PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Brasília em Off: As conversas com Lula por governabilidade

Presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, estão em descompasso quando o assunto é Lula

Petistas ficaram alertas ao perceber que o partido perdeu a oportunidade de expor Bolsonaro no Nordeste
Por Martha Beck
11 de Fevereiro, 2022 | 04:02 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Empresários pesos pesados têm conversado com aliados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para discutir uma agenda de governabilidade. A avaliação do setor produtivo é que alguns temas, incluindo o teto de gastos, são urgentes e precisam estar bem amarrados ainda este ano para que o próximo governo comece sem precisar de um debate que parta da estaca zero.

Lula, por sua vez, quer um político para liderar a equipe econômica caso vença a disputa eleitoral. Para o ex-presidente, o Ministério da Economia tem um quadro técnico qualificado capaz de operacionalizar ações que o governo queira implementar.

PUBLICIDADE

O que falta hoje, segundo os petistas, é alguém com capacidade de construir pontes com o Congresso para que a agenda econômica avance. Lula não quer que seu ministro fique como Paulo Guedes, que ele chama de camelô que só quer vender estatais e não resolve nada.

Veja mais: Em remake ‘paz e amor’, Lula cita Bíblia e diz que não busca vingança

Descompasso

O presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, estão em descompasso quando o assunto é Lula. A avaliação do entorno de Lira é que Nogueira erra ao atacar o ex-presidente e o PT de frente e dizer que tem mais identificação com o que foi feito no governo do presidente Jair Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Por mais que precise abraçar o governo até às vésperas da eleição e queira capitalizar em cima de obras que serão feitas nos estados com dinheiro do Orçamento de 2022, a avaliação é que Nogueira poderia ser mais sutil e adotar um discurso moderado. Da boca de Lira, diz um interlocutor, não sairá nada que depois não possa ser retirado caso o ex-presidente vença a disputa de 2022.

Dormiu no ponto

Petistas ficaram alertas ao perceber que o partido perdeu a oportunidade de expor Bolsonaro no Nordeste, região onde o presidente tenta crescer com o Auxílio Brasil. Além de se referir aos nordestinos como pau de arara, o presidente anulou os lutos de Dom Helder Câmara e Frei Damião, duas figuras importantes para os fiéis locais. Integrantes no partido lembram que o gabinete do ódio tem domínio na internet, campo em que a equipe de Lula terá que ganhar espaço.

Veja mais: Bolsonaro diz que vai processar estados por causa de ICMS de combustível

Interesse próprio

No PT, há quem entenda que não é só nos interesses do PSB que Carlos Siqueira está pensando quando apresenta resistência à federação. Petistas veem Siqueira esticando a corda para chegar em abril com o maior número de candidatos próprios possível nos estados, movimento que pode viabilizar sua permanência na presidência do PSB.

Tweet da semana

Veja mais em bloomberg.com