Brasil

Bolsonaro evita condenar invasão da Ucrânia pela Rússia em live

Presidente disse que vai se reunir com ministro da Defesa e chefe do Itamaraty para “dimensionar o que está acontecendo”

Presidente evitou condenar invasão da Ucrânia pela Rússia
24 de Fevereiro, 2022 | 08:15 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O presidente Jair Bolsonaro (PL) evitou condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia durante sua live semanal nesta quinta-feira (24). Ele informou que, “nas próximas horas”, vai se reunir com o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, e com o ministro da Defesa, Braga Netto, para “dimensionar o que está acontecendo e [para que] o Brasil tenha sua posição”.

Durante a transmissão, Bolsonaro disse que fez uma “viagem de paz à Rússia e teve uma conversa excepcional com o presidente Putin”. E disse que “a guerra não interessa a ninguém, só a paz nos interessa”.

O presidente esteve hoje em São Paulo para inaugurar obras e fez discursos para apoiadores. Em nenhuma das ocasiões, comentou os conflitos entre Rússia e Ucrânia.

O ministro Carlos França, que participou da live de hoje, informou que está negociando com os governos da Ucrânia, da Romênia e da Polônia para traçar estratégias de resgate dos brasileiros que estão em território ucraniano.

PUBLICIDADE

Veja mais: Governo brasileiro pede fim ‘das hostilidades’ russas na Ucrânia

Segundo ele, há cerca de 500 cidadãos brasileiros na Ucrânia, entre moradores e visitantes. “Só vamos tirar as pessoas daquela região quando tivermos condições de segurança, quando o trajeto até os países vizinhos ou até o Brasil possa ser feito de maneira segura e ordenada”, informou.

França também disse que trabalha para retirar estudantes brasileiros que moram em Dursk, cidade russa que fica a cerca de 150 km da fronteira com a Ucrânia. A ideia é levá-los até Moscou, onde fica a embaixada brasileira.

Os governos da Argentina e do Equador, segundo o ministro, pediram ajuda ao Brasil para retirar seus cidadãos da Ucrânia. Há cerca de 50 argentinos e 780 equatorianos no país, de acordo com o ministro.

PUBLICIDADE

Veja mais: Jogadores de futebol na Ucrânia pedem ajuda do governo brasileiro

Aborto no STF

Bolsonaro também usou a live para voltar ao tema do aborto e deixar claro que o ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal, é um de seus aliados na corte. Desde que a corte constitucional da Colômbia descriminalizou a prática, bolsonaristas têm usado do tema para polarizar com o PT, principal adversário do presidente nas eleições deste ano.

Na transmissão, Bolsonaro lembrou que há um processo sobre o tema em trâmite no Supremo Tribunal Federal. Já houve audiência pública, mas não há qualquer sinal de que o caso vá ser julgado pelo tribunal.

Mas ele garantiu que André Mendonça pode atrapalhar uma decisão do STF por meio de um pedido de vista - retirada do processo de julgamento para análise no gabinete, sem prazo de retorno. “Para vocês verem a importância da indicação de um ministro do Supremo que tenha uma certa identidade contigo”, disse Bolsonaro.

Leia também

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE