Cripto

Coinbase bloqueia 25 mil carteiras de criptomoedas ligadas à Rússia

Maior exchange de criptomoedas dos EUA proibiu o acesso de indivíduos sancionados e está usando blockchain para identificar endereços suspeitos

Coinbase
Por Yueqi Yang
07 de Março, 2022 | 03:55 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A plataforma de negociação de criptomoedas Coinbase Global Inc. (COIN) disse que bloqueou mais de 25 mil endereços de carteira relacionados a indivíduos ou entidades russas que acredita estarem envolvidas em atividades ilícitas.

Os endereços bloqueados representam cerca de 0,2% dos 11,4 milhões de usuários de transações mensais da Coinbase, com base em dados de 2021. Em um blog da empresa, Paul Grewal, diretor jurídico da Coinbase, disse que a maior exchange de criptomoedas dos EUA proibiu o acesso de indivíduos sancionados e está usando análises de blockchain para identificar endereços potencialmente vinculados a eles, o que também adiciona a uma lista de bloqueio interna.

“Hoje, a Coinbase bloqueou mais de 25 mil endereços relacionados a indivíduos ou entidades russas que acreditamos estarem envolvidas em atividades ilícitas, muitas das quais identificamos por meio de nossas próprias investigações proativas”, escreveu Grewal. “Nós os compartilhamos com o governo para apoiar ainda mais a aplicação das sanções.”

Quando a Rússia iniciou sua invasão da Ucrânia, o governo Biden pediu às exchanges de criptomoedas que ajudassem a garantir que indivíduos e organizações russas não estivessem usando moedas virtuais para evitar sanções impostas a eles por Washington, informou a Bloomberg News, citando pessoas com conhecimento do assunto.

PUBLICIDADE

As principais exchanges de criptomoedas, incluindo Coinbase e Binance, disseram que cumprirão os mandatos do governo para restringir indivíduos sancionados, mas não banirão todos os usuários russos. Brian Armstrong, CEO da Coinbase, disse anteriormente que alguns russos comuns estão usando criptomoedas com um “salva-vidas agora que sua moeda entrou em colapso”.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE