PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cotação de Cripto

Bitcoin sobe em meio às especulações de que as sanções favorecem cripto

O Bitcoin subiu para US$ 41.272, enquanto o Ether ganhou cerca de 8,7% nesta segunda-feira

As moedas digitais ganharam força na segunda-feira, com Bitcoin e Ether subindo após um fim de semana de desempenho misto.
Por Emily Nicolle e Peyton Forte
28 de Fevereiro, 2022 | 02:10 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Bitcoin (BTC) saltou até 10%, se recuperando do final de semana, em meio a especulações de que as criptomoedas vão se valorizar após as sanções contra a Rússia.

“Definitivamente, acho que é uma possibilidade”, disse Stéphane Ouellette, executivo-chefe da Frnt Financial. “Além do mais, com a situação bancária instável na região como um todo podemos ver alguns escapando para criptomoedas como outro potencial meio de pagamento. Ou isso ou podem ser especuladores assumindo que haverá mais demanda por criptomoedas na região”.

PUBLICIDADE

As moedas digitais ganharam força na segunda-feira, com Bitcoin e Ether subindo após um fim de semana de desempenho misto. O Bitcoin subiu para US$ 41.272, enquanto o Ether (ETH) ganhou cerca de 8,7%. Mesmo altcoins e memecoins discrepantes, como a SOL, da Solana, LUNA, da Terra, e Dogecoin, que são mais propensos à volatilidade, subiram.

A correlação de 60 dias do Bitcoin com o S&P 500 subiu após a crise da Ucrânia com um nível de classificação de 0,6. Um valor de 1,0 significaria ativos se movendo em perfeita harmonia e -1,0 significaria completamente o oposto, com zero mostrando nenhuma correlação. Mas o movimento de segunda-feira pode ser o início de uma divergência com base em dados históricos.

“Se você olhar especificamente para a criptomoeda, quando os macromercados tradicionais caem, a criptomoeda tende a ser correlacionada com eles por um período de aproximadamente 70 dias – um pouco mais de dois meses – e então começa a quebrar sua correlação”, disse Joey Krug, da Pantera Capital, em nota recente. “E então pensamos que nas próximas semanas, a criptomoeda basicamente vai se desvincular dos mercados tradicionais e começar a negociar por conta própria novamente.”

PUBLICIDADE

Em outras partes do mercado, os movimentos do Bitcoin parecem menos relacionados. Isso acontece fora dos EUA: quando comparado com o Stoxx Europe 600, a correlação é de 0,26 - e é de 0,07 para o índice Shanghai Shenzhen CSI 300 de ações chinesas.

“É muito útil quebrar correlações/beta por frequências – ou seja, curto versus longo prazo”, disse o estrategista Benson Durham, da Piper Sandler, ex-funcionário sênior do Conselho do Federal Reserve. O Bitcoin e o S&P 500 “tendem a ser muito mais correlacionados no longo prazo do que no curto prazo. Esta é uma notícia indesejável para os alocadores de ativos mais tradicionais e estratégicos, em oposição aos traders de maior frequência”.

Um relatório da corretora institucional de criptomoedas Copper mostrou este mês que as reservas globais de câmbio de Bitcoin - um indicador do que está disponível para ser vendido aos traders - atingiram novos mínimos no final de janeiro, o que o chefe de pesquisa da empresa, Fadi Aboualfa, disse que sinalizou que a criptomoeda pode ter encontrado um “piso fundamental” dentro de sua faixa de preço atual.

Craig Erlam, analista de mercado sênior da Oanda, disse em um e-mail que, embora geralmente se espere que a criptomoeda seja negociada como um ativo de alto risco, “durante alguns dos períodos mais voláteis e negativos nos mercados, eles mostraram alguma resiliência real que não é necessariamente o que se esperaria”.

“Talvez sejam os HODLers flexionando seus músculos após uma venda tão grande, com US $ 30.000 amplamente vistos como um grande nível. Ou talvez devido às últimas sanções russas e à turbulência na Ucrânia, alguns estão vendo uma janela para criptomoedas. É difícil dizer nesta fase”, acrescentou Erlam.

--Com assistência de Joanna Ossinger e Edward Harrison.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE