Negócios

Buffett segue caminho ‘levemente atraente’ com recompras recordes

A Berkshire recomprou um total de US$ 27,1 bilhões em 2021, o nível anual mais alto desde que Buffett começou a recomprar ações de forma mais agressiva em 2018

Warren Buffett Fotógrafo: Daniel Acker/Bloomberg
Por Katherine Chiglinsky
26 de Fevereiro, 2022 | 03:53 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

(Bloomberg) – Com a falta dos acordos de grande sucesso que galvanizaram a reputação do investidor bilionário Warren Buffett, a Berkshire Hathaway adotou uma maneira “levemente atraente” de empregar seu grande caixa do ano passado. A empresa de Buffett atingiu um nível de recompras de ações recorde, e mostrou poucos sinais de mudança de rumo.

A Berkshire recomprou um total de US$ 27,1 bilhões em 2021, o nível anual mais alto desde que Buffett começou a recomprar ações de forma mais agressiva em 2018. As recompras ajudaram a reduzir a pilha de dinheiro quase recorde de US$ 146,7 bilhões acumulada na empresa que Buffett administra com o parceiro de negócios de longa data Charlie Munger. A medida fez sentido em meio a alternativas menos atraentes, disse Buffett em sua carta anual no sábado.

Veja mais: Venture capital: Volatilidade afeta receita, mas crescimento de startups compensa

“Charlie e eu enfrentamos posições pesadas de dinheiro semelhantes de tempos em tempos no passado. Esses períodos nunca são agradáveis; mas também nunca são permanentes”, escreveu Buffett em sua carta altamente visada. “Felizmente, tivemos uma alternativa levemente atraente durante 2020 e 2021 para a implantação de capital.”

PUBLICIDADE

O método favorito de investimentos do bilionário - a negociação - foi frustrado nos últimos anos por altas avaliações de bons negócios e o impacto das baixas taxas de juros nesses preços. Essa realidade também forçou Buffett a afrouxar sua política de recompra e se aprofundar em ações de tecnologia, às quais ele normalmente resistia. No sábado, o CEO foi franco sobre as perspectivas de negócios da Berkshire, afirmando que pouco entusiasma os executivos da empresa quando se trata de oportunidades de aquisição.

“Infelizmente, houve pouca ação desse tipo em 2021″, disse Buffett, na carta. “No entanto, fizemos um progresso razoável no aumento do valor intrínseco das ações. Essa tarefa tem sido meu dever principal por 57 anos. E vai continuar sendo”.

O que a Bloomberg Intelligence diz:

“Os negócios diversificados da Berkshire tiveram resultados quase recordes no último trimestre de 2021, apesar das interrupções na cadeia de suprimentos, mas achamos que as recompras de ações podem desacelerar. Acreditamos que grandes fusões e aquisições são improváveis no curto prazo, e a Berkshire foi uma vendedora líquida de ações em 2021. O caixa é de US$ 147 bilhões e o CEO Warren Buffett precisaria de um acordo muito grande para mover a agulha. "

-- Matthew Palazola, analista sênior de BI

PUBLICIDADE

Dos US$ 27,1 bilhões em recompras em 2021, US$ 6,9 bilhões ocorreram durante os últimos três meses do ano. O conglomerado não parou por aí, com cerca de US$ 1,2 bilhão em ações sendo recompradas do final do ano até 23 de fevereiro, disse Buffett. As ações continuaram a subir, com as ações da Classe A ganhando 6,4% desde o final do ano até o fechamento de sexta-feira.

“A aquisição deles eram as ações deles, e essa foi a grande aquisição de 2021″, disse Cathy Seifert, analista da CFRA Research, em entrevista. As recompras de ações falam em parte pela questão da “incapacidade de encontrar um acordo que faça sentido para eles”.

A carta de Buffett, mais curta do que a do ano passado, com apenas 12 páginas, não mencionou a grande notícia de sucessão dada no ano passado de que Greg Abel foi a principal escolha para substituir Buffett, que tem 91 anos, se e quando o investidor quiser renunciar. Abel, no entanto, recebeu uma seção do relatório para falar sobre os esforços de sustentabilidade em alguns negócios da Berkshire.

A Berkshire planeja realizar sua reunião anual de acionistas este ano presencialmente em Omaha, no Nebraska, depois de realizar eventos virtuais por conta da pandemia. A empresa disse em seu relatório anual que vai exigir vacinas para os acionistas participarem da assembleia e do evento de compras.

Buffett usou uma longa parte de sua carta para detalhar suas “Big Four” empresas, que respondem por grande parte do valor da Berkshire, um grupo que agora inclui a Apple como o maior investimento em ações da Berkshire. Ele elogiou as recompras da empresa e o CEO no comando.

“Tim Cook, o brilhante CEO da Apple, considera muito apropriadamente os usuários de produtos da Apple como seu primeiro amor, mas todos os outros públicos também se beneficiam do toque gerencial de Tim”, disse Buffett.

PUBLICIDADE

A Berkshire também divulgou os lucros do quarto trimestre no sábado, com lucro operacional trimestral subindo 45%, para US$ 7,29 bilhões. Esse é o segundo nível mais alto em dados desde 2010 e foi ajudado em parte pelos ganhos mais altos em seus negócios de ferrovias e serviços públicos da BNSF. O lucro líquido também saltou 10,6%, em parte devido a oscilações no enorme portfólio de ações de US$ 350,7 bilhões da Berkshire.

O conglomerado encerrou o ano com uma pilha de caixa de US$ 146,72 bilhões, abaixo do recorde de US$ 149,2 bilhões estabelecido no terceiro trimestre.

Leia também:

Ações afundam, petróleo supera os US$ 100 e ouro dispara com ataque militar russo

PUBLICIDADE

Mercado Livre: Alta dos juros pressiona negócios, mas crédito cresce

Dólar vai a R$ 5,05: o que explica a queda da moeda em meio às tensões externas?

PUBLICIDADE