Brasil

Apoio de Lula e Bolsonaro atrapalha mais que ajuda na disputa de São Paulo

Segundo pesquisa XP/Ipespe, indicação do presidente é negativa para 45% dos eleitores paulistas; apoio de Lula é ruim para 43%

Candidatos a governador de São Paulo podem ser atrapalhados pelo apoio de Lula ou de Bolsonaro, diz pesquisa da XP/Ipespe
18 de Fevereiro, 2022 | 01:16 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Tanto o apoio do ex-presidente Lula quanto o apoio do presidente Jair Bolsonaro podem atrapalhar o desempenho de seus candidatos ao governo de São Paulo.

Segundo pesquisa da XP/Ipespe divulgada nesta sexta-feira (18), 45% dos eleitores paulistas acreditam que o apoio de Bolsonaro a um candidato diminui a chance de votarem nele. No caso de Lula, a cifra chegou a 42%.

Em contrapartida, o apoio de Lula aumenta as chances de o candidato receber votos para 33% dos eleitores de São Paulo. Já o apoio de Bolsonaro é positivo para 20% dos que responderam à pesquisa.

O apoio do atual governador do estado, João Doria (PSDB), também pode atrapalhar: para 43% dos paulistas, uma indicação de Doria diminui as chances de o apoiado receber votos.

PUBLICIDADE

Por que isso é importante: São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil. Segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o estado tem hoje 32 milhões de eleitores, o equivalente a 27% do total nacional. E o apoio de um dos dois principais candidatos à Presidência pode ser definidor nas eleições de outubro.

O PT ainda precisa decidir se vai lançar o ex-prefeito da capital Fernando Haddad (PT) ou se pretende ceder às pressões do PSB e lançar o ex-prefeito de Santos Márcio França (PSB) em troca de compor uma federação partidária.

Já Bolsonaro vem apoiando a candidatura de seu ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Num cenário sem Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo e cotado para ser candidato a vice de Lula, Haddad tem 28% das intenções de voto e Tarcísio, 10%. Márcio França tem 18%.

PUBLICIDADE

Com apoio de Lula e de Bolsonaro, no entanto, o cenário muda. Haddad passa a ter 33% das intenções de voto e Tarcísio, 25%.

A pesquisa foi feita entre 14 e 16 de fevereiro deste ano. Foram entrevistadas mil pessoas no estado de São Paulo por telefone. O registro no TSE está sob os protocolos BR-08006/2022 e SP03574/2022.

Leia também:

Petróleo recua novamente com traders avaliando crise na Ucrânia e no Irã

Alta das commodities deve trazer juros mais altos no Brasil, diz Citi

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE