontes.

O negócio de nuvem pode ajudar o Google a diversificar além da publicidade, que compreende a maior parte de sua receita e lucro. Sob o comando do CEO Thomas Kurian, que assumiu em 2019, o Google Cloud buscou inúmeras maneiras de expandir, trabalhando para tornar o serviço mais confiável e renovando suas parcerias para criar projetos sob medida para mais clientes.

PUBLICIDADE

As vendas da divisão de nuvem cresceram 47% em 2021, mas os concorrentes mantiveram a liderança teimosamente. No quarto trimestre de 2021, o Google detinha 10% do mercado de provedores de nuvem, enquanto a Amazon comandava 33% e a Microsoft capturou 21%, segundo dados do Synergy Research Group.

A Mandiant foi fundada há quase duas décadas por Kevin Mandia, um ex-oficial da Força Aérea dos EUA, e ganhou reputação por seus serviços de resposta a incidentes. Suas discussões com o Google, relatadas pela primeira vez pelo site Information, elevaram as ações da Mandiant em 16% no fechamento do pregão de segunda-feira (7).

As ações da Mandiant subiram para US$ 22,49 no fechamento, marcando o maior ganho em um dia desde 8 de fevereiro, quando as negociações da Microsoft foram divulgadas. As ações avançaram 28% este ano.

As ações perderam parte desses ganhos no final do pregão depois que a Bloomberg informou que a Microsoft havia desistido das negociações, um sinal de que os investidores estavam prevendo uma guerra de lances. As ações caíram até 6,1%.

A Mandiant tornou-se uma empresa independente novamente no ano passado, quando a FireEye vendeu seu negócio de produtos de segurança por US$ 1,2 bilhão para um consórcio liderado pelo Symphony Technology Group. A FireEye adquiriu a Mandiant em 2013. Após o rali de segunda-feira (7), o alvo da aquisição tem um avaliação de mercado de US$ 5,26 bilhões.

O acordo vai superar todas as transações anteriores do Google - com exceção da aquisição da Motorola Mobility (MMI) em 2012 por cerca de US$ 12,5 bilhões.

PUBLICIDADE

Para o Google, o maior desafio ainda pode estar à frente - conseguir que os reguladores aprovem o acordo durante inúmeras investigações antitruste. Demorou mais de 14 meses até que o Google pudesse fechar sua compra de US $ 2,1 bilhões da empresa de tecnologia Fitbit (FIT), devido ao escrutínio regulatório, e o Google pode ter de passar pela mesma situação com a Mandiant. Enquanto isso, a rival Microsoft está em processo de aquisição, abocanhando a Activision Blizzard (ATVI), Nuance Communications (NUAN) e 14 outras empresas no ano passado, de acordo com seu site.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE