Mercados

Petróleo segue escalada com recuo da Shell na Rússia

Gigante petrolífera disse que não irá mais comprar barris de petróleo do país em meio à guerra na Ucrânia

O petróleo West Texas Intermediate para entrega em abril subia 3%, para US$ 123,03 o barril às 6h47 em Londres
Por Elizabeth Low e Alex Longley
08 de Março, 2022 | 08:41 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo Brent subiam com o anúncio da gigante petrolífera europeia Shell de que deixará de comprar petróleo russo, enquanto a Agência Internacional de Energia disse estar decepcionada com as ações que os produtores tomaram no mercado até agora.

Os futuros em Londres subiam perto de US$ 127 o barril, enquanto o West Texas Intermediate (WTI) também avançava depois de se estabelecer no nível mais alto desde 2008 na segunda-feira (8). O aumento do petróleo ajudou a elevar os preços dos combustíveis no varejo com a gasolina em um patamar recorde nos EUA, de acordo com a American Automobile Association, ressaltando o impacto inflacionário dos custos de energia mais altos.

A Shell disse que deixará de comprar petróleo russo no mercado à vista e não renovará seus contratos de prazo, a menos que seja instruído pelos governos a fazer o contrário. A empresa também disse que mudará sua cadeia de fornecimento de petróleo bruto para remover os volumes russos, embora isso possa levar algumas semanas, e levará à redução da produção em algumas de suas refinarias.

Os legisladores dos EUA anunciaram o esboço da legislação bipartidária para impedir as importações de petróleo russo, enquanto os governos da União Europeia estão divididos sobre se devem participar da ação. A TotalEnergies tornou-se a primeira grande empresa de petróleo a dizer publicamente que seus traders não comprarão mais petróleo russo, embora a maioria dos compradores já esteja evitando seus suprimentos. O chefe da AIE disse que a agência pode liberar suprimentos adicionais para esfriar os preços, se necessário, e que ficou desapontada com as ações dos produtores para estabilizar o petróleo até agora.

PUBLICIDADE

O enorme aumento no petróleo desde o início da guerra fez com que alguns dos principais nomes de Wall Street elevassem suas previsões de preços. O Goldman Sachs (GS) agora vê o Brent em US$ 135 este ano, acima dos US$ 98 anteriores. O UBS (UBS) disse que vê US$ 125 como um teto suave para os preços, mas que eles podem chegar a US$ 150 no caso de uma guerra prolongada. A AIE disse que poderia liberar uma “quantidade substancial” de estoques, se necessário, e que há uma quantidade significativa de capacidade de produção disponível.

“Podemos ter algumas correções no caminho, mas no final das contas isso ainda vai muito, muito mais longe”, disse Amrita Sen, analista-chefe de petróleo da consultora Energy Aspects, em entrevista à Bloomberg TV. “Eu diria que você precisa de pelo menos US$ 150, se não mais, para uma desaceleração material no crescimento da demanda.”

O secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, alertou que o mundo não tem capacidade de produção de petróleo suficiente para substituir a contribuição da Rússia para os mercados, de acordo com comentários da CERAWeek pela S&P Global em Houston. No mesmo evento, o CEO da Chevron Corp., Mike Wirth, disse que ainda não há evidências de escassez física de petróleo ou gás.

Preços do petróleo

  • O petróleo West Texas Intermediate para entrega em abril subia 3%, para US$ 123,03 o barril às 6h47 em Londres.
  • O Brent para liquidação de maio avançava 3,1%, para US$ 127 o barril.

Algumas rachaduras estão começando a aparecer nos mercados de petróleo à medida que os custos seguem crescendo. Os fabricantes de plástico na Ásia estão reduzindo a atividade, enquanto os refinadores da região estão considerando cortes no processamento. As taxas de frete também aumentaram, aumentando a pressão sobre as refinarias que acabaram de se recuperar da pandemia.

PUBLICIDADE

Diesel continua a ser o canto do mercado que está mostrando o aperto mais extremo - particularmente na Europa. Os traders estão pagando um prêmio de mais de US$ 100 a tonelada pelos futuros de gasóleo da ICE em relação ao contrato de abril, um nível sem precedentes. Os benchmarks brutos também permanecem fortemente atrasados.

--Com a colaboração de Francine Lacqua

Leia também

Trigo sobe 7%, tem sexta alta seguida e vai ao maior valor da história

Mais mulheres como CEO? Grupo busca mudança a longo prazo

PUBLICIDADE