PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Brasil deixa de exportar banana, melão e melancia a Rússia e Ucrânia

Agrícola Famosa, um das maiores produtoras de frutas do Brasil, redireciona contêineres para a Holanda devido à guerra

Porto do Pecém, no litoral do Ceará, exporta frutas como banana, melancia e melão para Rússia e Ucrânia, além de outros países europeus, como a Holanda
08 de Março, 2022 | 07:02 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — A Agrícola Famosa, uma das principais exportadoras de frutas do Brasil para a Europa, suspendeu a exportação de banana, melão e melancia para Rússia e Ucrânia devido ao conflito bélico na região, confirmou o CEO da companhia sediada no Ceará, Luiz Roberto Barcelos, nesta terça-feira (8).

“Por semana, mandamos cerca de 400 contêineres de frutas para a Europa, sendo quatro para Rússia e Ucrânia, ou seja, 1% do volume”, disse o empresário à Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais: BRF e M. Dias Branco perdem R$ 4,5 bi em valor de mercado com a guerra

A carga por contêineres de 20 pés é embarcada pelo Porto do Pecém, no município de São Gonçalo do Amarante, a 63 km da capital Fortaleza. Maior produtora de melão e melancia do Brasil, a Agrícola Famosa enviava semanalmente três contêineres carregados com melão e um com melância para a Rússia, enquanto outro com banana nanica era entregue a Ucrânia.

Segundo o CEO da Agrícola Famosa, a solução foi redirecionar esses contêineres para a Holanda, por onde a empresa costuma distribuir seus produtos para o mercado europeu. As frutas são cultivadas pela companhia no município cearense de Icapuí e numa região conhecida no estado como distrito de irrigação do perímetro Tabuleiro de Russas.

PUBLICIDADE

Agronegócio

A guerra entre Rússia e Ucrânia tem preocupado o comércio exterior brasileiro, principalmente o agronegócio, dependente do mercado de fertilizantes. O Ministério do Comércio e Indústria da Rússia recomendou aos produtores de fertilizantes do país que suspendam temporariamente as exportações. Hoje, o Brasil é o maior importador do mundo, trazendo de fora mais de 80% dos fertilizantes utilizados pelo agronegócio.

Enquanto a Agrícola Famosa exporta frutas para a região do conflito militar, outra companhia cearense enfrenta o problema oposto. A M. Dias Branco (MDIA3), maior fabricante de massas e biscoitos do país, dona da marca Piraquê, é dependente do trigo importado, cujo preço disparou no mercado internacional desde o início da guerra, levando o mercado a prever uma explosão dos custos da companhia e impacto negativo em sua lucratividade.

“As tensões entre Rússia e Ucrânia adicionaram incertezas na oferta global de trigo, visto que o cereal russo representa 19% das exportações do mundo”, alertou um relatório do Itaú BBA, produzido pela consultoria de agronegócio do banco e que analisa o agronegócio.

Leia também

Biden proíbe importação de combustíveis fósseis da Rússia

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.