Brasil

Governo brasileiro pede fim ‘das hostilidades’ russas na Ucrânia

Em nota, Itamaraty fez apelo para que impasses sejam resolvidos por meio de “solução diplomática”

Vendedores nas ruas de Kiev durante a madrugada, enquanto tensões com Moscou aumentavam
24 de Fevereiro, 2022 | 11:19 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O Ministério das Relações Exteriores divulgou uma nota na manhã desta quinta-feira (24) para pedir a “suspensão imediata das hostilidades e o início de negociações conducentes a uma solução diplomática para a questão” das operações militares da Rússia no território da Ucrânia.

Na madrugada desta quinta, a Rússia anunciou o início de “operações militares especiais” no território da Ucrânia, dias depois de reconhecer a independência de duas regiões separatistas no território ucraniano. Diversos alvos foram atacados, inclusive na capital da Ucrânia, Kiev.

Veja mais: AO VIVO: Militares russos avançam sobre a capital da Ucrânia

Segundo o presidente da Rússia, Vladimir Putin, a operação militar teve o objetivo de “desmilitarizar” a Ucrânia. O governo dos Estados Unidos, em resposta, ameaçou Moscou com “sanções severas”.

PUBLICIDADE

No comunicado desta manhã, o Itamaraty disse que “o governo brasileiro acompanha com grave preocupação a deflagração de operações militares pela Federação da Rússia contra alvos no território da Ucrânia”.

“Como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Brasil permanece engajado nas discussões multilaterais com vistas a uma solução pacífica.”

Em outro texto, o Itamaraty informou que há 500 cidadãos brasileiros na Ucrânia e recomenda que eles mantenham contato diário com a Embaixada. Os que estão no leste daquele país, onde está a região separatista cuja independência foi reconhecida por Putin, devem se deslocar até a capital Kiev.

Atualização às 15h55: O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse no Twitter que está “totalmente empenhado no esforço de proteger e auxiliar os brasileiros que estão na Ucrânia”.

PUBLICIDADE

O presidente esteve hoje em São Paulo, onde inaugurou um trecho de estrada em São José do Rio Preto (14km da capital) e reservatórios do Córrego do Ipiranga, na capital. Fez discursos, mas não falou sobre os conflitos.

Leia a íntegra da nota do Itamaraty:

O Governo brasileiro acompanha com grave preocupação a deflagração de operações militares pela Federação da Rússia contra alvos no território da Ucrânia.

O Brasil apela à suspensão imediata das hostilidades e ao início de negociações conducentes a uma solução diplomática para a questão, com base nos Acordos de Minsk e que leve em conta os legítimos interesses de segurança de todas as partes envolvidas e a proteção da população civil.

Como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Brasil permanece engajado nas discussões multilaterais com vistas a uma solução pacífica, em linha com a tradição diplomática brasileira e na defesa de soluções orientadas pela Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, sobretudo os princípios da não intervenção, da soberania e integridade territorial dos Estados e da solução pacífica das controvérsias.

Leia também

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE