Negócios

Presidente do Flamengo vai comandar conselho da Petrobras, diz jornal

Eduardo Ferreira deixa presidência do conselho da estatal e governo indica Rodolfo Landim para cargo, segundo O Globo

Petrobras
05 de Março, 2022 | 05:40 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O presidente do conselho de administração da Petrobras, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, vai deixar o cargo, informou a agência britânica de notícias Reuters, neste sábado (5). Ele justificou a decisão dizendo que pretende dedicar mais tempo a sua família.

Já o jornal O Globo noticiou hoje que o governo Bolsonaro vai indicar, na próxima segunda-feira (7), Rodolfo Landim, presidente do Flamengo e ex-diretor da Petrobras, para a presidência do conselho de administração da estatal.

Em agosto do ano passado, Landim foi denunciado pelo Ministério Público Federal, junto com alguns ex-sócios pelo crime de gestão frauduleta, numa operação financeira que teria causado um prejuízo de R$ 100 milhões a fundos de pensão de funcionários de estatais, como a Funcep, informou o colunista Lauro Jardim em seu blog no site de O Globo.

“A presidência do conselho de administração da Petrobras é um trabalho de 24 horas e quero passar mais tempo com minha família”, afirmou Ferreira, que é pai de dois filhos adultos residindo no exterior.

PUBLICIDADE

Ferreira foi eleito presidente do conselho de administração da Petrobras em 2019. Segundo o site da estatal, ele é almirante de esquadra da reserva e foi comandante da Marinha do Brasil (2015-2019), tendo, portanto, chegado ao topo de sua carreira militar. No exterior, ele serviu no Chile (1992) e foi instrutor, nos EUA, na Escola Naval da Marinha Americana em Annapolis (1987-1989).

Entre os cargos que exerceu, estão de capitão dos Portos do Rio de Janeiro (2003-2004) e diretor de Portos e Costas (2010-2012), quando teve oportunidade de aprofundar ligações com as atividades offshore ligadas à indústria do petróleo. Foi também comandante da Escola Naval (2007), da Escola Superior de Guerra (2013-2015) e comandante-em-chefe da Esquadra Brasileira (2012-2013).

Leia também

Aliado de Moro vira alvo de repúdio após falas sexistas sobre ucranianas