Agro

Cinco gráficos para entender o caos nas commodities

Conflito entre Rússia e Ucrânia vem afetando oferta de commodities para o mundo; confira movimentações

Guerra na Ucrânia faz preços dispararem com temores de aperto no abastecimento já frágil
Por Sophie Caronello
07 de Março, 2022 | 07:00 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os preços globais das commodities estão subindo novamente, com enormes ganhos de dois dígitos correndo soltos em todo o scorecard, pressionando ainda mais um mercado já tenso e provocando uma nova ansiedade de estagflação.

O caos no mercado causado pela guerra na Ucrânia atingiu um novo nível na segunda-feira (7), em meio a relatos de que os Estados Unidos estão considerando proibir as importações de petróleo russo. A movimentação ocorreu após um alerta do Fundo Monetário Internacional sobre as consequências econômicas “muito graves” do conflito e as sanções relacionadas impostas a Moscou. O rally do petróleo, trigo, gás natural e níquel está ameaçando uma recuperação econômica ainda frágil da pandemia, exacerbando um aumento inflacionário para os países consumidores de energia e piorando uma crise de custo de vida para milhões.

Veja alguns dos movimentos mais notáveis do dia e o que eles podem significar para empresas e consumidores comuns.

Petróleo

Os contratos futuros de petróleo Brent subiram até 18% e chegaram a quase US$ 140 o barril, antes de recuar enquanto os traders avaliavam o potencial dos EUA de reprimir as importações de energia russa. A Rússia exporta aproximadamente 5 milhões de barris por dia de petróleo bruto, o equivalente a cerca de 5% do consumo global, bem como quase 3 milhões de barris diários de produtos refinados - combustíveis essenciais como diesel, óleo combustível e uma matéria-prima petroquímica conhecida como nafta. Os analistas do Goldman Sachs Group (GS) estimam que um choque prolongado de US$ 20 no preço do petróleo reduzirá o produto interno bruto em 0,6% na área do euro e 0,3% nos EUA e na China.

PUBLICIDADE
Petróleo saltou para quase US$ 140 o barrildfd

Níquel

O níquel subiu até 90% em um dos movimentos de preços mais extremos já vistos na London Metal Exchange, já que os temores sobre o abastecimento pela Rússia deixam os compradores expostos a um aperto histórico. O metal adicionou US$ 26.081 por tonelada métrica, tendo o maior ganho diário em dólar nos 35 anos de história do contrato antes de fechar em US$ 48.078. A Rússia é um dos maiores fornecedores mundiais do metal, e o medo das sanções ou a incapacidade de exportar o metal assustou um mercado já apertado. Mais de 70% do fornecimento global de níquel é destinado à fabricação de aço inoxidável. No entanto, é o uso do metal em baterias para veículos elétricos que realmente chamou a atenção do mercado nos últimos anos.

Um aumento sem precedentes no níqueldfd

Gás natural

O gás holandês do próximo mês, referência da Europa, subiu até 79% chegando ao equivalente a mais de US$ 600 o barril de petróleo, antes de reduzir alguns ganhos à medida que os temores de oferta crescentes tomaram conta do mercado. As flutuações de preços ficaram na faixa de quase 139 euros por megawatt-hora, a maior diferença já registrada entre altas e baixas intradiárias. Mais notavelmente, o intervalo era equivalente ao preço real há apenas alguns dias. A Rússia fornece cerca de um terço da demanda europeia de gás, e um corte (ou mesmo uma redução) pode colocar em risco a economia e prolongar uma crise de energia no próximo inverno. O combustível é usado principalmente para aquecimento e para gerar eletricidade. As remessas pelos oleodutos permanecem estáveis; a Gazprom PJSC reiterou nesta segunda-feira que os fluxos que cruzam a Ucrânia estão em um nível alto e seguem normalmente. No entanto, os traders continuam nervosos com possíveis interrupções.

Gás natural flutua com temores de interrupção no abastecimentodfd

Trigo

Os preços do trigo estão à beira de um recorde. A intensificação da guerra na Ucrânia está suspendendo o abastecimento de um dos principais celeiro do mundo. Juntamente com a Rússia, os países respondem por 25% dos embarques globais. Os contratos referência em Chicago chegaram ao limite diário pela sexta sessão consecutiva, subindo 7% e chegando a US$ 12,94 por bushel. Esse salto se soma a um sólido aumento de 41% na semana passada, o maior em seis décadas, e eleva os preços ao nível mais alto desde 2008. O contrato de Paris encerrou uma alta histórica depois de saltar até 11%.

Contratos de Chicago aumentaram 68% desde o início do anodfd

Gasolina

A dor na bomba vai se tornar mais real para os consumidores americanos, já que a gasolina flerta com a maior alta já registrada. O preço médio da gasolina sem chumbo está agora em US$ 4,065 o galão (cerca de US$ 1,08 por litro), apenas 5 centavos abaixo de seu pico. Com os futuros da Nymex subindo para um recorde na segunda-feira, os preços no varejo não ficarão muito atrás, já que os fabricantes de combustíveis se preparam para o início da temporada de verão. Isso, apesar de os EUA liberarem 30 milhões de barris de petróleo de sua Reserva Estratégica de Petróleo.

PUBLICIDADE
Futuros de gasolina dos EUA atingem alta vista em 2005dfd

-- Com a colaboração de Rakteem Katakey, Kim Chipman, Craig Trudell, Thomas Biesheuvel e Chunzi Xu.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE