Mercados

Alta das commodities deve trazer juros mais altos no Brasil, diz Citi

Impacto das commodities na inflação já aparece em índices como o IGP-10, que se aproximou de 2% este mês

Citi prevê que o Copom vai elevar a Selic em 1,25 pp em março e mais 0,75 pp em maio, encerrando em 12,75% o ciclo de alta dos juros
Por Josue Leonel
18 de Fevereiro, 2022 | 12:29 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A alta das commodities deve manter a inflação elevada e o Banco Central terá de ser mais agressivo na política monetária para não desancorar as expectativas, diz Leonardo Porto, economista-chefe do Citi Brasil.

O impacto das commodities na inflação já aparece em índices como o IGP-10, que se aproximou de 2% este mês. Essa pressão diminui o espaço para o BC desacelerar o ritmo de alta da Selic de 1,50 ponto percentual para 1 ponto percentual, como o mercado esperava após o comunicado do Copom indicar ritmo menor do aperto monetário, segundo o economista.

“É uma alta de commodities generalizada, que não é só do petróleo e vem desde meados de dezembro.”

  dfd

A ata do Copom divulgada na semana passada, que teve uma linguagem mais dura do que o comunicado da última reunião, mostrou que o BC “escalou o grau de preocupação com o cenário inflacionário”, afirma Porto.

PUBLICIDADE

O Citi prevê que o Copom vai elevar a Selic em 1,25 pp em março e mais 0,75 pp em maio, encerrando em 12,75% o ciclo de alta dos juros. A taxa só deve começar a ser reduzida no 2º semestre de 2023.

Segundo Porto, a baixa do dólar ocorre ainda num patamar insuficiente para compensar alta das commodities. Além disso, o câmbio ainda deve ser pressionado pela alta dos juros nos Estados Unidos -- o banco estima um dólar a R$ 5,54 no fim do ano, contra o nível atual em torno de R$ 5,14.

Porto diz que o BC não tem espaço para cortar juros este ano mesmo com a mudança esperada do foco para meta de 2023 nas próximas reuniões, Isso porque as expectativas para o próximo ano não são independentes do cenário de inflação e política monetária no curto prazo.

“Se o BC sinalizar uma postura mais acomodatícia, ele perde também a âncora para 2023.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Crise imobiliária na China está ainda mais grave após um ano

ETF de estagflação enfrenta juro alto e economia lenta nos EUA

PUBLICIDADE