Negócios

Após 4 dias fora do ar, site da Americanas retoma operações; ações sobem na B3

Papéis tinham alta da ordem de 7% nesta quarta na Bolsa; sites do Submarino, Shoptime e Sou Barato ainda estavam suspensos

Ambientes de e-commerce da companhia estavam suspensos em razão de incidente de segurança.
23 de Fevereiro, 2022 | 11:03 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Depois de quatro dias fora do ar, os principais sites do grupo varejista Americanas (AMER3) estão sendo restabelecidos gradualmente, informou a empresa em comunicado nesta quarta-feira (23).

Os ambientes de e-commerce da companhia estavam suspensos em razão de incidente de segurança do qual foi vítima entre os dias 19 e 20 de fevereiro. A companhia então manteve parte dos servidores suspensos após identificar “acesso não autorizado”.

Segundo a Americanas, não há evidência de comprometimento das bases de dados. A empresa diz ter uma base de 50 milhões de clientes ativos nos sites e aplicativos da Americanas, Submarino, Shoptime e Sou Barato.

“As equipes continuam mobilizadas, com todos os protocolos de segurança, e atuarão para a retomada integral no mais curto espaço de tempo”, disse a Americanas, em nota.

PUBLICIDADE
  • Por volta das 11h (horário de Brasília) desta quarta, os sites do Submarino, Shoptime e Sou Barato ainda estavam fora do ar. Apenas o Americanas.com.br já estava funcionando, de forma parcial.
  • Na Bolsa, as ações da companhia reagiram negativamente ao ataque. Os papéis AMER3 caíram 11,7% na B3 desde o fechamento de sexta-feira (18) até ontem (22).

Nesta quarta, após o anúncio de retomada das operações, as ações disparam, com ganhos da ordem de 7% na Bolsa.

Veja mais: Americanas vai explorar lojas da BR Mania, em parceria com a Vibra

A Americanas, contudo, não está sozinha quando o assunto é ataque hacker. Em janeiro deste ano, a locadora de carros Localiza sofreu um ataque cibernético, sofrendo interrupção do seu sistema.

No ano passado, diversas companhias enfrentaram transtorno semelhante, como o grupo de medicina diagnóstica Fleury, a operadora de pacotes de viagens CVC e a seguradora Porto Seguro.

PUBLICIDADE

A CVC chegou a ficar metade do mês de outubro com os sistemas afetados pelo ataque hacker, o que prejudicou sua performance no trimestre.

-- Com a colaboração de Sérgio Ripardo

Leia também:

Nubank: Lucro supera expectativa no primeiro resultado após IPO

Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.